Chega do 4-3-3 no Vitória! É hora de se reinventar e sair da mesmice!

O uso indiscriminado da formação 4-3-3 é um problema de todo o futebol brasileiro e não apenas do Esporte Clube Vitória. Desde o estouro desta ideia de jogo com o Barcelona de Guardiola no período 2006-2010, os clubes pelo mundo a fora – e principalmente os brasileiros – resolveram extinguir o 442 e demais esquemas para só jogar no 433 tentando imitar ao máximo a postura do Barcelona. Já são quase 10 anos em que todos os principais clubes brasileiros atuam nessa formação e são poucos os que se estabelecem, e dentre os que se estabelecem com essa formação, estão os clubes mais endinheirados e que podem contratar melhores jogadores, além de toda infraestrutura do clube, que por consequência, fortalece esse esquema de jogo na formação, isto é, nas divisões de base.

Tudo que começa tem o seu fim Acredito que estamos no limite do uso desta tática e isso reflete bastante a diminuição de times brasileiros vencedores de Libertadores e Mundial de Clube e da própria Seleção não ganhar uma Copa há 17 anos! E esse desgaste chegou com muito mais força no EC Vitória. Já são 6 anos atuando nesse esquema de jogo, independente do treinador que chegue. Aliás, é outro sintoma da doença que assola o futebol nacional. Nossos treinadores enraizaram esse esquema de jogo e parecem não ter mais força para sair desse vício. 

O Vitória não tem o mesmo poderio financeiro das equipes do eixo para contratar os jogadores mais adaptados e talhados para o 433, fora que os jogadores que atuam no país são arredios a treinamentos mais longos na questão tática e de fundamentos, ao contrário dos que atuam na Europa, pois ou eles aceitam isso ou perdem espaços pelo Velho Mundo e regressam ao Brasil. Os times nacionais mais acostumados com o 433 e mais endinheirados investem em jogadores que já enraizaram o esquema e a parte tática atuando pelos clubes europeus. Lá, na Europa, os jogadores são obrigados a serem profissionais. Aqui há boleiros e tem uma diferença enorme entre ser boleiro e ser jogador profissional, em sua essência.

A última temporada que o 433 se deu bem no Vitória foi em 2013, mas se não tínhamos jogadores com carreiras longas na Europa, em contrapartida tínhamos atletas de maior qualidade técnica e treinadores que conseguiram tirar o melhor da equipe naquela proposta de jogo (Caio Jr e Ney Franco). De 2016 pra cá, o Vitória tem formado times muito ruins e com jogadores, principalmente os extremos, muito fracos para o esquema. Nossos extremos não voltam para marcar e nossos volantes não cobrem as laterais, por isso é comum vermos o Vitória todo arreganhado quando os adversários retomam a bola. Os dois últimos gols do São Bento no sábado passado confirmam isso! 

O principal fator de nos últimos 3 anos o Vitória ser a pior defesa nos campeonatos nacionais não é culpa exclusiva da dupla de zaga, tudo começa com a marcação lá em cima, dos extremos e dos volantes. Não vemos isso no Leão da Barra. No nosso caso é bem pontual, como o Felipe Garcia que costuma marcar a saída de bola do adversário e com isso já conseguiu retomar a bola e criar dois gols. Isso deveria ser feito por mais jogadores e não por um e outro, esporadicamente. Sem a recomposição dos extremos como meias centrais para defender-se e sem os volantes reta-guardando as laterais, o rubro-negro vira presa fácil para os times minimamente organizados e treinados. E até os times ruins crescem por conta desse grande buraco defensivo que começa lá na frente com nossos jogadores ofensivos.

Tem tanto time aí com dupla de zaga pior, mas que não toma tantos gols, justamente por ter maior compactação e participação de jogadores de frente na recomposição defensiva. A dupla de zaga do Oeste-SP é Kanu e Maracás. Só tomaram dois gols nesses 4 primeiros jogos. Nós tomamos DEZ. Kanu e Maracás passam longe de ser zagueiros de topo, tipo Kanneman e Geromel, Victor Cuesta e Moledo, Rodrigo Caio e Léo Duarte.

OSMAR LOSS é o novo treinador do Vitória para a sequência da Série B

Acredito que o Vitória deva abolir, temporariamente, o esquema 433 e voltar a jogar no 352 ou no 361, ou seja, povoando mais o meio de campo, já que não temos pontas de extrema qualidade, velocidade, poder de finalização e muito menos de recomposição defensiva. Ou até mesmo reativar a tática que deu fama e títulos ao Futebol Brasileiro, o clássico 442, que parece ter virado crime hediondo nas mentes da imprensa e de treinadores brasileiros. Foi no 442 que a Seleção se tornou hegemônica e venerada nas copas, foi no 442 as melhores campanhas do Vitória no cenário nacional. A exceção foi a campanha de 1999 quando atuávamos no 433 com Artur, Tuta e Cláudio no ataque; Otacílio, Baiano e Fernando na meiúca.

