Projetando as 16 derradeiras rodadas

Vágner Mancini recuperou a moral da equipe e da torcida!

Olá galera, depois de quase 15 dias de inatividade por conta das datas FIFA para as Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia-2018, os clubes brasileiros e o Blog CRN voltam às atividades visando a rodada do próximo final de semana. Bem, já foram rodadas 22 de 38 rodadas, o que significa que já atingimos mais da metade do Brasileirão e que nos resta então 16 rodadas até o fim da competição.

Teremos 8 jogos dentro de casa e 8 fora e com 25 pontos em 22 jogos precisamos de no mínimo de mais 7 triunfos para alcançar o número mágico da permanência na Série A. Perceberam que devido à péssima campanha precisamos de praticamente vencer 50% dos jogos restantes só para atingir o número considerado mínimo para a permanência? Portanto, apesar da relativa calmaria e clima mais leve no Barradão, a coisa ainda é feia, tenebrosa, sinistra e periclitante. Por isso é válido o pleonasmo para reforçar que ainda temos muito a correr para nos livrar.

Agora, se enxergarmos pelo prisma do copo meio-cheio e acrescentar algumas doses cavalares de otimismo poderemos conjecturar uma recuperação fantástica que seria inédita ao Esporte Clube Vitória, mas que já vimos acontecer com Goiás, Atlético-PR e Botafogo. Vamos “viajar” um pouquinho no Barco do Otimista Inveterado?

Bem, dos oito jogos que teremos em casa (Fluminense, São Paulo, Sport, Atlético-PR, Atlético-GO, Palmeiras, Cruzeiro e Flamengo) é loucura imaginar em no mínimo 6 triunfos e colocando como possíveis pontos perdidos os duelos contra Palmeiras e Cruzeiro (ou Flamengo)? Claro que, em princípio, e tomando como parâmetro a recuperação desde a volta de Mancini, podemos sim imaginar vencer os 8 jogos, entretanto, sabemos que é uma missão muito difícil e improvável, até pela nossa atual situação como mandante.

Já como visitante, em que temos 51% de aproveitamento, fato inédito na história do Clube em uma Série A, teremos pela frente: Atlético-MG, Botafogo, Santos, Bahia, Vasco, Grêmio, Chapecoense e Ponte Preta. Destes jogos é maluquice visualizar pelo menos mais 4 triunfos (Bahia, Vasco, Chape e Ponte Preta)? E forçando mais um pouco a barra, acrescentar a possibilidade de vencer o instável Atlético-MG em Minas?

Sinceramente, pelo enorme nivelamento por baixo do Brasileirão e de times muitos parecidos, com poucos craques que carregam seus times nas costas, eu consigo vislumbrar entre 10 a 11 triunfos do Leão até o fim da competição. Claro que não será com toda a facilidade do mundo e exigirá bastante regularidade e a manutenção desta garra e poder cirúrgico que o Vitória vem apresentando desde a partida contra o Flamengo no Ninho do Urubu. Alguém mais acredita nesta redenção completa ou será que eu estou “viajando” demais em imaginar uma recuperação fantástica do Vitória, que poderá fechar a competição entre 55 a 61 pontos?

Seria muito bom terminar o ano com uma pontuação capaz de nos colocar perto do G6 e garantido na Sulamericana depois de um primeiro turno tão medíocre. Da mesma forma que perdemos jogos demais nas primeiras 19 rodadas, poderemos dar a volta por cima fazendo 10 ou 11 triunfos dos 16 a disputar, correto?

#VamosAcreditar!

Anúncios

Team Manager contará com a volta de K9 contra o Coritiba

Atualizado às 09:51 desta sexta-feira, 26/05.

Desde que assumiu o comando técnico da equipe, o Team Manager do Vitória, Dejan Petkovic está sofrendo com várias baixas do elenco rubro-negro. Se com todos jogadores à disposição nosso elenco é frágil e necessita de reforços urgentes, imagina como tá nossa situação com 7 ausências? Por conta disso somamos apenas 1 ponto dos 6 disputados neste início de Série A e precisamos mais do que nunca vencer o Coritiba no próximo sábado, 27/05, às 21h, na Arena Fonte Nova. Uma das grandes novidades é o retorno de Kieza, o K9, para o comando de ataque, pois depender de Rafaelson Mil Quilos é complicado! (:/)

Petkovic está sendo bastante admirado por funcionários do clube e setoristas do Leão sobre os seus métodos nos treinamentos da equipe. Mostrando-se atualizado com o futebol do século XXI, o sérvio foca bastante em treinos nos principais fundamentos do esporte, além de fazer várias repetições de jogadas ensaiadas nos coletivos e inovadores trabalhos com bola. Só nos resta torcer para que o elenco “pegue” logo estes novos macetes do Gringo.

