É vencer, ir à final e recuperar a moral

O Vitória encara logo mais o ECPP de Vitória da Conquista sabendo que não pode vacilar. Sabe-se que o empate garante o rubro-negro em mais uma decisão do Campeonato Baiano, mas ninguém quer chegar à Final com este tipo de resultado. Depois de ser eliminado na Copa do Brasil pelo modesto Paraná (que deverá tomar dois ferros seguros do Galo, nesta nova etapa da competição), uma parte pequena da torcida, porém barulhenta, já começou a pregar o caos e acreditem, até a TUI que se calou após várias decepções do time em campo, como eliminações terríveis de estadual e nordestão, incluindo até goleadas para o Ceará, passando por um rebaixamento anunciado desde o término do primeiro turno (temporada 2014), por um “quase rebaixamento” em 2016, além de pífias campanhas na Copa do Brasil de 2011 a 2015 (saindo quase sempre na primeira e segunda fase), a autointitulada maior T.O. do Estado, quer protestar hoje, dia de decisão, poucos momentos antes da partida! Durma com um barulho desses! Com certeza este ato é meramente político, já que a nova gestão parece não atender, nem facilitar as mordomias que a TO tinha até o ano passado junto aos dirigentes.

Ainda sobre o Paraná Clube – Não gostamos nem um pouco de sermos eliminados para este modesto clube de Curitiba, que há 10 anos está na Série B. Mas este ano foi a melhor campanha do Vitória na Copa do Brasil desde 2010, quando fomos finalistas. Chegamos a quarta fase. O fim da Era AP, incluindo CF e RV, a gente se comportava como times nanicos do Acre, Sergipe, Mato Grosso, Amazonas e afins, isto é, a gente durava, no máximo, até a segunda fase da competição. E agora que chegamos à 4ª fase depois de 6 anos, a TUI quer protestar e “causar” nos arredores do Barradão em pleno dia de decisão que vale a vaga para a Final, onde iremos brigar pelo bicampeonato. Sinceramente…Quando a TUI passou a ter membros no conselho deliberativo e gerenciar algumas lojas licenciadas do clube em shoppings centers da cidade, entre 2008 e 2016, o time poderia ir para a Série D e tomar 7×0 da Jacuipense, que não tinha um ato sequer, por parte da TUI, contra a gestão do clube e do time em campo. Mas agora uma eliminação para o Paraná virou “tragédia nuclear”, “vergonha nacional”.

Falando do jogo – Argel gostou mesmo do rendimento da equipe titular na partida da quarta-feira e vai repetir para o duelo de logo mais. Eu concordo em partes. Realmente jogamos relativamente bem contra o Paraná, mas faltou fazer os gols e nem mesmo as melhores chances foram aproveitadas, como as que Pineda teve. Portanto, novamente veremos Euller em uma de suas posições originárias, no meio de campo, todavia, como extremo esquerdo, o equivalente ao MAE (do Football Manager). A única mudança será apenas a entrada de Uillian Correia no lugar de Willian Farias, que saiu com dores musculares da última partida e, por isso, será poupado.

Já o Primeiro Passo tentará aprontar mais uma das suas em cima da gente. Incrível como este time de lá de Vitória da Conquista costuma nos dar trabalho, seja com o elenco que for, mas para o rival, eles abaixam as calças como uma rapariga em início de jornada laboral. Incrível. O ECPP (Vitória na Bahia só tem o de Salvador!) precisa vencer para chegar a decisão, onde, se por ventura (bate na madeira) vier a acontecer, sabemos que facilitarão para o rival. É de praxe. Desde 2008 (não engulo aqueles 5×0 estranho na ultima rodada e sei dos bastidores de 2015 quando levaram 6 na Fonte, mesmo tendo dado 3×0 no primeiro jogo).

Enfim, é jogo para o Vitória entrar ligado. Apesar de ter feito a pior campanha dentre os 4 semifinalistas, tendo, inclusive, a metade de pontos conquistadas pelo RUBRO-NEGRO, o Primeiro Passo tem mais garra e fibra que o Fluminense de Feira, que não deu um melo ao rival, mesmo tendo a segunda melhor campanha no certame. Temos totais condições de chegar a Final do Estadual e ganhar o bicampeonato em cima de nosso vice-predileto. Uma derrota hoje é início de crise no ECV, sem dúvidas. O que hoje está limitado a integrantes da TUI e um punhadinho de corneteiro, perdedores da última eleição no clube e pessimistas de plantão, ganharão a adesão da maior parte da torcida. E a imprensa não hesitará de propagar, aumentar e vilipendiar a atual gestão e o clube, em si.

