Seja por renúncia ou deliberação da AGE, Ivã NÃO deve permanecer à frente do Leão

Em primeiro lugar gostaria de esclarecer que isso é um sentimento meu e todas as linhas a seguir estarei falando por minhas convicções e conjecturas pessoais. Não estarei falando em nome do Conselho Deliberativo, apesar de estar como membro desde a eleição da Chapa Vitória do Torcedor em dezembro de 2016.

Enfim, vamos ao que interessa. Na última semana foi divulgado no site oficial o parecer do Conselho Fiscal (⇐clique) sobre as contas do clube no primeiro semestre de 2017 e nele consta que o presidente licenciado do clube, Ivã de Almeida, extrapolou em R$ 12 milhões o orçamento previsto e aprovado pelo Conselho Deliberativo no dia 28/12/2016, ou seja, na primeira grande reunião envolvendo toda a diretoria e conselhos. Para poder ultrapassar o valor discutido e aprovado em dezembro de 2016, Ivã de Almeida deveria convocar o Conselho Deliberativo solicitando a suplementação no orçamento, expor e justificar esta medida, além de pedir autorização do CD para tal medida. E isso não foi feito, o que feriu o Estatuto do Clube, o que dá mais margem ainda à acusação de Gestão Temerária que paira sobre ele, pelas chapas derrotadas.

Vale ressaltar que as contas da gestão Raimundo Viana/Manoel Matos também estouraram o orçamento sem pedir autorização do conselho deliberativo e esta foi aprovada (com mais de 20 ressalvas), já por este atual Conselho Deliberativo, em uma reunião acalorada, polêmica e extensa. Votei pela rejeição, junto com uma minoria que entendia que além da demasiada quantidade de ressalvas, era grave se aprovar uma contabilidade estourada sem o rito formal de autorização ao antigo conselho deliberativo. Agora, com a publicação das contas do 1º semestre de 2017 e que sinaliza um estouro de R$ 12 milhões, sem a autorização do CD, deu para entender o porquê do Conselho Diretor ter feito força para aprovar as contas do ex-presidente Raimundo Viana.

Sinval, ex-diretor de futebol, foi um dos que contribuíram decisivamente para o estouro do orçamento do clube com contratações que não deram certo e que custaram comissões volumosas.

Dentre os R$ 12 milhões a mais na despesa do clube para 2017 estão valores exorbitantes comissões a empresários de alguns jogadores que foram contratados (com alguns que já saíram no meio do ano); além de contratações de empresas sem o devido processo licitatório como a Agência Bull (foram pagos R$ 180 mil) e FutebolCard (o Conselho Diretor não fez a licitação por considerar a futebolcard como “empresa de notória especialização), além da Solver (R$ 120 mil, que não teve o edital de convocação da licitação publicado em jornal de grande circulação, mas a presidência apresentou três propostas de preços).

Piorando mais a situação e dando mais musculatura à denúncia de Gestão Temerária, o Parecer do Conselho Fiscal, realizado em agosto deste ano e que só ganhou publicidade na semana passada, apontou que o Presidente Licenciado exigiu, baseado na aprovação de remuneração aos cargos do Conselho Diretor do Clube, uma espécie de pagamento retroativo ao período em que exerceu o cargo sem remuneração. No documento aponta que foram dois “salários antecipados”, um de aproximadamente R$ 22 mil (arredondado, mês inteiro) e outro de R$ 20 mil (arredondado, mês incompleto). Pouco tempo depois que estes valores foram depositados em sua conta, Ivã de Almeida pediu licença e de acordo com o parecer do Conselho Fiscal, o presidente do clube deveria devolver cerca de R$ 10 mil destes valores, e até o término daquele parecer, a quantia não tinha sido devolvida aos cofres do clube.

A pergunta que rola nos bastidores é “por que só agora este documento ganhou publicidade?”, curiosamente logo quando o primeiro prazo de licença de Ivã estava findando. Enfim, não sei responder objetivamente esta resposta, mas posso deduzir algumas coisas. Entretanto, está claro que não tem mais condição para a permanência de Ivã à frente do ECV. Eu defendi o presidente até onde pude e até surgir situações que realmente colocasse a gestão dele em xeque e estas começaram a aparecer. Não fui errado em defender (a diretoria) quando as coisas não passavam de boatos vindos, notadamente, de pessoas ligadas as chapas perdedoras das eleições de 2016. Errado é eu defender agora depois destas coisas chegarem ao meu conhecimento. Não defendo o errado apenas porque um dia “militei” e votei. Meus princípios, ensinados por meus pais, avós e alguns tios e tias estão acima de minhas convicções políticas e de envolvimentos seja com A ou B, grupo X ou Y.

