SARDINHAS 0X2 VITÓRIA | O papai voltou! CNTP restabelecida.

O Vitória venceu o clássico por 2×0 e calou 26 mil peixes pequenos no Aquário do Dique do Tororó! A imprensa esportiva do estado que até essa semana antes dos duelos das sardinhas com o River-PI e o Sar-Vi falava do rival como se eles fossem a versão latinoamericana do Barcelona agora começa dizer que o Bahia tem time limitado e que Roger Machado, entregador de coletes delas (sardinhas), tem que ser demitido…Agora que perderam dois jogos na semana, incluindo a eliminação da Copa do Brasil eles começam a enxergar defeitos no impecável tricolor gerido pelo moderníssimo Guilherme Bellintani.

Este sábado o Vitória interrompeu a série de 12 jogos sem ganhar do rival, mas tem cerca de 4 jogos e 19 meses sem perder pra eles,mas a imprensa daqui escondia esse fato. Só lembrava pela ótica pró-tricolor. Percebam como nossa mídia esportiva é parcial! Vamos falar do jogo agora – Acostumado a ver o Vitória com diretorias obtusas e times medíocres, a torcida da sardinha e a imprensa passou a usar da arrogância em toda cobertura do clássico, sempre colocando o rival como favorito e o rubro-negro como um azarão. Aliado a mania dos jogos da Arena Fonte Nova serem com torcida única desde que o rival passou a ganhar os jogos, eles esperavam ver o Bahia descontar as goleadas de 2013 e vem se frustrando desde o ano passado.

No jogo de hoje, o Vitória jogou de forma equilibrada, não dominou e não deixou o RIVAL se sobressair. Entretanto, por estar como visitante e sem torcida presente, foi o Bahia que tentava se atirar mais ao ataque e Ronaldo começou a se destacar. Mas aos 23 minutos foi Thiago Carleto, em fortíssima cobrança de falta, que abriu o placar. Vitória 1×0. Após fazer o gol, o Leão melhorou na partida e passou a ter mais chances de gols, enquanto o rival tentava se reerguer, só que aos 43 minutos veio o golpe de misericórdia rubro-negro. Carleto cobra escanteio e Vico, de cabeça, amplia o placar. Vitória 2×0!

Segundo Tempo  Com a vantagem de dois gols no placar, o Vitória voltou com outra estratégia de jogo. Era a vez de cadenciar a partida e fechar a casinha. Obviamente, o Bahia passou a ter mais a posse de bola e maior presença no setor ofensivo, mas o que os little fish não esperavam era que RONALDO estaria em mais um dia de grande inspiração. Não tem como falar deste jogo e da manutenção do placar à favor do Leão sem citar o goleiro rubro-negro! Ronaldo fez belíssimas defesas e se a partida de hoje valesse pelo Cartola FC ele faria 20 pontos, por baixo! Mesmo se retraindo bastante na etapa complementar a última oportunidade real de gol foi do Vitória, nos pés de Vico, que chutou muito fraco para defesa de Douglas e de outro chute em que o goleiro do Bahia deu rebote, mas ninguém pegou a sobra de bola! Agora o Vitória encara o Imperatriz na terça-feira pela Copa do Brasil.

A PALHAÇADA E O LADO QUE A IMPRENSA NÃO MOSTRA, NEM MOSTRARÁ

O BaVi de ontem certamente foi o mais vergonhoso da história deste clássico tradicional do futebol nordestino. O jogo que estava sendo fraco tecnicamente terminou da pior maneira possível, graças a um jogador do rival que já tinha provocado durante a semana, em sua rede social, chamando o Barradão de Barralixo e que iria pra cima das mães e irmãs (na mensagem não deixa claro se são os familiares de nossos jogadores ou de nossos torcedores). Depois de fazer o seu gol em cobrança de pênalti, o cara partiu para uma dança provocativa e de teor sexual na frente da nossa torcida, e pior, da Torcida Uniformizada Os Imbatíveis (TUI). Façam a correlação da provocação da semana e da comemoração do gol. Impossível achar que foi inocente, né?

A atitude de Fernando Miguel e dos demais jogadores do Vitória não são dignas, mas compreensível porque os jogadores ficaram sabendo deste fato, tanto é que Rhayner tinha publicado algo logo após a postagem de Vinicius, dando várias indiretas sobre o que meia da sardinha tinha escrito. E também sem querer justificar, Fernando Miguel não agrediu Vinicius, apenas o puxou e exigiu respeito. O primeiro jogador que agrediu foi Edson, do rival, sempre ele. E basta apenas um agredir para a violência se espalhar e nisso aconteceu o show de horrores, principalmente Kanu que parecia lembrar sua época na corda do Chiclete com Banana.

Depois de 15 minutos de paralisação veio os dois pesos e as duas medidas do árbitro Jaílson Macedo Freitas. Ele poderia muito bem ter expulsado Kanu e Vinicius e deixava os demais jogadores alertados que na próxima confusão não teria complacência. O jogo seguiria normal, com cada qual com -1, mas não. Para ajudar o seu time, ele expulsou 3 do Vitória e 3 do Jahia, mas dois tricolores estavam no banco. Ou seja, ele pendeu pro rival ficar com maior número de jogadores em campo, isso desequilibra taticamente e tecnicamente qualquer time.