Por isso mesmo, o VITÓRIA tem que fazer bonito hoje. Ganhe o diacho do jogo, mesmo que seja de 1×0 ou 2×1. O empate dará a classificação, mas só aumentará a sensação de instabilidade.

Vitória Sempre!

XÔ, ABUTRES | Vitória: Ame ou Deixe-o

Minha paciência com os pseudos torcedores do Vitória acabou, assim como acabou, também, a tentativa de entender porque alguns “torcedores” somem nas vitórias do time na tag de comentários do blog, mas, quando perde de forma decepcionante ou é eliminado de alguma competição, os “entendidos” do pessimismo se multiplicam como coelhos no cio e lotam os comentários depreciando o clube (que é diferente do time), destilam frustrações e baixa autoestima para o clube que se diz torcedor, influencia outros torcedores e ainda se ofendem com quem bate de frente com eles. CHEGA!

Xô abutres! Vitória: Ame ou Deixe-o.

Depois da eliminação perante ao Paraná Clube cerca de 6 torcedores que não aparecem aqui para comentar e comemorar os triunfos resolveram dar o ar da graça. Para variar, esculhambando o clube da forma mais tricolor possível, inclusive com expressões típicas das sardinhas para falar de “peso de camisa”, “camisa lisa” e outros que mentem ao dizer que passaram 5 décadas e o clube não mudou nada, só para ter o prazer de avacalhar. Mea Culpa – Bem, reconheço que lá atrás e em alguns momentos mais tensos e críticos, eu também publiquei coisas que depreciavam a marca do clube. MAS EU MUDEI. EVOLUÍ. Vi que estava sendo injusto, super emocional e, pior, estava replicando em mim todo o discurso de recalque da massa tricolor. E desde 2015 eu tenho me empenhado constantemente para quando fizer uma crítica mais pesada, sempre separar o amor ao clube das pessoas que quero atingir (seja jogador, treinador ou diretoria). Acho que o modelo a ser seguido é este.

Estou fazendo este texto porque eu não sou o único a ficar incomodado com o chamado “fogo-amigo”. Cerca de 6 pessoas nos últimos dias estão pautando os comentários do blog, justamente por propagarem expressões depreciativas ao ECV, além da tentativa de eternizar teses típicas de perdedores. Nem precisei responder aos pessimistas, pois os outros participantes foram na frente. Vale ressaltar que antes de mais nada, este blog tem algumas regras de convívio e para conhecê-las basta clicar aqui.

Estamos todos chateados pela eliminação diante ao Paraná Clube, que há dez anos está na Série B. Saímos sem fazer um mísero gol em mais de 180 minutos (contando os acréscimos das duas partidas), mas isso não justifica a gente descontar toda frustração e desamor ao clube com tanta ventilação de merda digitada, que visa tão somente DEPRECIAR o nome ESPORTE CLUBE VITÓRIA e sua linda história. Se somos carentes de títulos nacionais, temos outras coisas para nos orgulhar, como várias conquistas estaduais e regionais à base de muita luta, raça, o nosso Barradão, nossos ídolos do passado e alguns recentes, a quantidade de jogador que saiu daqui e ganhou o mundo como Bebeto, Dida, Junior Nagata e David Luiz.

Para encerrar, vai uma reflexão: Os torcedores do Santa Cruz, Náutico, Fortaleza e Ceará, por exemplo, não viram seu time do coração levantar título nacional e nem por isso vocês encontram eles depreciando seus times, seja nas redes sociais, grupos de torcidas de facebook (antigamente no orkut) e quando são entrevistados. Por que nossa torcida tem sempre esta atitude escrota com o próprio clube? Por que, qualquer derrota ou eliminação nós mesmos ressuscitamos os “mitos” de “time pequeno”, “camisa sem peso”, “amarelão”, entre outras mumunhas que as sardinhas adoram usar contra nós?