Com Kieza praticamente assegurado para o duelo do final de semana, a expectativa agora é pela recuperação de Patric, Gabriel Xavier e Kanu (todos em transição, ou seja, treinos leves) e André Lima. Agora, o que interessa de fato é que, com ou sem desfalque, o Vitória precisa vencer de qualquer forma o Coritiba, pois na sequência fará duas partidas duras fora de casa (Fluminense e São Paulo) e sabemos que historicamente temos remotas chances de fazer os dois triunfos, o handicap indica duas derrotas até pelo fato do Fluminense ter se recomposto com Abel Braga e pela nossa incômoda situação de nunca ter vencido um grande paulista em jogos de Campeonato Brasileiro.

REFORÇOS Depois das primeiras contratações do ano não vingarem o esperado, a diretoria do Leão está acelerando o ritmo para “salvar o ano”. O fraco rendimento do ataque nos últimos 5 jogos fez soar o alarme e Sinval deve anunciar a qualquer momento as vindas dos atacantes Neílton, Lucas Fernandes e Sassá, além do zagueiro Bressan (do Grêmio). Neílton já está certo. O jogador já se desligou do São Paulo, onde estava emprestado foi oficializado na tarde da quinta-feira (25). Para ter Neílton, o Vitória adquiriu mais de 50% dos Direitos Econômicos do jogador e cedeu Nickson em definitivo ao Cruzeiro.

Além da semelhança física, Neílton joga na mesma faixa de campo de Neymar e possui algumas características em comum como velocidade, drible e faro de gol.

E antes que a Banda dos Cornetas soem seus instrumentos, Neílton tem 23 anos e é uma aposta válida, pois surgiu na BASE do Santos que é a que mais vem revelando jogadores de alto rendimento no país. Neílton, portanto, tem muita lenha pra queimar, com o Vitória podendo lucrar mais à frente, a exemplo de Marinho. Já Nickson é sim um menino muito promissor, mas sabemos que nossa torcida NUNCA gostou de jogador da base e nas poucas vezes que ele jogou nos profissionais a torcida procurava motivos para criticá-lo e não para apoiá-lo. PRECISAMOS DE JOGADORES PARA HOJE, para rendimento AGORA e não na base da futurologia positivista. Nickson pode muito bem virar um craque mundial, como pode repetir Adriano Pardal, por exemplo. Não há uma certeza sobre o que vai ser dele na carreira. E se for negociado, o Vitória ainda ganha 5% por ter revelado o atleta. (:þ)

Veloz, artilheiro e problemático no extra-campo, este é Sassá.

SASSÁ Estava praticamente certo o acordo, mas o Cruzeiro entrou na parada e ofereceu Elber ao Botafogo, mas o acordo entre a Raposa e o Fogão ficou emperrado nas condições salariais pedidas pelo meia-atacante cruzeirense e o Vitória retomou as negociações (por empréstimo) com o alvinegro carioca. Já o zagueiro Bressan, 24 anos, está vindo em definitivo, assim como Neílton. De acordo com o Globoesporte.com o contrato de Bressan com o Vitória será de 2 anos e meio. O defensor gaúcho deve chegar a Salvador na próxima semana, pois foi relacionado pelo técnico gremista para o jogo deste domingo contra o Sport, na Ilha do Retiro, onde fará sua despedida do Grêmio. Outro que pode pintar é o meia-atacante Lucas Fernandes, 23 anos, que pertence ao Fluminense e fez boas partidas pelo Atlético-PR no Brasileirão 2016. Há também o burburinho que o volante Cuellar e o meia Mancuello, ambos do Flamengo, também estão no radar do Leão.

Sub aproveitado no Grêmio, Bressan tenta revitalizar carreira no Leão.

MUDANÇA DE FILOSOFIA Confirmando estas contratações percebe-se claramente a postura de filosofia da diretoria. Se no começo do ano as contratações visaram jogadores experientes, já na casa dos 30 anos em diante, agora chegou a vez de rejuvenescer o elenco. Todos estes jogadores que estão perto de fechar contrato têm menos de 25 anos, ou seja, estão praticamente no auge físico e caminhando para o auge técnico. Espero que todos sejam oficializados em breve, pois o tempo urge e a sapucaí é grande!