O jogo rolou por mais 12 minutos, com o bahia com dois a mais em campo, e eles não conseguiram fazer o gol. Talvez já encomendado, Jaílson resolveu expulsar mais um do Leão por volta dos 32 minutos; Uilliam Correia. Numa falta boba, que nem amarelo merecia. A minha visão é de que Jaílson estava mal intencionado. O Vitória com a expulsão de Correia ficava com seis em campo e o jahia com 9. Iria ou não iria facilitar um triunfo do tricolor? Antes mesmo da bola rolar, Bruno Bispo foi expulso depois de retardar a cobrança de falta do incolor, chutando a bola para longe e como manda a regra, o jogo termina quando um time fica com menos de seis atletas de linha.

Após o término da partida, a Imprensa Sardinhêsca passou a acusar, em bloco, que o Vitória provocou o fim da partida e que o jahia vai sair vencedor com o placar de 3×0 e em alguns veículos mais sensacionalistas eles aventaram até que o Vitória pode ser rebaixado e eliminado das demais competições da temporada. Olha o nível de parcialidade de nossa imprensa, rapaz. Até o momento ninguém tem um vídeo ou foto confirmando que a ordem de forçar a última expulsão partiu da diretoria ou do treinador Vágner Mancini. Tudo especulação! Escutei, enquanto retornava pra casa, a Transamérica FM, e em casa assisti o Cartão Verde e hoje de manhã a TV BA, todos estão fechados com o jahia e já cravando que eles ganharão os pontos. Se depender da imprensa já estamos condenados, sem direito ao Devido Processo Legal.

Primeiramente, o caso vai ter que ser julgado pela FBF, TJD e em última instância no STJD. Isso pode demorar meses ou anos, a depender da vontade e das demandas dos tribunais desportivos. Vale lembrar que o caso de 1999, quando o Bahia fugiu literalmente da Final do Barradão, só teve encerramento em 2006, quando o presidente da FBF, Ednaldo Rodrigues, numa declaração covarde, deu o título dividido entre os dois clubes, quando o VITÓRIA tinha o direito conquistado no campo de jogar a Finalíssima no Barradão e não na Fonte Nova.

Segundo, enquanto não provarem que a ordem veio da diretoria ou do treinador eu defenderei meu clube. E pensando bem, se comprovarem que foi a mando eu termino compreendendo a decisão, apesar de não concordar, pois Jailson quis bagunçar o clássico. Ele deixou o jahia com maior número de jogadores de propósito para facilitar o triunfo tricolor, pois uma derrota tricolor ontem complicaria demais a situação da sardinha na competição. Como diz uma letra de Rita Lee “pra pedir silêncio, eu berro. Pra fazer barulho eu mesmo faço”. Se é pra bagunçar, vamos bagunçar! E digo mais, se o Vitória for declarado perdedor da partida, seria ótimo a gente largar o Campeonato Baiano pra FBF e sardinha curtirem.

Estamos no século XXI, que coisa bizarra essas artimanhas de bastidores para salvar a sardinha. Já deixamos de disputar finais do baiano, já ficamos de fora de uma Copa do Nordeste por irmos mal num estadual, por que a Sardinha não pode sofrer as consequências de suas campanhas ruins no Baianão? Por que toda vez que eles estão pra pagar um mico homérico aparecem Jaílsons e Arilsons pra fazer o jogo pra eles? Ou então surgem as goleadas estranhas como as contra o Primeiro Passo em 2008, 2015 e este ano quando eles fizeram 6 gols só no segundo tempo?

Terceiro, eu não descarto que toda esta celeuma de Vinicius provocar no meio de semana, jornalista falar mal do espaço por onde a torcida visitante entra, que ele chegou a chamar de Curral no jornal que ele escreve, a comemoração desrespeitosa de Vinicius na frente da TUI, a quebra de alambrados e até a briga entre eles dentro do espaço deles, foi armado para voltar a ter torcida única nas finais do Baianão, pois eles sabem que na Arena Fonte Nova cabe muito mais pessoas e a acústica do estádio favorece à intimidação, como aconteceu na semifinal do Nordestão do ano passado. Do rival a gente pode esperar tudo. É um falso campeão, é um clube acostumado a ganhar nos bastidores, de ser antiético, de corromper jogadores adversários, fazer conchavos com árbitros e até com presidentes de outras agremiações, de enviar documentos falsos para um clube tentar nos prejudicar (Caso Victor Ramos e Inter-RS, em 2016).

Vitória Sempre!

#BAVI493 | O clássico da Sofrência

Alô Porteiro, tô ligando pra te avisar, que no Bavi desse Brasileiro, a sofrência vai rolar! Hoje eu acordei e meio veio a falta de você, saudade de você, saudade de você. Lembrei que me acordava de manhã só pra dizer: no BaVi eu vou sofrer, neste BaVi eu vou sofrer!