A partir de hoje, todo torcedor que violar a regra 3.1 deste blog terá seu nome jogado na lista de moderação, ou seja, para ser visto por todos, primeiro eu terei que ler e aprovar o conteúdo. É uma medida dura, mas tem que ser feita. Uma coisa é se revoltar com os resultados negativos, jogadores, treinador ou diretoria. Outra é esculhambar e depreciar o clube ECV com o pretexto de raivinha pelas derrotas que fazem parte do jogo.

VITÓRIA SEMPRE!

EFEITOS COLATERAIS DO CLÁSSICO

Ganhamos do Bahia por 2×1 no último domingo. Abrimos 2×0 ainda no primeiro tempo, gozamos com as sardinhas. Tudo lindo né? A mim nem tanto. A escolha de Argel pelo time titular no clássico de domingo, que não valia nada na competição, pois ambas equipes já tinham suas classificações e posicionamentos na tabela definidos; apresentou seus efeitos colaterais. Perdemos Kieza por no mínimo dois jogos e José Welison por 06 meses em novo rompimento dos ligamentos do joelho, desta vez na perna direita.

Falar depois do clássico pode e é fácil, mas quem convive comigo pessoalmente ou pelo whatsapp viu que eu defendia que se jogasse com o time reserva, pois o time alternativo também é qualificado e coleciona três goleadas na competição, coisa que o titular ainda não fez (até o momento o placar mais dilatado pelo time titular é 3×1 no Sergipe). E não tenho dúvidas que o Time B seria capaz de vencer o Rival, que até o momento não tem nada de grandioso ao contrário do que a maioria dos cronistas baianos tentam passar. O fato é que este time do Bahia só “se cria” em times de Séries C, D e os sem divisão.

Este rival, tão enaltecido pela mídia, empatou diversos jogos fora contra times que estão nos porões do futebol brasileiro e no primeiro time mediano da Série B que enfrentou tomou 2×0 e saiu da Copa do Brasil. Poderíamos ter outros 2 clássicos, agora pela segunda maior competição nacional, mas enfrentaremos o Paraná, 10 anos de Segunda Divisão. Portanto, depois de curtir o belo triunfo, gozar com a cara de nossos amigos, familiares e vizinhos, vale a reflexão: Valeu a pena botar o time titular? Perdemos 2 jogadores para os próximos desafios, em plena reta final do Estadual e Regional.

José Welison novamente sofre uma lesão séria no momento em que conseguia abafar as cornetas em cima dele. Vivia um maravilhoso momento, jogando muita bola, sendo dinâmico, boa condução e passe de bola, se entrosou demais com Willian Farias e botou o bom Uillian Correia no banco. #ForçaJoséWelison. Já sobre Kieza, menos mal que é uma coisa de menor gravidade e temos André Lima que é um bom centroavante também, apesar de parecer estar um pouco rechonchudo e ter tido uma queda acentuada de rendimento desde o seu retorno.

Violência – Lamento profundamente os episódios de violência que marcaram o Ba-Vi no entorno da Fonte Nova. Mais uma vez os “bandidos organizados” conseguiram aparecer mais que o espetáculo, justamente quando algo do passado retornou (Torcida Mista). Para mim, as autoridades têm preguiça e má vontade em resolver de uma vez por todas isso aí e agora já querem fazer lobby para a inócua “Torcida única”, que não resolve patavinas, pois dentro dos estádios não houve confusão alguma e pra falar a verdade, eu não me lembro de nenhum registro deste tipo desde que frequento estádios (1997).

A Polícia Militar já sabe quem são os líderes de torcidas, várias reuniões já foram feitas nos últimos anos com os principais membros de cada T.O. das equipes, muitos dos associados à TUI e à Bamor já possuem fichas por envolvimentos em outras confusões. Portanto, a sugestão lógica aponta que a PM, sabendo-se de quem são os presidentes e vice-presidentes das duas torcidas, bem como dos associados que já foram detidos em situações anteriores, poderia muito bem fazer intimação aos “bad boys” para se apresentarem em determinada delegacia ou local indicado pela PM, duas horas antes dos clássicos, sendo libertados 1h após da partida. Na minha cabeça isso é tão simples. Falta vontade e iniciativa, ao meu ver, por parte das autoridades.