Vitória Sempre!

O JABÁ ACABOU, O CAOS, A IMPRENSA PLANTOU!

“Pense num absurdo, na Bahia tem precedentes” MANGABEIRA, Octávio (ex-governador do Estado). É com esta frase que abro fogo, mais uma vez, a nossa “maravilhosa” imprensa esportiva baiana, que é mais provinciana que os costumes do Brasil Colônia, sobretudo das classes mais pobres que viviam a bajular as classes superiores, como é visto em filmes, seriados e novelas globais.

Pelo que soube, a nova gestão do EC Vitória cortou a “torneirinha” dos afagos financeiros a setores da imprensa, como passagens de avião, voar junto com a delegação do clube, direito de entrevista exclusiva com qualquer jogador ou dirigente indicado por eles, apoio financeiro a execução de programas esportivos de rádio e compra de espaços publicitários na TV, enfim, o chamado jabá. Fora de outras manias feitas por gestões passadas que criaram o “costume da boca torta” a certos personagens da nossa crônica esportiva que já estão caminhando para a sepultura, mas ainda arrotam bravatas e arrogâncias não sei de onde! Outro fator que causou a ira de nossa imprensa foi a sistemática condição de se fechar treinos, evitando que membros da imprensa possam gravar os treinos e trabalhos técnicos dos treinadores.

Bem, dito isto, fica fácil entender porque TODOS os programas radiofônicos e de televisão passaram a bater fortemente na atual administração do Rubro-Negro de uns tempos pra cá. Agora qualquer coisinha eles transformam num caos de proporções trágicas, como se fosse uma III Guerra Mundial iminente, com um possível apocalipse nuclear. Até uma simples e corriqueira demissão de um funcionário do departamento de futebol vira CRISE! Deram voz ao demitido nas rádios, botaram uma pilha do cacete e não levaram ninguém do clube para dar a sua versão. Cargo em clube de futebol não tem estabilidade de concurso público, é óbvio que vive-se de resultados do time em campo e dos cumprimentos das metas estabelecidas. O presidente Ivã achou por bem tirar Jorginho Sampaio agora, depois de 5 meses. Qual é o crime nisso aí? Por que o alarde? Além do caso envolvendo Jorginho Sampaio, a demissão de Argel e o anúncio de Petkovic como treinador e gestor viraram “crise sem precedentes” para a imprensa.

Outra coisa foi o caso do dinheiro do seguro sobre o falecimento do meia Arthur Maia. De forma amadora e completamente tendenciosa, quebrando todo o manual do bom jornalismo, o site do Boca de Latrina mais uma vez postou algo forte, visando apenas o sensacionalismo. O referido site também não buscou o lado do Vitória para dar a sua versão dos fatos. Para este “veículo” vale primeiro atirar para depois perguntar quem era a pessoa atingida. O Vitória fez sua Nota Oficial e nela consta que a parte do seguro a ser paga à família do jogador é da responsabilidade da CBF e não do VITÓRIA e que o clube tem direito ao seguro pelo fato do atleta ser um ativo do mesmo, pois ele estava emprestado à Chapecoense, mas os direitos econômicos e federativos eram do Vitória.

Por isso eu peço prudência aos torcedores e aos meus leitores para não aceitarem tudo que a imprensa joga no ventilador como verdades absolutas. Infelizmente, o jornalismo esportivo baiano é ridículo, vergonhoso e carrega manias deploráveis para manter o mínimo de lucratividade. A maioria age como torcedor travestido de jornalista, basta ver a diferença de cobertura da dupla Ba-Vi. Qualquer coisinha do rival é exaltada enquanto nossas conquistas são minimizadas a todo custo, omitem os problemas do Bahia até onde podem e lançam crises na gente sem a devida apuração dos fatos.

Temos também os cronistas que só visam encher os bolsos e que espalham fofoca quando não atendidos, muitos nem são formados em Jornalismo, a maioria está empregada por indicação de pessoas influentes, como políticos e empresários, fora os que são filhos de certas figuras já conhecidas do meio comunicacional. Há até jornalista que empresaria e agencia jogadores de futebol e que indicam e até colocam jogadores nos clubes. Cadê a ética nisso?