É rapaziada rubro-negra! É rir para não chorar. O BaVi da sofrência chegou. O clássico de número 493 acontecerá com as duas maiores forças de nosso futebol na triste zona da amargura, choro e ranger de dentes: a zona do rebaixamento. Comprovando que no futebol baiano não há dirigentes ousados, atualizados e com vontade de sair da mesmice de só festejar porcaria de título estadual e as tragédias do seu arquirrival, a dupla Ba-Vi vem proporcionando campanhas pífias aos seus torcedores.

O Vitória esteve na zona de rebaixamento em 7 das 10 rodadas até aqui, ou seja, 70%. Já o Bahia chegou a enganar às sardinhas megalomaníacas quando esteve na liderança na primeira rodada e se manteve entre os 6 nas rodadas iniciais, mas vem em queda livre com 5 partidas sem vencer, sendo que 4 delas foram derrotados. A imprensa baiana, como sempre, exagerou na “boa fase” do Bahia e teve até impresso que fez comparação desta campanha deles com a do famigerado ano de 1988 (o ano que nunca acaba). Até montagem de camisa com “terceira estrela” rolou. Bastou o Falecido enfrentar alguns dos principais times do eixo sul/sudeste para a utopia ser dilacerada pelo choque de realidade e os sardinelsons virarem baiacus raivosos.

Pelo lado rubro-negro, o técnico Alexandre Gallo faz mistério e não divulgou a escalação. Entretanto, com um elenco tão miserável de limitado qualquer escalação que ele faça não surpreenderá ninguém. Já foi testado Patric de meia, de ponta, time com 3 atacantes, com 2 meias e o resultado é sempre o mesmo: Quando o ataque não faz, alguém da zaga, da lateral ou o goleiro entregam por adversário. Somos o time que mais sofreu gols por erros individuais e não coletivos. Dos 15 gols sofridos, uns 9 foram em erros imbecis de jogadores nossos.

Seja qual for o time que Gallo escale, a torcida do Vitória quer sair feliz do BAVI FEST 2017 Parte I, pois joga em sua casa, só com sua galera rubro-negra! Além disso, um triunfo faz o ECV respirar um pouco e jogar de vez o tricolor na crise. Pois, para a imprensa baiana, só quem tá em crise é o Vitória. Tá tudo lindo no recinto dos peixinhos multicores. O jahia parou de ganhar por causa da arbitragem, pois só ela pode parar o Barcelona do Nordeste. Afinal, o time joga bem sempre! Não é?

Já o “baêa bicampeão brasileiro” também segue no mistério infantil. Todos sabem que o jahia não é o barcelona, apesar do inconsciente coletivo das sardinhas e da mídia apontarem que são, portanto o time não deve ter nada de muito diferente das últimas escalações. A bola da vez é do tal Régis, jogador comum, que passou sem brilho na Chape e no Sport, e que agora virou “craque inconteste” das sardas. O jogador vive sim um bom momento na carreira, mas ele jogando ou não, não faz do baêa um time imbatível. Longe disso.

O ponto forte deles é sua organização entre os setores, principalmente a defesa. É fato que Guto deixou um legado razoável aos multicores, pois eles jogam mais compactados, ou seja, dificulta mais para furar o bloqueio defensivo deles, entretanto, na parte ofensiva eles são ruins, lentos e de pouco repertório. Dependem fundamentalmente de inspirações de Allione, Zé Rafael e Régis, que quando não estão numa tarde boa, não oferecem riscos aos adversários.

Dos cinco clássicos deste ano, até agora, estamos em vantagem. Vencemos 2 (uma no Baiano e outra no Nordestão) e empatamos outras duas. O Vitória tem totais condições de ampliar este número amanhã, o que deixaria eles na freguesia da temporada 2017 mesmo que venha vencer o jogo do returno. É notório que nosso time este ano está pior que em 2016, mas acredito num triunfo rubro-negro amanhã. E espero que o amor ao clube supere a raiva cotidiana da campanha pífia desta temporada e o Barradão esteja cheio amanhã. Só o amor ao clube pode fazer isso, apesar de que “esse tal de amor dói”.

Vitória Sempre!

#BAVI489 | Fomos juvenis, comemos pilha e pagamos caro por isso

O Vitória fez tudo o que não devia na tarde de ontem e pagou caro por isso. Tomou 2×0, fora o baile e se despediu da Copa do Nordeste de forma melancólica para o rival, que teve seu goleiro um mero espectador do jogo. Muito triste num clássico valendo vaga para a final da maior competição do primeiro semestre, o Vitória ter sido eliminado sem nem chutar ao gol. Alguém aí lembra alguma defesa sequer do goleiro Jean? Umazinha com ele se esforçando, pegando na ponta dos dedos ou se lenhando todo?

Comemos a “pilha” do vice-presidente do rival e que contou com apoio da mídia local, vide a edição do Correio de ontem. Mesmo tendo vários jogadores acima dos 24 anos no elenco, pareceu que somos um time sub-15 em sua primeira competição importante. O Vitória fez uma péssima partida, foi facilmente dominado pelo rival e não teve forças nem para chegar na área do tricolor. Infelizmente a sensação que passa é de que o nosso time tremeu mesmo.