Outra sugestão é exigir que as diretorias de TUI e Bamor deixassem com a PM a lista atual de seus associados, com nome, sobrenome e endereço completo. Só assim para acabar com esta repetição de cenas lamentáveis. A PM é autoridade e sabe muito mais do que eu, o que poderia colocar como punição a quem discordasse de ceder as listas dos associados e daqueles que não se apresentarem às delegacias na situação citada (2h antes do clássico). Mas de antemão, sou contra qualquer lobby de torcida única. Não se pode punir quem sabe curtir o futebol por causa de “meia dúzia” de trogloditas. Torcida Única não evita, de maneira alguma, encontros marcados pela internet, e covardias em bairros próximos aos estádios.

Vitória Sempre!

Argel está ficando insustentável, diretoria…

argel22

Com resultado diferente dos últimos pós-carnavais, mas com a mesma sonolência, falta de tesão e inspiração, o Vitória venceu ontem o Galícia, lanterna da competição, por 1×0 com gol marcado somente aos 23 minutos do segundo tempo! O modestíssimo time fundado por descendentes espanhóis é o verdadeiro bônus stage do Baianão 2017, mas o Vitória conseguiu a proeza de se atrapalhar, de permitir até que o Granadeiro tivesse maior posse de bola em determinados momentos do jogo.

Nem mesmo enfrentando esta “baba do boi cansado”, o Vitória conseguiu botar a bola no chão, dominar a partida e impor seu ritmo de jogo. E seguimos no quarto ano seguido sem praticar um futebol vistoso e confiável. A última vez que a torcida rubro-negra viu o Vitória jogar bem e com frequência foi em 2013, quando Ney Franco assumiu o Leão no lugar do saudoso Caio Júnior.

Naquela temporada, com o mesmo elenco que vinha cambaleando nas rodadas iniciais daquele Brasileiro, Ney Franco deu uma mudada no time e vimos em pouco tempo, um Vitória mais rápido, ofensivo e letal com Cajá, Escudero, Maxi e Dinei, com Cáceres como um bom coadjuvante. Tanto que terminamos a competição em 5º lugar. Antes disso, em 2012, o Vitória também encantou a torcida até o fim do primeiro turno da Série B daquele ano, quando o time bem mais modesto, treinado por Carpegiani fez 41 pontos em 18 jogos, sendo o recorde de pontuação de turno em Série B.

De 2014 para cá, o torcedor rubro-negro não consegue mais ver o Vitória jogar bonito, com padrão tático, com consistência. Já estamos entrando na quarta temporada seguida (2014, 15, 16 e este início de 17), com o Vitória ganhando a maioria de seus jogos por lampejo e talento individual de seus jogadores; por explorar as falhas grotescas do adversário; e por sorte com chutões e cruzamentos a esmos que viram “passes mágicos” e iludem os mais bobos, como lances intencionais. O time do ano passado viveu exatamente isso, se não fosse a fase espetacular de Marinho e alguns lampejos de outros jogadores em partidas aleatórias, estaríamos hoje na Série B com certeza.

k9-galicia-adiltonvenegeroles-atardeonline

Vergonhosa e deprimente a atuação do time ontem à noite. Tá ficando insustentável a manutenção de Argel e a diretoria erra em só olhar o resultado final como justificativa de manter o treinador, que já deveria estar com o time jogando bem melhor nesta altura (são 11 jogos em 2017) e não estar igual a primeira partida do ano, ou melhor, repetindo a mesma coisa de 2016, que é morrer na tática de 3 atacantes, sendo dois bem extremados, um único armador e jogar apenas por chutões para os flancos e pelo meio e com cruzamentos a esmo a partir das entradas diagonais da grande área, que facilitam as defesas alheias, ao invés de buscar mais a linha de fundo e fazer cruzamentos mais perto do gol, onde zagueiros e goleiros costumam falhar mais.

Fica difícil acompanhar e acreditar em um ano histórico quando vemos nosso time empatar em 0x0 com América de Natal, da Série D, e ganhar somente de 1×0 jogando muito mal contra um time praticamente amador como o Galícia. E apesar de ter feito uma retratação em seu Instagram, Willian Farias tem que parar com esta mania de querer podar o direito de cobrança do torcedor que vai ao estádio para exigir melhor desempenho do time em campo.