Há também os que possuem empresa de agenciamento de futebol e são apresentadores de programa esportivo. Então, vamos nos policiar galera! Cada cronista de nosso estado tem seu interesse pessoal, financeiro e político. Até porque é a primeira vez que o Vitória NÃO está sendo gerido por famílias tradicionais da Classe A. A chapa Vitória do Torcedor representa as classes B, C e D. Do atual Conselho Deliberativo cerca de 90% são de torcedores comuns de arquibancada. Então os cardeais que se acostumaram a brincar de serem donos do Vitória estão usando de tudo para que a gestão Ivã de Almeida dê errado. Na última semana teve um ex dirigente da chapa de Ricardo David que comprou espaço no site Arena Rubro-Negra para detonar seus desafetos e, para isso, divulgou informações sigilosas da última reunião do Conselho Deliberativo. Por conta deste fato, ele será acionado pela Comissão de Ética, correndo o risco de exclusão do título de Conselheiro Nato.

Enfim, reconheço que o carro-chefe do clube está falhando e falhando feio, que é o Futebol Profissional. Precisamos mais do que nunca dar um norte neste setor, fazer melhores contratações de atletas e de treinador, buscar títulos maiores, que com certeza diminuirá bastante este caos que querem impor na gestão Ivã de Almeida. Entretanto, os demais setores do clube estão evoluindo a passos largos, como a interatividade das redes sociais, a melhoria do site oficial (Comunicação), esportes olímpicos, patrimônio e jurídico. O presidente Ivã de Almeida sabe que o carro-chefe do clube precisa dar um upgrade e torço para que ele tome as rédeas disso o quanto antes. Mas eu não caio nesta pilha de nossa imprensa esportiva baiana e espero que meus leitores também tenham este tipo de postura.

#VAIDARCERTO

VITÓRIA SEMPRE!

Agora vem o Brasileirão

Depois de conquistar o Campeonato Baiano pela 29ª vez no último domingo, chegou a hora do Vitória “trocar a chave” e pensar no jogo deste domingo, que já é pelo Campeonato Brasileiro. Nossa diretoria precisa adiantar o lado e anunciar ótimas contratações, tanto para o elenco como definir o treinador certo e torço muito para que seja Eduardo Baptista, Levir Culpi, Marcelo Oliveira ou o próprio Nelsinho, pai de Eduardo Baptista. Por mais que eu reconheça o currículo de Ricardo Gomes e sua passagem na temporada 1999 onde fez a dobradinha sendo campeão estadual e regional, não consigo enxergar Gomes como a “solução” para o material humano que nós temos.

Dizem as “más línguas” que depois do AVC, Ricardo ficou com uma leve sequela na dicção e na velocidade do pensamento e que isso foi preponderante para ele ter ficado tão pouco tempo no São Paulo Futebol Clube. Boatos e preconceitos à parte, RG nunca foi um treinador vibrante, de botar o time pra cima. Ele é da linha mais cautelosa, sem ser excessivamente defensivo.

Nosso elenco precisa ser fortalecido ou vamos repetir a pífia campanha do ano passado e com o agravante de não ter um “doido endiabrado” como Marinho, que nos livrou do rebaixamento, na melhor temporada de sua carreira, já com 26 anos de idade e 7 de carreira profissional. Considero que precisamos dar a titularidade a Caíque ou partir para trazer um goleiro mais rodado e experiente na Série A, pois Fernando Miguel é muito inconstante e sentiu demais sua primeira participação na 1ª Divisão. Além disso, é necessário que a diretoria prospecte e busque, com carinho, um lateral esquerdo de verdade, dois zagueiros, um meia avançado central, que tenha mais vigor e habilidade que Cleiton Xavier, dois pontas com maior leitura de jogo (não basta só saber correr) e um centroavante mais eficaz e vívido que Kieza e André Lima. Ou seja, só aí eu listei 7 reforços.

Não há como negar, que só estamos na Série A neste ano por conta da excelente fase vivida por Marinho no Brasileirão passado.

Não acredito que Thallyson que está para ser anunciado hoje é este lateral esquerdo, conheço ele das passagens no Ceará e Flamengo e ele é do estilo Euller, isto é, razoavelmente bom no apoio, mas fraquíssimo na recomposição defensiva. Acho interessante a aposta em Todinho, que pode ser uma surpresa boa como foi Neto Berola entre 2009 e 2010, mas precisamos de dois extremos que já tenha disputado a Série A como titular e com relativo sucesso. Série A não é campeonato baiano. Enfrentar os 12 maiores clubes do eixo RJ-SP-PR-MG-RS é bem diferente de jogar contra as babas do boi cansado de nosso futebol, além de que vamos jogar 19 jogos fora de casa, e encarar estádios e torcidas grandes como Flamengo, Palmeiras, Corinthians, Grêmio, Atlético-MG, Cruzeiro, etc.