Além destes problemas político-administrativos, estamos vendo o pior Vitória de todos os tempos, que perde 10 de 15 jogos no Barradão, que tá virando chacota em todo canto do país, que vem mais um ano brigando contra o rebaixamento de forma lamentável e que expulsa seu torcedor a cada jogo que fracassa no Barradão, antes um lugar que fazia os adversários temerem e nos respeitarem e que hoje virou piada pronta não só para radialistas infantis e que gostam de se aparecer, mas para torcidas e times adversários.

Ainda temos que conviver com um Departamento de Comunicação que coleciona gafes e comportamentos pueris, como discussões com torcedores nas redes sociais com direito a #vrah, chepos e falta de educação por parte de quem alimenta os perfis oficiais do Clube. Para piorar ainda vemos constantemente erros gravíssimos de português nas postagens, e até de inglês (quando resolveram fazer uma ação promocional para recepcionar o ex-Beatles, Paul McCartney, em que escreveram Holland ao invés de Netherlands e French no lugar de France).

Por tudo isso, seja por renúncia ou pelo poder do sócio-torcedor na AGE programada para ser discutida a partir do dia 04 de dezembro de 2017, que Ivã não pode mais permanecer à frente do ECV. Ele está conseguindo, com um lamentável louvor, ser pior que Carlos Falcão e em muito menos tempo! O Vitória e sua torcida não merecem isso!

#ForaIvãdeAlmeida #ChegaDeAmadorismo

Anúncios

Alguém explica esse nosso time bipolar?

Diferentemente de nossos cronistas esportivos baianos e de um punhado de torcedor que se deixa se “emprenhar” pelos ouvidos, por estes, e que repetem o mantra de que há algo sobrenatural, culpando o espaço físico do Barradão, além dos metidos a torcedor-superior que apontam para terceiros (que não conhecem nem nome, nem história de vida) como os pés-frios. Eu prefiro seguir com fatos concretos, palpáveis e objetivos, sem firulas, sem valorização a “misticismo” babaca, supérfluo e inócuo. A culpa das seguidas derrotas do Vitória em casa neste Campeonato Brasileiro não é do Estádio Manoel Barradas, nosso mando de campo há 22 anos¹, não é do bairro Nossa Senhora da Vitória (antiga Canabrava) e tampouco é de “pés-frios anônimos”. A culpa é exclusiva dos jogadores, pois são eles os protagonistas que podem, de fato, modificar o resultado da partida e, de certa forma, do treinador, pois cabe a ele escalar os 11 titulares, montar a tática e fazer os ajustes necessários durante os jogos.

Pois bem, na minha visão crítica eu já passo a criar o conceito de que estes jogadores estão se acomodando demais nos triunfos fora de casa e jogam no Barradão completamente desleixados, sem foco, sem tesão e como sabem que a imprensa e boa torcida tão se apegando em misticismo idiota para justificar as derrotas em sequência no Barradão, eles [malandramente] estão usando estes fatores subjetivos e sobrenaturais como escudo contra as críticas e as cobranças. Há também neste elenco, jogadores que gostam de baladas, e nestas paradas das Datas/FIFA para as seleções, os farristas devem entrar na esbórnia completa e voltam meio que “ressaqueados” ao batente.

Outra hipótese minha, mas que confesso que é meio absurda, é que este elenco não gosta da própria da torcida e faz questão de sacaneá-la. Gostaria que alguém me explique, sem valorização de fatores sobrenaturais e sem esta minha tese meio absurda, este comportamento bipolar do time, que fora de casa segue à risca as orientações de Mancini e jogam bem atentos e dentro de casa joga como se fosse aquele baba de fim de semana entre Solteiros x Casados antes do churrascão regado a cerveja e outros aperitivos.