Torcedor paga ingresso e muitos o SMV, portanto estes têm sim o direito legítimo de cobrar um futebol vistoso, mais agradável e confiável. Kieza é outro que sempre que pode ironiza o torcedor que o critica ou a própria equipe. Virou moda aqui no Brasil, os jogadores comprarem briga com torcida porque eles acham que não merecem NUNCA ser criticados ou cobrados. Esquecem que qualquer lugar do mundo há cobrança por resultados e eficiência por parte de empregadores, amigos e familiares, seja em toda relação trabalhista. E no futebol, a torcida é um “patrão indireto” deles.

OBS.: Vejo muitas pessoas questionarem o fato de Argel ter contrato com o Vitória como Pessoa Física e não como PJ. Sou muito leigo na área do Direito, mas ao meu ver, é errado uma PF que trabalha como indivíduo ser contratado como se P. Jurídica fosse. Creio que é o famoso “jeitinho brasileiro” e se todos os demais clubes brasileiros fazem isso, não justifica que o Vitória corrobore com o errado e ilegal. Então se todos brasileiros resolverem matar uma pessoa por ano, quem ainda não fez deve fazer também?

VERGONHOSO! SEM COMENTÁRIOS

vergonha_leonina

  • Texto Atualizado às 08h50 desta segunda-feira (06/02)

Atuação tétrica, deprimente e que envergonha todo torcedor rubro-negro. A partida de hoje contra o Botafogo da Paraíba entrou para a história negra do Leão. Nada justifica TOMAR QUATRO GOLS DE UMA EQUIPE NANOSFÉRICA, que nem é considerado grande em seu estadual e que não disputa uma Série A há 40 anos (se não for mais). Se fosse uma derrota simples não seria nada demais, mas tomar QUATRO quebra todo o entusiasmo criado para o novo elenco. RIDÍCULO. SEM COMENTÁRIOS! VERGONHA. Argel deve pedir demissão. Nada justifica a palhaçada desta partida.

O JOGO – Com uma atuação abaixo da crítica e com dois erros graves do lateral Leandro Salino, o Vitória já estava tomando 2×0 com menos de 15 minutos de partida. O técnico Argel que treinou a semana toda com a formação 4-2-3-1 que varia para 4-2-1-3 a depender da posse de bola escalou o time no 4-4-2 em cima da hora. Isso facilitou para o adversário, pois até o próprio rubro-negro ficou surpreso com a mudança dos planos.

Além de mudar a formação tática, o treinador mudou peças. Ele sacou o lateral Geferson, que vinha executando muito bem a parte defensiva pelo setor esquerdo, para colocar o contestado Euller e sacou Paulinho para colocar Dátolo. Ficou nítido que os jogadores se desentenderam em campo, justamente por esta mudança brusca de formação tática e de algumas peças do time considerado titular.

Aí depois dos 2×0 contra, Argel tira Salino, para a entrada de Paulinho, e improvisa Willian Farias na lateral direita, posição que o cara nunca jogou. Fizemos um gol de susto, pura cagada, com a bola sobrando para Cleiton Xavier e em poucos minutos tomamos o chá de realidade. Duas bolas em profundidade pegando nosso sistema defensivo completamente falho e disperso. 4×1. Vergonha total. O zagueiro Fred diminuiu um pouco o prejuízo em cobrança de falta, dando o placar final em 4×2 para o time mandante. Para completar, Argel deixou Dátolo mais tempo em campo do que Cleiton Xavier, quando o argentino estava fazendo sua primeira partida na temporada e vem de longo tempo de inatividade.

Sinceramente, foi a pior atuação de Argel no comando do rubro-negro. Em que pese o elenco ser “novo” e ainda esteja pegando ritmo de jogo, nada justifica a mudança súbita de tática e a improvisação na lateral direita, quando tinha Cedric no banco. Se não confia no garoto da base, por que levou para a viagem? Só pro menino passear e onerar com mais uma passagem aérea, alimentação e hospedagem? Este elenco que está sendo formado pede um treinador que trabalhe mais o meio de campo, que use 2 ou até 3 meias ofensivos e não ficar abraçado ad infinitum na tática que explora os extremos.