Infelizmente, este elenco montado às pressas até devido pelo processo eleitoral ter sido na 1ª quinzena de dezembro, parecia ser um time muito bom, com várias opções interessantes para o treinador. Só que não deu liga, fora que os meias mais famosos tiveram sucessivas lesões  jogaram menos de 5 partidas pelo rubro-negro, como Pisculichi e Dátolo, além do fato de Cleiton Xavier estar muito modesto do que já foi num passado recente, como no começo dos anos 2000, até boa parte de 2010. A intenção do Departamento de Futebol foi montar um elenco com duas ou três opções para cada setor, mas quem está conseguindo manter regularidade são os remanescentes de 2016 e a boa fase de David, que lembra um pouco a evolução de Elkeson durante a temporada 2010 e início de 2011.

Como não gosto de pintar o pavão, creio que com este grupo de jogadores que temos à disposição só posso dizer que brigaremos contra o rebaixamento. Este elenco precisa melhorar muito na atuação e consistência da mesma, para mudar minha opinião. Só com reforços pontuais e certeiros, além de um técnico verdadeiramente competente vejo uma saída para o Leão buscar a parte superior da tabela, ou seja, 10ª a 6ª posição.

Vitória Sempre!

#BAVI490 | AGORA É FINAL!

Passada a decepção das semifinais do Nordestão chegou a vez do Vitória tentar recuperar a autoestima de si próprio e da torcida com o título de bicampeão baiano que começa a ser decidida hoje à noite, mais precisamente às 21h45 na Arena Lava-Jato. Diferentemente do beócio ex-treinador, que dava a arma para Guto Ferreira escalando o time de forma antecipada, o interino (que num futuro próximo pode ser o novo Jair Ventura ou Zé Ricardo) esconde não só a escalação do line-up como também a formação tática.

Wesley Carvalho não deu nenhum sinal de que esquema vai adotar. Cabe aos jornalistas e ao blogueiro aqui apenas especular. Aposto que ele deve formar com Fernando Miguel, Patric, Kanu, Alan Costa e Euller; W. Farias, Uillian Correia e Cleiton Xavier; Paulinho, Pineda (André Lima) e David. Ou seja, com Kieza já vetado e André Lima a fazer testes momentos antes da partida, caso não dê para AL99, o time pode atuar com David como Falso Nove ou se Wesley for mais tradicional, lançar o jovem Rafaelson como centroavante.

Wesley Carvalho (interino)

Seja qual for a escalação e a formação tática, Wesley promete uma nova postura do time e que buscará incessantemente o título estadual. A meta é ampliar a vantagem no jogo de logo mais, vencendo o jogo. E espero que se o Vitória estiver com o placar favorável pare de se acomodar e a controlar o jogo. Foi este o grande causador de nossa eliminação, pois se partíssimos pra cima e aproveitasse as chances, teríamos goleados as sardinhas na partida 01 do Nordestão, o que forçariam eles a nos golearem na partida de volta. Além disso, faltou malícia da diretoria e comissão técnica do Vitória para atenuar o clima de guerra e chilique promovidos pela diretoria e jogadores do Bahia, o que evitaria aquele time super apático em campo, que mostrou claramente que sentiu a pressão “bélica” promovida pelas sardinhas irracionais.

Guto Ferreira com visual Emo.

Já Inhonho Ferreira deve promover a mesma equipe do último domingo apostando no “mito” de que time que vence não se mexe, com Edigar Júnio atuando como “falso nove”. Entretanto, ele pode voltar às origens já que terá o centroavante Gustavo à disposição.Com isso, o paquiderme deve formar com Jean Piu-Piu, Eduardo, Jackson (Eder ou L. Fonseca), Tiago e Armero; Renê Jr, Edson (Juninho) e Régis; Allione, Zé Rafael (Gustavo) e Edigar Júnio.

Elenco Campeão Baiano de 2008 que venceu a Finalíssima por 3×0, com show de Marquinhos e Ramon Menezes.