Que o novo treinador, anunciado hoje, Osmar Loss, venha com isso em mente e varie a tática. Perceba que não temos jogadores capacitados para atuar no 433, pois eles não possuem características de marcação. Pelo fato de ter menos pessoas no meio de campo é obrigatório que os pontas voltem pra ajudar o setor, marcando pelo centro enquanto os volantes abrem para cobrir as laterais. Isso é óbvio. E o Vitória faz tudo ao contrário e digo sem medo de errar que somos o time que joga mais errado e mais feio dentre os 20 da Série A e os 20 da Série B.

Vitória Sempre!

19 respostas em “Chega do 4-3-3 no Vitória! É hora de se reinventar e sair da mesmice!

  1. Assistindo o jogo entre Sampaio Correa e Palmeiras, fico imaginando o quanto o time do Vitoria não joga. Alguns momentos do jogo ou boa parte dele, os jogadores do Sampaio igualaram a partida, jogando compactado e com muita raça, mostrando que apesar da diferença técnica pode-se jogar relativamente bem. Como podemos perder tantas partidas para times pequenos no cenário nacional? Se continuar com essa sina de derrotas, vamos de fato destruir com o clube.

    Curtido por 3 pessoas

  2. Discordo, Fábio, quando diz que as melhores campanhas do Vitória foram no 442. O inverso é o verdadeiro, os grandes times do Vitória formaram com trio ofensivo. Quais foram os melhores times do Vitória? Na minha visão, por ordem:

    1974: André Catimba, Osni e Mário Sérgio
    1993: Alex Alves, Claudinho e Piquetti
    1999: Arthur, Tuta e Cláudio

    O Vitória teve bons times 422? Teve. Mas os melhores times do Vitória, na minha visão, são os que formaram com trio ofensivo.

    Curtir

  3. Concordo. Alguns times inclusive variam de tática dentro do jogo, dependendo da posse da bola. Com a bola jogam de um jeito e sem ela de outro jeito, mas isso depende MUITO do preparo físico da equipe, em especial dos meias e dos atacantes para conseguirem dar o suporte necessário quando o time está sendo atacado. Li um artigo ano passado sobre esquemas táticos e gostaria de compartilhar com vocês: https://medium.com/@CaioGondo/esquema-t%C3%A1tico-e-suas-varia%C3%A7%C3%B5es-at%C3%A9-onde-os-n%C3%BAmeros-do-esquema-s%C3%A3o-mesmo-representativos-no-campo-1214eedc13cf

    Curtido por 1 pessoa

  4. Quanto ao treinador. O Clube trouxe o que podia pagar, ou estou errado?
    Me digam, por favor, quem poderia vir (pelo que o ECV pode pagar)?

    Curtir

  5. Perfeito! Tem que mudar o mindset, mudar a forma de pensar o jogo!!!

    Mas esse Osmar Loss chega fazendo jus ao nome: PERDEDOR! Péssimo retrospecto nos clubes que treinou. O Corinthians do ano passado passou maus bocados com ele. Acho que foi a primeira merda GRANDE da gestão PC/AP e cia limitada… Espero queimar minha língua.

    Curtir

  6. Eu sempre defendi isto aqui, esquema povoando o meio de campo e protegendo a zaga. Mas muitos acham que é um sistema retranqueiro. Ocorre que se voce não tomar gol – e como toma gol este Vitória – voce não perde e ainda corre o risco de ganhar.

    Vamos ver o novo treinador quem será e suas táticas.

    Curtir

  7. Continuo achando que não existe tática que resista a um time sem goleiro. Os atuais da base podem no futuro estar jogando no Barcelona, PSG, etc., mas o momento do Vitória é muito grave, não é hora de se fazer laboratório. GOLEIRO EXPERIENTE E DE CATEGORIA JÁ!

    Curtido por 3 pessoas

  8. Assino em baixo tudo aí. Eu não aguento mais essa forma de jogar do Vitória, entra técnico e sai técnico e é o mesmo jeito. É pedir muito uma variação de tática? O que custa testar todas até achar a que se encaixe com os jogadores que temos? Vou te falar eu já ficaria feliz em ver isso, mesmo perdendo por deficiência técnica, mas pelo menos vou ver que estão tentando algo diferente.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Roberto Morais Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.