Bastou o time sair das fronteiras baianas para gofar fora de casa. Ridículo. Eu pensei que esta fase tinha acabado. Pior que nesta Quarta-Feira jogaremos fora da BA de novo, desta vez pela Copa do Brasil, contra o Luziânia. Partida única. Quem perde tá fora!

#Oremos

Com o melhor elenco da região, o VITÓRIA busca reconquistar a Copa do Nordeste

copadonordeste2017

Dono de 5 títulos nordestinos, o EC Vitória andou claudicando nas últimas edições da Copa do Nordeste, sendo um mero coadjuvante nesta brilhante competição. Tudo isso graças a uma política equivocada e sem ambição dos ex-presidentes Aléxi Portela e Carlos Falcão (que conseguiu a façanha de deixar o clube de fora da edição 2016). O último título do Nordestão conquistado pelo Vitória foi no já distante ano de 2010, quando o torneio foi realizado no segundo semestre, feito “à facão” e onde os principais adversários da região utilizaram times alternativos e houve também a ausência do Sport e do Náutico.

vitoria-campeao_nordeste-2010

Time Campeão de 2010.

O ECV também utilizou o time B, recheado de meninos da base como Lee, Dankler, Kleiton Domingues (destaque da finalíssima), Alan Henrique, entre outros. Por ter sido uma competição bem mambembe, feita na improvisação e sem as principais forças levarem seus elencos principais, ficou fácil para Aléxi Portela conquistar um título fora do estado pelo Leão. Olha o quanto o ex-presidente, que chegou a se achar dono do ECV  prejudicou a história do Leão! Depois da edição de 2010, o Nordestão voltou reformulado em 2013 e de lá pra cá, o rubro-negro coleciona fracassos e uma freguesia irritante para o Ceará.

Entretanto, a nova gestão que assumiu o clube há um mês vem trabalhando forte, reformulando o elenco que quase foi rebaixado na temporada passada. A princípio, os 10 novos contratados dão um alento de que o Vitória possui o melhor elenco nordestino. Ficam abaixo de nós, na sequência, o Sport Recife e o Bahia. E cito o rival porquê o elenco do Santa Cruz, atual campeão, foi desmontado e perdeu peças importantes como Keno, João Paulo e Grafite. Não podemos descartar as surpresas também. Nos últimos anos, equipes como Campinense, Treze, Asa de Arapiraca e CSA já aprontaram das suas em cima dos grandes da região.

Elenco campeão Baiano e do Nordeste de 1997, que contava com Bebeto, ídolo nacional campeão da Copa de 94.

Elenco campeão Baiano e do Nordeste de 1997, que contava com Bebeto, ídolo nacional campeão da Copa de 94.

Nossa estreia na edição 2017 do Nordestão será contra o Sergipe, dia 26/01, às 20h, no Barradão. Jogadores como Dátolo, Pisculichi, Cleiton Xavier, Gabriel Xavier, Pineda e os zagueiros Fred e Alan Costa dão maior confiança aos torcedores em ver o time bem montado já no começo do ano, pronto para retomar a hegemonia da região, além de esquecer aquele “reme-reme” de esperar o fim dos estaduais para pegar os restos do campeonato paulista, carioca e gaúcho.

O Vitória está no Grupo E do Nordestão com Sergipe, América-RN e Botafogo-PB. A edição deste ano quase ficou marcada por uma maracutaia envolvendo o Ceará Sporting Club, que não se classificou à competição via campeonato estadual e, imitando o rival de Itinga, quis “comprar” a vaga do Uniclinic. O caso repercutiu e até o momento o Uniclinic segue na competição. Confira abaixo os outros grupos:

grupos-copa-do-nordeste

Porém, antes de encarar o alvirrubro de Aracaju, o Vitória fará um amistoso amanhã contra o Atlântico, recém promovido à Primeira Divisão do Campeonato Baiano. O jogo será realizado às 20h no Barradão e os ingressos custarão R$ 10, com a renda sendo revertida para o Hospital Martagão Gesteira. Para os sócios SMV planos Prata e Ouro, a entrada está garantida, como de costume.