Também rejeito o “argumento-padrão” de nossos cronistas esportivos que vem cravando como um axioma ou dogma de que o time não sabe jogar propondo jogo e só sabe jogar à base de contra-ataques. O jogo contra o Botafogo no RJ mostrou que a gente sabe sim jogar encurralando o adversário. Propomos ou não propomos o jogo no segundo tempo? Nossa virada não saiu justamente depois de vários e consistentes lances de ataque à defesa botafoguense? Fora que DOMINAMOS o Avaí e boa parte do Fluminense e perdemos por falhas individuais tanto no ataque como na defesa. Estou mentindo? As exceções foram contra o São Paulo e Sport, ontem, quando não jogamos patavinas.

Bem, no primeiro tempo de ontem, o Sport que não vencia há 9 jogos partiu pra cima de nossa defesa e aceitamos tranquilamente. Voltamos a dar muito espaço ao adversário, assim como no jogo do São Paulo e não assustamos Magrão. Em todo o primeiro tempo, só demos um chute a gol através de cobrança de falta de Fillipe Soutto. Isso não é postura de time que quer vencer e que sabia que o jogo de ontem era crucial para se afastar do Z4 e atolar o Sport na zona de rebaixamento. O Sport, que já tinha chegado com Mena e André (numa cabeçada em que Caíque salvou de maneira extraordinária) chegou ao seu gol numa excelente cobrança de falta de Diego Souza, aos 45min.

Chegou o segundo tempo e a postura do rubro-negro baiano era a mesma da etapa inicial:  maresia, sono, letargia, falta de tesão. É inadmissível a postura deste time dentro de casa, por isso que eu comecei a confabular esta tese de que parece que é de propósito. Mas vou tentar internalizar que é mais por se exaltar demais nos triunfos fora de casa, que dão um relaxamento absurdo nos jogos do Barradão. Magrão novamente não foi acionado a fazer grandes defesas. E para variar Neílton e David não produziam nada, sendo que o camisa 10 tava num cai-cai irritante e que ele que deveria sair e não David, que mesmo indolente lá na frente, tava acertando mais que o rabisco mal feito de Neymar. O castigo veio aos 20 minutos, num contra-ataque fatal do Sport em que Diego Souza puxou pela esquerda e tocou, de boa, para o colombiano Reinaldo Lenis fazer 2×0. Aí depois de sacanear a torcida à exaustão, o Vitória conseguiu seu gol com Tréllez aos 38min, que não valeu nada, a não ser para aumentar a quantidade de gols de nosso melhor centroavante estrangeiro após Aristizábal (2002)².


¹ Conto como mando de campo oficial do Vitória o ano de 1995, apesar do Barradão ter sido inaugurado no final dos anos 80.

² Ricky (nigeriano) e Fischer (argentino) são os melhores centroavantes estrangeiros na história do Vitória. Victor Hugo Aristizábal é o terceiro em minha opinião, por sua marcante passagem na temporada 2002, quando foi artilheiro do Leão em todas as competições disputadas naquele ano. Tal feito fez ele parar no Cruzeiro e ter sido campeão e artilheiro do Brasileirão de 2003.

Projetando as 16 derradeiras rodadas

Vágner Mancini recuperou a moral da equipe e da torcida!

Olá galera, depois de quase 15 dias de inatividade por conta das datas FIFA para as Eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia-2018, os clubes brasileiros e o Blog CRN voltam às atividades visando a rodada do próximo final de semana. Bem, já foram rodadas 22 de 38 rodadas, o que significa que já atingimos mais da metade do Brasileirão e que nos resta então 16 rodadas até o fim da competição.

Teremos 8 jogos dentro de casa e 8 fora e com 25 pontos em 22 jogos precisamos de no mínimo de mais 7 triunfos para alcançar o número mágico da permanência na Série A. Perceberam que devido à péssima campanha precisamos de praticamente vencer 50% dos jogos restantes só para atingir o número considerado mínimo para a permanência? Portanto, apesar da relativa calmaria e clima mais leve no Barradão, a coisa ainda é feia, tenebrosa, sinistra e periclitante. Por isso é válido o pleonasmo para reforçar que ainda temos muito a correr para nos livrar.

Agora, se enxergarmos pelo prisma do copo meio-cheio e acrescentar algumas doses cavalares de otimismo poderemos conjecturar uma recuperação fantástica que seria inédita ao Esporte Clube Vitória, mas que já vimos acontecer com Goiás, Atlético-PR e Botafogo. Vamos “viajar” um pouquinho no Barco do Otimista Inveterado?