Talvez por estar com o mando de campo invertido agora e sabendo que a finalíssima que vale a Taça será no Barraquistão, os jogadores, diretoria e membros da Comissão Técnica do rival passaram a falar de clima de paz, a evitar de falar de “é guerra”, “sangue no olho”, justamente no jeito ardiloso deles de falsiani pra tentar ludibriar nossa diretoria e atletas. Eles que provocaram, agora poderão ter o troco no Inferno de Canabrava e já estão se passando por santinhos e coitadinhos. Segure a onda agora. Como dizia o nosso hit do estadual de 2008 “já que você provocou, agora experimenta, senta que é de menta! senta que é de menta!”.

Relacionados:

Goleiros: Fernando Miguel, Caíque e Ronaldo

Laterais: Patric, Leandro Salino, Euller e Geferson

Zagueiros: Alan Costa, Kanu, Bruno e Renê

Volantes: Willian Farias, Uillian Correia e B. Ramires

Meias: Cleiton Xavier, Gabriel Xavier, Pisculichi e Cárdenas

Atacantes: Paulinho, David, Pineda, André Lima e Rafaelson

DEJAN PETKOVIC ESTÁ DE VOLTA AO VITÓRIA

Antes de bater meia-noite e encerrar o dia 02 de maio, a diretoria do Vitória, por meio de suas redes sociais e site oficial divulgou a volta do eterno e mítico ídolo sérvio, Dejan Petkovic, ao Vitória. Já com a carreira de jogador encerrada, Petkovic retorna ao clube no cargo de dirigente, precisamente o de Gerente de Futebol Profissional. Se vocês não sabem quais são as atribuições deste cargo, cliquem aqui e fique sabendo. Há fortes indicios que Jorge Sampaio e Gerson Boka, atuais assessores de Sinval Vieira, no departamento de futebol, podem estar se afastando destes referidos cargos.

Vitória Sempre!

Novamente só nos resta os regionais para levantar títulos

Mais um ano que o sonho da conquista da Copa do Brasil (única competição factível do Vitória ser campeão nacional sem precisar fazer investimentos pesadíssimos e um rígido planejamento estratégico) foi adiado. Ontem fizemos até uma relativa boa partida, pois o time mostrou força de vontade, garra e buscou os gols, mas travou em sua própria limitação técnica de criação e finalização.

Nossos jogadores mais tarimbados já deveriam estar jogando e em alto nível inclusive, mas continuam no bendito DM (falo de Dátolo e Pisculichi). Pecamos também em apostar novamente nos “mais baratos” para o setor defensivo. E foi justamente por termos uma retaguarda meia boca que tomamos 2×0 aqui, fato que praticamente minou a classificação rubro-negra nesta quarta-feira. Outro “pecado” da diretoria foi em manter um treinador de pouco currículo e feitos extraordinários na carreira. Com a desculpa de pouco tempo para arrumar o time, já que as eleições foram no dia 15/12/16 e no dia 29/01 o Vitória já estaria em campo, Argel foi mantido.

Apesar de ser um treinador bem meeiro, os números de Argel são expressivos e fez o Leão bater alguns recordes a nível de campeonato baiano (10 triunfos seguidos, liderança e invencibilidade mantida até o momento) e a classificação como líder de seu grupo da Copa do Nordeste…Mas a atuação do time não empolga, os raros momentos de atuações convincentes foram vistos nos dois jogos contra o Vasco e no primeiro tempo do Ba-Vi. Muito pouco!

A desclassificação de ontem colabora também para percebermos que não há motivos para permanecer com alguns atletas em nosso elenco como Geferson e Pineda (que perdeu duas chances incríveis), além de constatar que André Lima vem numa decrescente absurda à medida que vai engordando às claras (ninguém está vendo isso, não?). Outros ainda não mostraram aqui o que já foi visto em outras equipes, como Patric, que teve uma atuação abaixo da crítica. Cadê aquele Patric veloz, explosivo e goleador do Sport de 2014 e que reprisou isso no Galo em 2015 e em metade da temporada passada?

Para as competições regionais – Baianão e Nordestão – este elenco é forte o suficiente para chegar ao título, apesar de Argel estar ensaiando estragar o baba e de nossa preparação física estar muito perto de estourar o elenco em plena reta final. Já são 5 atletas indisponíveis, contando com os dois argentinos. E tenho a certeza que estes 5 ausentes dão um outro alento ao elenco. Mas isso não significa que não precisamos contratar reforços. Muito pelo contrário. Precisamos para “ontem” de 01 goleiro mais experiente e vivido (na Série A), 01 lateral esquerdo urgente, pelo menos 01 zagueiro de renome e, talvez, de 02 atacantes que atuem extremados, pois o que temos só têm velocidade, mas não possuem qualidade de construção de jogadas e muito menos sabem fazer gols. Paulinho e Pineda são dois engodos, não produzem nada. E mesmo não gostando desta máxima – antes Marquinhos e Rogério (ambos do Sport). Estes sim sabem jogar nas pontas, são habilidosos, dribladores e com bom poder de finalização. Agora Dátolo e Pisculichi precisam voltar e mostrar SE TÊM BOLA para serem titulares ou se iremos em busca de outros meias ou de outros pontas.