Além disso, Argel comprovou pela enésima vez que é um mero entregador de coletes e que usa do fator motivacional uma arma, mas que só presta para equipes à beira do rebaixamento. Argel não é técnico, na essência da palavra, pois não sabe variar esquemas nem tirar o “coelho da cartola”, ou seja, descobrir uma nova forma de jogar, descobrir um jogador que possa mudar o rumo de uma partida difícil. A verdade é uma só: Encontramos o Ricardo Silva II, mas com certa “grife” gaúcha. Não tenho dúvidas que Wesley Carvalho, atual assistente, tem muito mais capacidade que Argel.

Pela previsibilidade do esquema tático de nosso treinador, o Vitória já bateu asa da Copa do Brasil e da Copa do Nordeste, as duas principais competições da temporada, onde sonhávamos conquistar o título ou ao menos chegar na final (principalmente o torneio nacional). Só nos resta agora, como consolo (de tolo), o pobre e medíocre campeonato baiano, que o campeão não ganha nem um big-big, ao contrário das duas Copas em que além de maior prestígio, nos resultaria em premiações acima dos R$ 2 milhões. E isso recai a culpa na diretoria, que poderia ter apostado num treinador mais gabaritado e capacitado, mas por preguiça e comodismo renovou com este projeto de treinador.

Copa do Nordeste virou “campeonato brasileiro” para o Vitória desta década

E já temo pelo título do Baianinho. Guto Ferreira já manjou nosso esquema e conseguiu reverter o lado psicológico à favor deles. Faltou de nossa diretoria e comissão técnica, um antídoto, um trabalho forte psicológico com o elenco antes da partida. Gofamos, caímos no jogo das sardinhas e agora só resta para a nossa torcida passar por este dissabor. Esta é a quinta edição do Nordestão com este prestígio no cenário, com premiações altas e que dá ao campeão o direito de jogar a Copa do Brasil a partir das oitavas de finais, o que significa um atalho para se chegar ao título e à Libertadores (seriam apenas 8 jogos). São 5 edições que o Vitória não chega a final da competição regional, que nos anos 90 e início dos anos 2000 era “de lei” a gente ser finalista, por isso somos o maior vencedor do Nordestão. A cada ano esta lembrança vai ficando mais distante de nossas mentes…Que desalento!

Só nos resta que o Santa Cruz ou o Sport Recife sagrem-se campeão nordestino e a gente ganhe o prêmio de consolação e voltar a gozar as hienas de Itinga com seus dois vice-campeonatos em sequência em um curto espaço de tempo.

Apesar de tudo,

VITÓRIA SEMPRE!

PRELEÇÃO DO ABB| Vitória x Sardinha

prelecao do abbehusen

E neste sábado acontece mais uma vez o maior clássico da região Nordeste do Brasil. Infelizmente as direções de Vitória e Bahia fizeram com que esta festa aconteça pela segunda vez na história na série B do Brasileiro. Às 16:30 no Barradão Vitória e Bahia duelam pelo G4 da série B com campanhas muito parecidas e separados por apenas 2 pontos na tabela de classificação.

Este clássico possui todos os ingredientes de emoção e disputa necessários para compor uma bela festa, mas a CBF prefere acirrar e tumultuar mais ainda o jogo e colocam mais uma vez o questionado e tricolor Arilson para comandar a partida. Não sei qual interesse existe para atrair confusão e problemas extras para o jogo, mas é muita temeridade para os dois clubes e para o jogo a escalação desse cidadão.

Para esta partida o técnico Vagner Mancini irá repetir a mesma base que vem jogando as últimas partidas. A única dúvida declarada do treinador é o retorno de Amaral ou a manutenção de Marcelo como nosso primeiro volante. Neste clássico Mancini ganha o reforço de Robert, regularizado e apto para o jogo, o artilheiro do Brasil deve iniciar a partida no banco de reservas. O Vitória deve ir a campo com Fernando, Diogo, Mattis, Ramon, Diego Renan, Amaral (Marcelo), Flávio, Pedro Ken, Escudero, Rogério e Elton.

Já o técnico do time de Dias D´Ávila/Itinga tem dúvidas na armação do seu ataque, o ataque KLB não vem correspondendo às expectativas e o fraco Léo Gamalho deve perder a vaga no time para a meninada da base tricolor, outra dúvida de Sérgio Soares é a situação de Kieza, o atacante reclama de dores na virilha, mas deve estar em campo nesta partida. A equipe deve ser formada com Douglas, Tony, Titi, Robson, Marlon, Pittoni, Souza, Tiago Real, Maxi, Kieza (Willian Santana) e Léo Gamalho (Jacó).

Esta partida será o 46º confronto no Barradão, o Vitória venceu 23, ocorreu 10 empates e 12 derrotas. A atual direção do Vitória vem tentando a passos largos diminuir até essa nossa vantagem que historicamente já foi muito maior em relação ao rival. Parabéns a todos os envolvidos.

 A expectativa é de um bom jogo, com as duas equipes procurando o gol, o Vitória tentando pressionar com o apoio da torcida e as sardinhas usando muito a velocidade nos contra ataques para surpreender o Vitória. Prenuncio de jogo com gols e muita emoção para a torcida. Que a nossa saia feliz do estádio e garanta a entrada no G4, pois na sequência teremos dois jogos difíceis fora de Salvador e vencer é preponderante para as ambições de quem almeja o acesso.