Bem, dos oito jogos que teremos em casa (Fluminense, São Paulo, Sport, Atlético-PR, Atlético-GO, Palmeiras, Cruzeiro e Flamengo) é loucura imaginar em no mínimo 6 triunfos e colocando como possíveis pontos perdidos os duelos contra Palmeiras e Cruzeiro (ou Flamengo)? Claro que, em princípio, e tomando como parâmetro a recuperação desde a volta de Mancini, podemos sim imaginar vencer os 8 jogos, entretanto, sabemos que é uma missão muito difícil e improvável, até pela nossa atual situação como mandante.

Já como visitante, em que temos 51% de aproveitamento, fato inédito na história do Clube em uma Série A, teremos pela frente: Atlético-MG, Botafogo, Santos, Bahia, Vasco, Grêmio, Chapecoense e Ponte Preta. Destes jogos é maluquice visualizar pelo menos mais 4 triunfos (Bahia, Vasco, Chape e Ponte Preta)? E forçando mais um pouco a barra, acrescentar a possibilidade de vencer o instável Atlético-MG em Minas?

Sinceramente, pelo enorme nivelamento por baixo do Brasileirão e de times muitos parecidos, com poucos craques que carregam seus times nas costas, eu consigo vislumbrar entre 10 a 11 triunfos do Leão até o fim da competição. Claro que não será com toda a facilidade do mundo e exigirá bastante regularidade e a manutenção desta garra e poder cirúrgico que o Vitória vem apresentando desde a partida contra o Flamengo no Ninho do Urubu. Alguém mais acredita nesta redenção completa ou será que eu estou “viajando” demais em imaginar uma recuperação fantástica do Vitória, que poderá fechar a competição entre 55 a 61 pontos?

Seria muito bom terminar o ano com uma pontuação capaz de nos colocar perto do G6 e garantido na Sulamericana depois de um primeiro turno tão medíocre. Da mesma forma que perdemos jogos demais nas primeiras 19 rodadas, poderemos dar a volta por cima fazendo 10 ou 11 triunfos dos 16 a disputar, correto?

#VamosAcreditar!

Team Manager contará com a volta de K9 contra o Coritiba

Atualizado às 09:51 desta sexta-feira, 26/05.

Desde que assumiu o comando técnico da equipe, o Team Manager do Vitória, Dejan Petkovic está sofrendo com várias baixas do elenco rubro-negro. Se com todos jogadores à disposição nosso elenco é frágil e necessita de reforços urgentes, imagina como tá nossa situação com 7 ausências? Por conta disso somamos apenas 1 ponto dos 6 disputados neste início de Série A e precisamos mais do que nunca vencer o Coritiba no próximo sábado, 27/05, às 21h, na Arena Fonte Nova. Uma das grandes novidades é o retorno de Kieza, o K9, para o comando de ataque, pois depender de Rafaelson Mil Quilos é complicado! (:/)

Petkovic está sendo bastante admirado por funcionários do clube e setoristas do Leão sobre os seus métodos nos treinamentos da equipe. Mostrando-se atualizado com o futebol do século XXI, o sérvio foca bastante em treinos nos principais fundamentos do esporte, além de fazer várias repetições de jogadas ensaiadas nos coletivos e inovadores trabalhos com bola. Só nos resta torcer para que o elenco “pegue” logo estes novos macetes do Gringo.

Com Kieza praticamente assegurado para o duelo do final de semana, a expectativa agora é pela recuperação de Patric, Gabriel Xavier e Kanu (todos em transição, ou seja, treinos leves) e André Lima. Agora, o que interessa de fato é que, com ou sem desfalque, o Vitória precisa vencer de qualquer forma o Coritiba, pois na sequência fará duas partidas duras fora de casa (Fluminense e São Paulo) e sabemos que historicamente temos remotas chances de fazer os dois triunfos, o handicap indica duas derrotas até pelo fato do Fluminense ter se recomposto com Abel Braga e pela nossa incômoda situação de nunca ter vencido um grande paulista em jogos de Campeonato Brasileiro.