Vitória Sempre!

*DIRETORIA: Vamos reforçar este elenco. E infelizmente, é com pesar que digo, que parece que precisaremos reformular. Algumas peças trazidas não deram o resultado esperado e outras se mostraram que não irão evoluir de maneira brusca, justamente, na competição mais difícil do ano, que é o Brasileirão.

Preocupante a queda de rendimento nas primeiras decisões do ano

Acabou o gás? O preparador físico do Leão, que saiu do rival com “fama” de “estourador físico”, tem culpa no cartório? Seria consequência do efeito colateral por Argel ter escalado o time titular contra o Bahia há 15 dias? São perguntas que rondam as cabeças da torcida rubro-negra, inclusive a minha. Quando parecia que o time, enfim, estava se aprumando, eis que o torcedor assiste duas pífias atuações do Leão (Paraná e Primeiro Passo) e nota, além do declínio técnico, o desgaste total do considerado time titular e a perda de três jogadores por lesões, sendo somente a de José Welison sem culpabilização ao Departamento Físico, pois ruptura de ligamento é acidente, diferente de questões musculares. E esta queda de rendimento começa a aparecer justamente nas primeiras decisões da temporada. Isso é preocupante demais.

O Vitória foi engolido ontem pelo ECPP e só não saímos derrotados do Lomanto Júnior pela falta de qualidade técnica dos atacantes do Bode, que desperdiçaram umas três ótimas oportunidades de gols nos primeiros 45 minutos. Nossos melhores lances voltaram a ser frutos de lances fortuitos e, exclusivamente, por jogadas individuais, sendo nula a coletividade, jogadas ensaiadas e organização a partir do meio de campo. David foi o jogador mais lúcido e agudo do primeiro tempo. Chegamos na primeira quinzena de Abril com os mesmos problemas técnicos de janeiro. E a desculpa de elenco novo já não pode ser mais utilizada.

Com domínio do jogo, até que demorou para o ECPP abrir o placar. Somente aos 25 minutos da segunda etapa, em um contra ataque bem construído, Toddynho recebeu na ponta direita, avançou na vertical, cortou para a canhota e mandou lá no ângulo direito de Fernando Migué, que basta estar num jogo mais complicado, para simular dor na coxa, panturrilha, tornozelo, etc. Entretanto, para quem acompanha o futebol de maneira analítica e fria, mesmo sendo com o seu time em campo, sabe que se fosse um time melhor, o Bode terminaria a primeira etapa com 2×0, no mínimo.

Depois do gol, o Bode passou a cadenciar mais a partida, fechando a casinha, adotou a postura de jogar explorando nossas falhas para ampliar o placar e dificultar a nossa classificação. Já nosso time ia na base de chutões a esmo, o famoso bumba meu boi, tentando de maneira desorganizada, buscar o empate. E este só veio, no apagar das luzes, por pura obra da sorte e misericórdia pascal, aos 49 minutos, quando Euller cruzou na área para André Lima cabecear no canto direito, sem chances para o goleiro Rodolfo. Ufa! Evitamos a perda da invencibilidade no estadual e mantivemos a vantagem do empate para o próximo jogo, domingo (23), às 16h, no Barradão.

Análise de algumas atuações – O jogo de ontem serviu para a chegada de algumas conclusões acerca de certos jogadores do atual plantel. Vejamos:

Fernando Miguel: Ontem foi o jogo de nº 100 no Leão, mas para mim e muita gente, é um goleiro que não passa confiança, com alto grau de lesões e que virou “moda” nos jogos mais pegados ele catimbar apelando para “dores” em todas as partes do corpo, mais preferencialmente coxa e região lombar. Até o seu “diferencial” que era pegar pênaltis, tomou Doril®. Vem de uma Série A bisonha, onde falhou em muitos jogos. Portanto, precisamos trazer um goleiro mais experiente e qualificado.