Segue relacionados:

 Goleiros: Fernando Miguel e Júnior Gatito

Laterais: Diego Renan, Mansur e Diogo Mateus

Zagueiros: Guilherme Mattis, Ramon, Ednei e Vínicius

Volantes: Amaral, Marcelo e Flávio

Meias: Escudero, Pedro Ken, David e Vander

Atacantes: Elton, Robert, Rogério e Rhayner

SRN e Bom jogo a todos.

Acabou a Magia! A realidade exige mudança de atitude!

bavifuleiro

Acho que a magia de 2013 por lá ficou. E chega desta história de ficar revezando time B x Time A, já estamos batendo em Março e os “titulares” do Vitória parecem ainda arrotar, com soberba, a campanha de 2013 e joga em 2014 totalmente sem foco, sem brio, sem garra, sem brilhantismo!

O fato é que o time titular ficou 1 semana descansando contra Ceará e 1 semana para o Ba-Vi e não venceu nenhum dos dois e o pior, tomou sufoco em partes do jogo, mesmo com adversários que tem elencos inferiores ao nosso. O bahia mesmo é bem pior que o Ceará, até mesmo na parte da formatação tática.

Mais uma vez vimos um Vitória preguiçoso em campo, que tem várias oportunidades de dar aquele passe que rasga a defesa adversária, mas prefere o insosso passe lateral ou ainda pior, a recuada pra jogadores de defesa…Acho que a soberba de 2013 está atrapalhando o time em 2014.

Ficou evidente mais uma vez que Juan não rende quando começa como meia ofensivo, só tendo êxito quando isso ocorre lá perto do final do segundo tempo, pois confunde a marcação do oponente. Novamente Ney franco erra as mudanças. Era pra ele ter tirado Juan na metade do segundo tempo e não Euller, depois não era para tirar Mauri que estava bem e sim Juan….NF está muito indeciso onde jogar com Juan e Euller, hoje o ex-flamenguista foi meia em dois momentos distintos da partida e teve uma recondução a lateral, na saída do Euller.  A solução é simples: botar Euller na meia ou na ponta esquerda e deixar Juan na lateral.

De bom mesmo só ficou a bela jogada de Marquinhos no final do primeiro tempo, quando deixou Titi deitado no chão e cruzou a bola que Juan, com muita raça e um pouco de sorte achou a finalização pra fazer 1×0. Depois, o que vi foi um time apático, sem o brilhantismo da etapa final do Brasileirão passado. Aí chega no primeiro minuto do segundo tempo, o velho cochilo irritante da nossa defesa e gols dos caras num lance mais infantil que DVD de Patati&Patatá.

Enfim, estou desapontado com esta postura de soberba da equipe do Vitória. Os caras ganham muito bem e em dia, estão tendo as benesses de só jogar um jogo por semana e quando chegam neste dia jogam sem vontade, sem tesão…com uma displicência do baralho e empatando em casa com duas equipes fracas, inferiores a gente, uma que está na Série B (Ceará) e outra que já tem 3 anos tentando voltar (Jahia).

Acho que este elenco “A” precisa levar uma chacoalhada! Um “Acorda pra vida” e um bom começo para isso é acabar de vez com esta benesse de poupar em jogos de meio de semana. Tem que jogar todas agora e ter uma concentração mais rígida (de 2 a 3 dias antes da partida). Estes caras estão na espinha-mole demais.

fahel_nojento

AVALIAÇÃO E NOTA

O time, no coletivo, teve uma atuação NOTA 5,0.

Melhor em campo, em termos individuais, Mauri 8,0 e menção honrosa a Mateus Salustiano 7,5.

PS.: Muito bom ter te conhecido pessoalmente, Ubaldo Oliveira! E agradeço aqui de coração pelo presente que você me deu hoje!!! Espero um dia poder te retribuir!

A festa vai começar…

“Perguntar, não ofende”

Saudosos rubronegros, a parte mais inteligente do ludopédio baiano, amanhã é o grande dia de acabar um tabu mixuruca, mas que incomoda bastante, e garantir o nosso nono título estadual nesta década, que se não fosse a falta de planejamento de 2001 e o mole de 2006 seríamos unodecacampeão (11 taças consecutivas, pire aí negão?).

Enfrentar o timeco do Bahia treinado pelo churrasqueiro gauchioca será uma tarefa fácil, se o Leão tiver no pique da Copa da Brasil e na vontade máxima de acabar com este mimimi de que a nossa última vitória sobre eles foi no Baianão de 2006. Nosso time é melhor, está melhor montado, com um astral mais elevado e com a torcida toda a seu favor. O Bahia vive de cruzar bolas, rifar da zaga e tem dificuldades em acertar 03 passes consecutivos.

É como eu disse, se o Leão esquecer que o Bahia é um rival regional e agir naturalmente como na Copa do Brasil contra Náutico e Goiás, a sacola dos perebas será grande. Temos condições de enfiar 3, 4 ou 5 no falido do Alto de Itinga. Só um grande vacilo, desleixo e falta de foco tira este título do Vitória. Se vencemos este arremedo de adversário com desfalques importantes como o de Nino Paraíba e Vanderson, temos tudo pra fazer a festa no nosso caldeirão com o time completo e com Ramon descansado.