REFORÇOS Depois das primeiras contratações do ano não vingarem o esperado, a diretoria do Leão está acelerando o ritmo para “salvar o ano”. O fraco rendimento do ataque nos últimos 5 jogos fez soar o alarme e Sinval deve anunciar a qualquer momento as vindas dos atacantes Neílton, Lucas Fernandes e Sassá, além do zagueiro Bressan (do Grêmio). Neílton já está certo. O jogador já se desligou do São Paulo, onde estava emprestado foi oficializado na tarde da quinta-feira (25). Para ter Neílton, o Vitória adquiriu mais de 50% dos Direitos Econômicos do jogador e cedeu Nickson em definitivo ao Cruzeiro.

Além da semelhança física, Neílton joga na mesma faixa de campo de Neymar e possui algumas características em comum como velocidade, drible e faro de gol.

E antes que a Banda dos Cornetas soem seus instrumentos, Neílton tem 23 anos e é uma aposta válida, pois surgiu na BASE do Santos que é a que mais vem revelando jogadores de alto rendimento no país. Neílton, portanto, tem muita lenha pra queimar, com o Vitória podendo lucrar mais à frente, a exemplo de Marinho. Já Nickson é sim um menino muito promissor, mas sabemos que nossa torcida NUNCA gostou de jogador da base e nas poucas vezes que ele jogou nos profissionais a torcida procurava motivos para criticá-lo e não para apoiá-lo. PRECISAMOS DE JOGADORES PARA HOJE, para rendimento AGORA e não na base da futurologia positivista. Nickson pode muito bem virar um craque mundial, como pode repetir Adriano Pardal, por exemplo. Não há uma certeza sobre o que vai ser dele na carreira. E se for negociado, o Vitória ainda ganha 5% por ter revelado o atleta. (:þ)

Veloz, artilheiro e problemático no extra-campo, este é Sassá.

SASSÁ Estava praticamente certo o acordo, mas o Cruzeiro entrou na parada e ofereceu Elber ao Botafogo, mas o acordo entre a Raposa e o Fogão ficou emperrado nas condições salariais pedidas pelo meia-atacante cruzeirense e o Vitória retomou as negociações (por empréstimo) com o alvinegro carioca. Já o zagueiro Bressan, 24 anos, está vindo em definitivo, assim como Neílton. De acordo com o Globoesporte.com o contrato de Bressan com o Vitória será de 2 anos e meio. O defensor gaúcho deve chegar a Salvador na próxima semana, pois foi relacionado pelo técnico gremista para o jogo deste domingo contra o Sport, na Ilha do Retiro, onde fará sua despedida do Grêmio. Outro que pode pintar é o meia-atacante Lucas Fernandes, 23 anos, que pertence ao Fluminense e fez boas partidas pelo Atlético-PR no Brasileirão 2016. Há também o burburinho que o volante Cuellar e o meia Mancuello, ambos do Flamengo, também estão no radar do Leão.

Sub aproveitado no Grêmio, Bressan tenta revitalizar carreira no Leão.

MUDANÇA DE FILOSOFIA Confirmando estas contratações percebe-se claramente a postura de filosofia da diretoria. Se no começo do ano as contratações visaram jogadores experientes, já na casa dos 30 anos em diante, agora chegou a vez de rejuvenescer o elenco. Todos estes jogadores que estão perto de fechar contrato têm menos de 25 anos, ou seja, estão praticamente no auge físico e caminhando para o auge técnico. Espero que todos sejam oficializados em breve, pois o tempo urge e a sapucaí é grande!

Vitória Sempre!

O JABÁ ACABOU, O CAOS, A IMPRENSA PLANTOU!

“Pense num absurdo, na Bahia tem precedentes” MANGABEIRA, Octávio (ex-governador do Estado). É com esta frase que abro fogo, mais uma vez, a nossa “maravilhosa” imprensa esportiva baiana, que é mais provinciana que os costumes do Brasil Colônia, sobretudo das classes mais pobres que viviam a bajular as classes superiores, como é visto em filmes, seriados e novelas globais.