O possível time titular para o amistoso será com Fernando Miguel, Norberto, Alan Costa, Fred e Geferson, Willian Farias, Uillian Correia, Gabriel Xavier e Pisculichi, David e Kieza.

Blog CRN encampa campanha contra o preconceito regional no Futebol Brasileiro

DIGA NÃO AO PRECONCEITO REGIONAL NO ESPORTE

É hora da torcida lotar o Barradão

Acho que já passou da hora dos clubes nordestinos e suas grandiosas e apaixonadas torcidas bolarem algo impactante, para rechaçar os constantes preconceitos regionais existente no esporte brasileiro, principalmente no futebol. Em pleno século XXI, já perto da segunda década deste novo milênio, ainda se vê técnicos, jogadores e membros da imprensa desdenhando o futebol de região, enquanto só enxerga qualidade em outra. Mal comparando, a base do nazismo é essa: A de enxergar os outros como inferiores e somente uma porção da fatia como superiores e que isso, na visão deles, é imutável.
ceara torcida
 
Além das arbitragens tendenciosas quando há algum representante do futebol nordestino  bem na fita, seja disputando liderança do Campeonato Brasileiro ou fases decisivas de Copa do Brasil, os clubes do NE sofrem com declarações infelizes de comentaristas esportivos, atletas e até de técnicos que atuam no tão propalado “Sul Maravilha”, englobando, sobretudo, a região sudeste.
Torcida-Santa-Cruz-Foto-DivulgacaoCoralNet_LANIMA20111016_0148_26
 
Já cansei das centenas de vezes que já vi e ouvi em transmissões abertas ou no PFC, comentaristas e narradores fazerem desdém de nossos times e atletas, de narrarem e comentarem torcendo para o “time maior”, de não dar o mesmo tipo de destaque com replays em lances duvidosos a nosso favor, mas que quando são contra eles (coisa rara), eles repetem toda hora.
joel-1470522
 
Joel Santana chamou o Bahia de Sardinha, em 2013 (ou 12), quando perguntado se estava de volta à Bahia para treinar o tricolor, e ele respondeu “que estava esperando um peixe maior e não uma sardinha”. Meses depois foi anunciado nas bandas de lá, na maior cara de pau.
 
Agora, em 2017, novamente outro treinador faz desdém do Bahia, mas que seria feito com qualquer outro time nordestino. Abel Braga, que treinou o Vitória na década de 80, antes de virar “técnico de nome”, criticou o volante Matheus Sales, do Palmeiras, que preferiu ir o Bahia ao Fluminense. Abel declarou sobre a preferência de Matheus Sales: “Tinha um jogador bem encaminhado que me surpreendeu. Ele poderia ter trocado uma BMW por um Audi, mas preferiu um Fusca. Não entendi. Mas não foi o atleta, foi ganância do empresário. Essa ganância fez isso, deixou de pensar no lado esportivo. Mas esse tipo de empresário também não serve para nós”.
abel-braga
 
Está evidente aí, um claro desrespeito ao EC Bahia, pelo simples fato deste clube ser da região nordeste, pois na visão majoritária deles, só os times do RJ-SP-MG-RS são clubes grandes, dignos, capazes de grandes feitos e de ter os jogadores de maior nível. Eles até toleram os maiores clubes do PR e SC, mas enxergam o nordeste com uma carga imensa de preconceito, como se aqui fosse o destino de jogadores inservíveis, já perto da aposentadoria, como se esta região não tivesse valor algum no futebol.
 
Gostaria de ver este texto ser repassado por todos os torcedores nordestinos que já se cansaram deste apartheid no futebol brasileiro. O futebol do Nordeste merece respeito, aqui já surgiu muitos ídolos que foram vencedores em clubes do sul-sudeste e pela seleção, a exemplo de Bebeto, Rivaldo, Júnior (lateral esquerdo), Júnior Baiano, Nunes, Givanildo, Vampeta, Edílson, Dida, Jorge Wagner, Obina, Daniel Alves, Marcelo Ramos, Uéslei, Juninho Pernambucano, entre outros. Somos todos brasileiros.
 
#RESPEITEMOFUTEBOLNORDESTINO
#MenosPreconceitoMaisRespeito
#SomosTodosBrasileiros