A parte escrota da nossa imprensa esportiva tá batendo na tecla de que o Bahia não perde para gente há 08 jogos no Barradão só para levar os iludidos no bico mais uma vez e garanti-los em nosso mando de campo, mas se esquecem (de propósito) que o Bahia não vence uma decisão em cima da gente desde 2002 (lá se vão 08 anos) e mesmo assim foi um empate na partida final no Barradão, com dois gols de Nonato.

Quando o jogo vale a taça, eles não ganham nada!

Perder um título com derrota no nosso estádio e acima de 1 gol ainda remonta mais ao passado. Foi em 1998, quando o Incolor nos venceu por 3×0, com shows de Ueslei e Robson Luiz. Só para ter uma ideia de tempo, em 1998 o Windows do momento era o que levava o ano no nome e hoje em dia todo mundo quer ter o Windows Vista ou o Windows Seven. Em 98 o presidente era FHC e ninguém esperava que quatro anos mais tarde daria Lula. Hoje o presidente já está saindo do segundo mandato.

Outra coisa também é o costume osoriano da turma de lá. Quem aqui duvida que não foi o Bahia que inventou esta história de Junior para nos tumultuar? Eles usaram o Goiás e a Federação Paraibana como baratino. Quem foi atrás mesmo desta artimanha foram eles através de Ismerim. A verdade é que o seio tricolor se irritou com a comemoração de Junior, pois a carapuça lhe serviu. Eles mesmos se reconhecem como Finado de Itinga e resolveram apelar para uma tentativa de melar o campeonato assim como fizeram em 99.

Por sinal ali foi a clara manifestação da covardia tricolor, um falso vencedor, que tem várias conquistas estaduais através de maracutaias (ainda tô lendo o livro de Osório). Usou uma instituição como laranja e que tinha a maioria dos sócios rubronegros. Quando saiu a notícia de que o Itapagipe estava envolvido naquela questão a galera rasgou os contratos com o clube, que já fechou as portas e tem sua sede posta em leilão. Aqui se faz, aqui se paga.

O Vitória com todos os seus titulares e jogando com vontade não terá risco algum de perder este título, mesmo que o carequinha paranaense chamado Héber Roberto Lopes queira aparecer mais que os jogadores e a torcida. Parte da imprensa quer ver o Bahia campeão de novo, mas será difícil se nosso time continuar neste embalo. Fica para próxima, quem sabe na temporada que Barrichello levar o caneco da Fórmula 01? Ou de Cristo voltar ao plano terrestre? Fica aí a minha dica.

PRA CIMA DELES LEÃO!

O TETRA É NOSSO!

OPINIÃO | Vice 0x1 VITÓRIA

Júnior faz a festa da torcida rubronegra em golaço de raça e talento

Pra começar: No Pinication, meu Leão brocation! Não demos um show de bola, nem goleamos, mas ampliamos a vantagem diante do Vice Morador da Segunda Divisão. Como previsto, o Bahia mostra que é um time fadado ao fracasso, com um futebol ridículo, baseado a chutões, que não consegue dar três passes seguidos e muito menos estrutura para nos encarar pau-a-pau.

No primeiro tempo, o jogo foi até bem equilibrado. O Vitória mostrou que tá afim do Bi-Tetra Campeonato logo aos 30 segundos quando o Imperador da Toca deu uma bomba defendida pelo goleiro Fernando. Depois o nosso meia Fernando cobrou uma falta com muita maestria dando um susto nos vices.

Entretanto, depois destes dois momentos de perigo deixamos o rival gostar da partida, passou a arriscar algumas jogadas sendo duas mais insinuantes. A que Wallace saiu brincando e perdeu a bola dando contra-ataque e depois a bela falta cobrada por Rogerinho. Infelizmente, perdemos Fernando aos 15 min depois de sentir a coxa esquerda. Ricardo teve que colocar o jovem Neto na partida, que até deu conta do recado, apesar da pressão do jogo.

Já no segundo tempo, Ricardo foi muito cauteloso ao não tirar Bida, que nem ia bem no apoio ao ataque e nem na marcação. Eu voltaria pro 2º tempo com Neto Berola, mas ele resolveu tirar Marcos Pimentel, que mais uma vez foi péssimo (nem de longe lembra aquele cara que brilhou na ala direita do Barueri em 2007 e 2008). Em seu lugar entrou o sempre improvisado Rafael Cruz, que na sua posição real não tem chance com Ricardo Silva.

O Bahia percebeu que Elkeson estava mal e mandou toda a sua marcação em cima de Ramon, que não conseguiu se desvencilhar do truculento Leandro, que deu duas cotoveladas no reizinho e o árbitro fingiu não ver. Com Ramon super marcado e Elkeson estragando o baba, o Maior do Nordeste ficou sem força ofensiva, sem criatividade no meio de campo e o Rival Sem Título Há Dez Anos passou a dominar a partida, mas não teve qualidade para fazer o gol

As maiores chances do Bahia saíam em cruzamentos malucos de Ávine e depois numa grande jogada do lateral, que passou por dois e chutou forte para defesa de Viáfara. O jogo parecia ficar a favor do tricolor, com o Vitória travado do meio de campo pra frente e Ricardo Silva sem fazer o óbvio: Tirar Elkeson para colocar Neto Berola. Ele preferiu tirar Ramon e colocar Renato.