Pelo que soube, a nova gestão do EC Vitória cortou a “torneirinha” dos afagos financeiros a setores da imprensa, como passagens de avião, voar junto com a delegação do clube, direito de entrevista exclusiva com qualquer jogador ou dirigente indicado por eles, apoio financeiro a execução de programas esportivos de rádio e compra de espaços publicitários na TV, enfim, o chamado jabá. Fora de outras manias feitas por gestões passadas que criaram o “costume da boca torta” a certos personagens da nossa crônica esportiva que já estão caminhando para a sepultura, mas ainda arrotam bravatas e arrogâncias não sei de onde! Outro fator que causou a ira de nossa imprensa foi a sistemática condição de se fechar treinos, evitando que membros da imprensa possam gravar os treinos e trabalhos técnicos dos treinadores.

Bem, dito isto, fica fácil entender porque TODOS os programas radiofônicos e de televisão passaram a bater fortemente na atual administração do Rubro-Negro de uns tempos pra cá. Agora qualquer coisinha eles transformam num caos de proporções trágicas, como se fosse uma III Guerra Mundial iminente, com um possível apocalipse nuclear. Até uma simples e corriqueira demissão de um funcionário do departamento de futebol vira CRISE! Deram voz ao demitido nas rádios, botaram uma pilha do cacete e não levaram ninguém do clube para dar a sua versão. Cargo em clube de futebol não tem estabilidade de concurso público, é óbvio que vive-se de resultados do time em campo e dos cumprimentos das metas estabelecidas. O presidente Ivã achou por bem tirar Jorginho Sampaio agora, depois de 5 meses. Qual é o crime nisso aí? Por que o alarde? Além do caso envolvendo Jorginho Sampaio, a demissão de Argel e o anúncio de Petkovic como treinador e gestor viraram “crise sem precedentes” para a imprensa.

Outra coisa foi o caso do dinheiro do seguro sobre o falecimento do meia Arthur Maia. De forma amadora e completamente tendenciosa, quebrando todo o manual do bom jornalismo, o site do Boca de Latrina mais uma vez postou algo forte, visando apenas o sensacionalismo. O referido site também não buscou o lado do Vitória para dar a sua versão dos fatos. Para este “veículo” vale primeiro atirar para depois perguntar quem era a pessoa atingida. O Vitória fez sua Nota Oficial e nela consta que a parte do seguro a ser paga à família do jogador é da responsabilidade da CBF e não do VITÓRIA e que o clube tem direito ao seguro pelo fato do atleta ser um ativo do mesmo, pois ele estava emprestado à Chapecoense, mas os direitos econômicos e federativos eram do Vitória.

Por isso eu peço prudência aos torcedores e aos meus leitores para não aceitarem tudo que a imprensa joga no ventilador como verdades absolutas. Infelizmente, o jornalismo esportivo baiano é ridículo, vergonhoso e carrega manias deploráveis para manter o mínimo de lucratividade. A maioria age como torcedor travestido de jornalista, basta ver a diferença de cobertura da dupla Ba-Vi. Qualquer coisinha do rival é exaltada enquanto nossas conquistas são minimizadas a todo custo, omitem os problemas do Bahia até onde podem e lançam crises na gente sem a devida apuração dos fatos.

Temos também os cronistas que só visam encher os bolsos e que espalham fofoca quando não atendidos, muitos nem são formados em Jornalismo, a maioria está empregada por indicação de pessoas influentes, como políticos e empresários, fora os que são filhos de certas figuras já conhecidas do meio comunicacional. Há até jornalista que empresaria e agencia jogadores de futebol e que indicam e até colocam jogadores nos clubes. Cadê a ética nisso?

Há também os que possuem empresa de agenciamento de futebol e são apresentadores de programa esportivo. Então, vamos nos policiar galera! Cada cronista de nosso estado tem seu interesse pessoal, financeiro e político. Até porque é a primeira vez que o Vitória NÃO está sendo gerido por famílias tradicionais da Classe A. A chapa Vitória do Torcedor representa as classes B, C e D. Do atual Conselho Deliberativo cerca de 90% são de torcedores comuns de arquibancada. Então os cardeais que se acostumaram a brincar de serem donos do Vitória estão usando de tudo para que a gestão Ivã de Almeida dê errado. Na última semana teve um ex dirigente da chapa de Ricardo David que comprou espaço no site Arena Rubro-Negra para detonar seus desafetos e, para isso, divulgou informações sigilosas da última reunião do Conselho Deliberativo. Por conta deste fato, ele será acionado pela Comissão de Ética, correndo o risco de exclusão do título de Conselheiro Nato.