Kanu: É nítido que neste começo de temporada ele deu uma evoluída imensa, sobretudo quando passou a formar dupla com Alan Costa. Todavia, fez uma partida terrível ontem, que lembrou os péssimos momentos de 2016, quase fez gol contra. Se daqui em diante voltar a ter aquelas atuações afobadas e cheia de erros primários, de 2015 e 2016, precisaremos de repensar a manutenção dele no time. Alerta ligado novamente.

Alan Costa: Se mostrou um estabanado, lento e bragueiro em seus primeiros jogos com o manto do Leão, se aprumou quando jogou com Kanu. Mas desde o BaVi voltou a fazer merda, como gol contra no clássico, falta de impulsão e posicionamento no primeiro gol do Paraná e virou “poste” no segundo gol, também do Paraná, e ontem levou um baile do achocolatado infantil, dono da camisa 11 do Bode. Não é jogador para jogar como titular em time de Série A! RISCO ELEVADÍSSIMO DE BRAGAS CONSTANTES.

Geferson: Simplesmente ridículo. Está conseguindo a proeza de ser pior que Mansur. O suposto melhor poder de marcação em relação a Euller é uma farsa, que até eu caí. Nos últimos 3 jogos que este cidadão atuou, ele se mostrou presa fácil para qualquer meia, ponta ou atacante habilidoso. Marca mal, recompõe mal, técnica ZERO, grosso, pé duro e nulo no apoio ao ataque. PRECISAMOS DE UM LATERAL ESQUERDO DE VERDADE, pois se Euller manda bem na parte ofensiva (ontem deu mais uma assistência), ele repete as mesmas falhas do seu concorrente, quando se trata da parte defensiva.

Paulinho: Não mostrou nada desde que aqui chegou. Não merece ficar para o Brasileiro. Dá claros sinais que está de má vontade, por achar que viria para ser titular absoluto e não é nem a primeira opção de mudança de Argel, perdendo este posto até para Jhemerson, recém promovido do sub20. Já foi expulso por idiotice, coleciona gols perdidos por negligência e não produz um lance positivo sequer. Está enfrentando adversários fracos e mesmo assim o número de assistências e de gols é muito baixo. O mesmo se aplica a Pineda, que apesar de ser mais raçudo e brigador, também é muito fraquinho naquilo que se espera de um atacante.

Esquema Tático e Argel: Sempre defendi um futebol vistoso e bonito, mas este ano fui forçado a defender o treinador, porque mesmo jogando feio, o time era brigador e estava vencendo todos os seus jogos. Não faltava luta, empenho e uma pitada de sorte. O técnico gaúcho tem o elenco em sua mão, tá se mostrando um líder querido dentro do grupo, mas a sua péssima decisão em ir com o time titular num “BaVi Morto” resultou em efeitos colaterais que devem colaborar para a sua eventual demissão. Perdemos Kieza, JW e Gabriel Xavier, fora que o cara, mesmo tendo várias boas opções para variar o esquema e encaixar o time seja no 4-4-2, 4-5-1, 3-5-2 ou 3-6-1, ele insiste na “tática da moda” o 4-3-3, que para os comentaristas nutella é 4-2-1-3.

Só que não somos o Barcelona, nem Real Madrid e não temos pontas criativos, com cacoete de meia armador. Por isso esta tática não vem funcionando. Para atuar na forma que Argel se bitolou a jogar, só se tivéssemos jogadores do tipo Marinho, Marquinhos e Rogério (Sport), Everton Ribeiro ou Everton (Flamengo) nas pontas; volantes mais habilidosos e de boa técnica como Willian Aarão, Paulinho (ex Corinthians) e Rithely (Sport); e um meia central com mais mobilidade, técnica e verticalização como Jadson, Diego Souza, Diego (Fla) ou Nenê (Vasco). Cleiton Xavier já não tem mais pulmão para organizar sozinho a meiuca, fora que ele passou boa parte da carreira mais recuado, como segundo volante. Para ele render mais avançado, precisa ter outro meia habilidoso ao seu lado. Além disso, qualquer meia escalado como Argel monta o Vitória, terá seu jogo prejudicado devido a falta de qualidade móvel, tática e criativa de nossos pontas atuais. Não basta apenas ter velocidade e saber correr.

Enfim, Argel precisa rever seu conceito de futebol urgente, pois o Bahia já deve ter pego nossos pontos fracos e Guto pode neutralizar nossos limitados pontos fortes e poderá nos eliminar na Copa do Nordeste, aproveitando-se também de nossos desfalques à medida que Dátolo e Pisculichi não saem do DM e da bendita transição.

#ParaRefletir