Quando o empate parecia ser o resultado mais provável, apesar do domínio do Bahia em campo, veio o grande golpe da gente em cima deles. Na sua única jogada que deu certo, Elkeson achou Júnior, que recebeu e mesmo puxado pelo zagueiro Vágner, conseguiu se virar para o gol e soltar o rojão. 35 minutos do segundo tempo. Ótima hora para o gol. E que gol. Valeu Júnior

Depois do gol, só se ouvia nas arquibancadas o grito da Torcida Mais Feliz do Nordeste, enquanto os vices se calaram e passaram a pegar o caminho de casa com a famosa cara de fuinha que eles ficam quando nos enfrenta em decisões. O Vitória foi valente e mostrou a sua inteligência. Não jogou pra espetáculo e sim pelo regulamento. Ricardo conseguiu fazer o time ficar bem postado quando atacado e quando saía pro ataque tinha uma certa consciência e só não fizemos mais gols devido a falta de inspiração de Elkeson e de Ramon. Mas o time não merece ser criticado hoje não. Só Bida.

Se o empate já seria um resultado considerado bom, o triunfo saiu como a cereja do bolo, principalmente pela situação que estava naquele momento, em que o rival estava melhor postado em campo. Agora só perdemos este título se acontecer uma grande tragédia, como uma combinação de salto alto com péssima atuação. Estamos com a mão na Taça e não podemos dar chance ao azar. O Leão está de parabéns pela inteligência tática e poder de superação no jogo de hoje.

VAMO COMEMORAR GALERA!

Começa hoje a luta pelo TETRA

Bom dia Nação Rubro-Negra, a parte mais inteligente do Estado, pois torcer para o Leão é a prova de sanidade mental, como de um QI elevado a nona potência. Hoje começa a grande decisão de mais um Campeonato Baiano e novamente estaremos diante de um ex-rival em frangalhos, que passou a provar do seu próprio veneno, pois atualmente é o time que conhece mais o sabor dos vice-campeonatos. Ele que nos chama de Vice é o próprio vice e vice do “vice”.

A última decisão que o Vitória perdeu para o Falecido foi em 2002 na Copa do Nordeste. De lá para cá eles só conheceram o choro aos pés do caboclo no Campo Grande, passeatas com dizeres “devolva meu bahea”, invasão de campo e o fumo entrando neles nos estaduais e nas séries inferiores do Brasileirão. A verdade é uma só. O Bahia é o vice predileto do Leão, um banquete já meio que sem graça. E eles temem nós que nem o diabo da cruz.

A última vez que o Bahia jogou uma final conosco com vantagens de resultados iguais foi na época do cinema mudo, da brilhantina e da era do rádio. A supremacia do rubronegro sobre o rival é muito grande. É como comparar um Porsche ultramoderno com uma carroça medieval. Hoje, os mendigos de estádio jogarão na Arena emprestada pelo Governo Estadual. E como nos anos de Osório conseguiram minar a participação maciça da Torcida Mais Feliz do Nordeste com esquemas de cambistas e táticas obscuras de vendas dos bilhetes.

Fui vítima deste esquema escuso e não estarei no Negopolitano. Infelizmente, terei que assistir ao jogo pela Rede Record (TV Itapoan) com aquela narração e comentários tendenciosos, sem falar das diversas barbeiragens que ambos fazem nas transmissões do Baianão, como a falta de interesse dos comentaristas e narradores em entrarem em ação bem informados sobre as escalações e dos porquês de alguns desfalques.

Joãozinho (07), Rodrigão (08) e Neto Baiano (09). Júnior (2010)

Sem medo de errar, o Vitória só perde o título se quiser, se for muito incompetente e se deixar levar por um clássico que a cada ano vai perdendo este valor simbólico. O time do Bahia é muito inferior ao nosso e se o  Leão  souber levar as duas decisões da mesma forma que vem levando os jogos da Copa do Brasil contra Náutico e Goiás, que para mim são melhores que o rival, não tenho dúvidas que temos até chance de golear.

Não temos o que temer. Temer Mendes e Edilson em fim de carreira? Rodrigo Gral que não passou de uma promessa no fim da década de 90? Ou de um meia que tem um complicado extra-campo, mas que não tem nenhuma história no Brasileirão como o Rogerinho? E Abedi? Apodi? Vágner? Sinceramente, o Vitória tem a obrigação moral de dar calor neles nas duas partidas. O Bahia não tem envergadura para nos tirar este título.

Tenho mais medo do próprio Vitória e do Ricardo Silva. Eu posso até estar sendo arrogante e com excesso de confiança. Mas o time lá embaixo, no campo, não pode ser assim. Tem que saber traduzir na bola esta superioridade. Ou vocês vão me dizer que Júnior e Elkeson são inferiores a Edilson e Mendes? Que Ananias e Rogerinho botam Ramon no bolso?

Ramon. Taí um nome que faz as tricoletes entrar em parafuso. O Reizinho maltrata o Bahia desde 1995. É histórico o rendimento de Ramon aumentar em bavis, sobretudo os de caráter decisivo. Ele decidiu os baianos de 2008 e 2009 com gols e boas atuações. E sendo poupado no meio da semana, a expectativa dele repetir os feitos anteriores é enorme.

Ramon, 38 anos, continua um menino atrevido em Ba-Vi’s

A diretoria do Bahia acha que luxo é garantia de título. Levou o time deles para um resort no Litoral Norte, cheio de firulagem que não garante nada. Até parece que se levar um “mendigo” ao Copacabana Palace, o mesmo terá modos na mesa, com os talheres e no trato com as pessoas. O fato do Bahia ter ido a Busca Vida não fará os pernas de pau virarem craques.

Ricardo repete a fórmula de esconder o time, de supor contusões de jogadores titulares e de levar 21 atletas para a concentração na tentativa de ludibriar o rival. Sabemos que muitas das coisas veiculadas são falácias para acalentar bovinos. O fato é que temos tudo para comemorarmos mais um título estadual em cima do rival. Só depende da determinação dos jogadores do Leão e um pouco de inspiração também.

VAMO SER TETRA NEGÔÔÔ!

OPINIÃO| Faz de Conta 2×1 Vitória

Como o esperado. Desde que foi anunciado que o sacripanta do Arílson Bispo seria o árbitro do ex-clássico regional eu sabia que o Vitória, mesmo que tivesse bem arrumado, com bons jogadores e um treinador de verdade, teria muitas dificuldades pra ganhar do Faz de Conta de Itinga. Dos últimos cinco ex-clássicos que ele apitou, o Falecido ganhou QUATRO, nos últimos dois duas penalidades máximas para o Maior do Nordeste não foram marcadas, e em lances muitos parecidos.

Culpa da nossa diretoria, que conhece o retrospecto deste lalau e não peita a FBF (que está doida pra tirar o Faz de Conta do jejum, tanto é que todo ano ela muda a fórmula do campeonato só pensando no time de itinga). São nestas horas que sinto falta daquele jeito truculento de Paulo Carneiro. Em seu auge na gestão do Leão, árbitro baiano que nos roubava ficava de fora dos clássicos. Os Ba-Vi’s tinham arbitragem com selo FIFA.

Ainda que Ricardo Silva tenha escalado a merda do Bida de novo (até quando vamos ver este cara no time? FORA BIDA), além de insistir com o fraquíssimo Schwenck, perder pra este time do Faz de Conta é um soco nos testículos (paras as mulheres, nas mamas). Entretanto, a arbitragem esteve toda ao lado incolor e assim fica muito mais fácil, não é mesmo? Além do pênalti não dado ao Leão, o zagueiro Nen deveria ser expulso no lance. A camisa de Schwenck quase foi rasgada e depois ainda ele deu uma gravata em nosso centroavante.

Vamos ser realistas? Penâlti pra Ramon cobrar é gol garantido. Sairíamos para o intervalo com o placar de 2×1 e 10 contra 10. O Faz de Conta ia achar mais o que do jogo? Olha como um bandido consegue prejudicar um time em apenas um lance. Impressionante como Arílson mostra a cada ex-clássico que lhe escalam que realmente é torcedor do incolor. Fontes já me contaram que ele é professor de Ed. Física no Colégio Militar e que já esteve em seu local de trabalho até com a camisa do Falecido. Brincadeira, né?

Ramon fez um belo lançamento para o gol de Schwenck

Mas não vou chorar não. Este ex-clássico não significa muita coisa não. Já estamos classificados (também pudera, de um grupo de seis, quatro passam pra fase seguinte) e é sempre bom fazer pessoas e/ou instituições carentes sorrirem. O que o Vitória fez ontem foi Solidariedade Futebolística, foi uma pequena doação de felicidade aos pão-com-ovo de Itinga, que estão num jejum brabo. Talvez se Arílson “Vil” Bispo soubesse disso ele nem se preocuparia em nos garfar tão descaradamente. Tava na cara que nosso clube iria representar bem a Venerável Dulce nesta partida. O leão tem bom coração.

Hoje os pobrezinhos tão alegres, querendo contar vantagem pra cima de nós. Comemorando um triunfo num ex-clássico sem graça e que não valia um peido de um cigano, como um verdadeiro título grandioso. Eu acho muito engraçado isso. Pobre quando acha R$ 10 no chão comemora como se fosse R$ 100. A torcida do incolor é a mesma coisa. Quem é rubronegro e tá chateado, não fique não. Deixa a gentalha pensar que tá rica e poderosa.

Eu até acho que esta Filantropia Social aos pão-com-ovo de Itinga é muito melhor pra gente do que pra eles. O muquirana do nosso presidente já começou a reconhecer que o time precisa de reforços e o fará à medida do possível. O entregador de coletes maluco está mais próximo da corda bamba.

A grande expectativa está focada na Copa do Brasil contra o Corinthians genérico. Uma eliminação fará as mudanças serem aceleradas. Fato é que a diretoria já está se convencendo que Bida não tem solução, que Ricardo Silva não está conseguindo deslanchar como treinador e que o time precisa de contratações para vencer o estadual com menos sustos e representar bem o Estado no Brasileirão.

Por isso não criemos pânico, galera!