Enfim, reconheço que o carro-chefe do clube está falhando e falhando feio, que é o Futebol Profissional. Precisamos mais do que nunca dar um norte neste setor, fazer melhores contratações de atletas e de treinador, buscar títulos maiores, que com certeza diminuirá bastante este caos que querem impor na gestão Ivã de Almeida. Entretanto, os demais setores do clube estão evoluindo a passos largos, como a interatividade das redes sociais, a melhoria do site oficial (Comunicação), esportes olímpicos, patrimônio e jurídico. O presidente Ivã de Almeida sabe que o carro-chefe do clube precisa dar um upgrade e torço para que ele tome as rédeas disso o quanto antes. Mas eu não caio nesta pilha de nossa imprensa esportiva baiana e espero que meus leitores também tenham este tipo de postura.

#VAIDARCERTO

VITÓRIA SEMPRE!

Agora vem o Brasileirão

Depois de conquistar o Campeonato Baiano pela 29ª vez no último domingo, chegou a hora do Vitória “trocar a chave” e pensar no jogo deste domingo, que já é pelo Campeonato Brasileiro. Nossa diretoria precisa adiantar o lado e anunciar ótimas contratações, tanto para o elenco como definir o treinador certo e torço muito para que seja Eduardo Baptista, Levir Culpi, Marcelo Oliveira ou o próprio Nelsinho, pai de Eduardo Baptista. Por mais que eu reconheça o currículo de Ricardo Gomes e sua passagem na temporada 1999 onde fez a dobradinha sendo campeão estadual e regional, não consigo enxergar Gomes como a “solução” para o material humano que nós temos.

Dizem as “más línguas” que depois do AVC, Ricardo ficou com uma leve sequela na dicção e na velocidade do pensamento e que isso foi preponderante para ele ter ficado tão pouco tempo no São Paulo Futebol Clube. Boatos e preconceitos à parte, RG nunca foi um treinador vibrante, de botar o time pra cima. Ele é da linha mais cautelosa, sem ser excessivamente defensivo.

Nosso elenco precisa ser fortalecido ou vamos repetir a pífia campanha do ano passado e com o agravante de não ter um “doido endiabrado” como Marinho, que nos livrou do rebaixamento, na melhor temporada de sua carreira, já com 26 anos de idade e 7 de carreira profissional. Considero que precisamos dar a titularidade a Caíque ou partir para trazer um goleiro mais rodado e experiente na Série A, pois Fernando Miguel é muito inconstante e sentiu demais sua primeira participação na 1ª Divisão. Além disso, é necessário que a diretoria prospecte e busque, com carinho, um lateral esquerdo de verdade, dois zagueiros, um meia avançado central, que tenha mais vigor e habilidade que Cleiton Xavier, dois pontas com maior leitura de jogo (não basta só saber correr) e um centroavante mais eficaz e vívido que Kieza e André Lima. Ou seja, só aí eu listei 7 reforços.

Não há como negar, que só estamos na Série A neste ano por conta da excelente fase vivida por Marinho no Brasileirão passado.

Não acredito que Thallyson que está para ser anunciado hoje é este lateral esquerdo, conheço ele das passagens no Ceará e Flamengo e ele é do estilo Euller, isto é, razoavelmente bom no apoio, mas fraquíssimo na recomposição defensiva. Acho interessante a aposta em Todinho, que pode ser uma surpresa boa como foi Neto Berola entre 2009 e 2010, mas precisamos de dois extremos que já tenha disputado a Série A como titular e com relativo sucesso. Série A não é campeonato baiano. Enfrentar os 12 maiores clubes do eixo RJ-SP-PR-MG-RS é bem diferente de jogar contra as babas do boi cansado de nosso futebol, além de que vamos jogar 19 jogos fora de casa, e encarar estádios e torcidas grandes como Flamengo, Palmeiras, Corinthians, Grêmio, Atlético-MG, Cruzeiro, etc.

Infelizmente, este elenco montado às pressas até devido pelo processo eleitoral ter sido na 1ª quinzena de dezembro, parecia ser um time muito bom, com várias opções interessantes para o treinador. Só que não deu liga, fora que os meias mais famosos tiveram sucessivas lesões  jogaram menos de 5 partidas pelo rubro-negro, como Pisculichi e Dátolo, além do fato de Cleiton Xavier estar muito modesto do que já foi num passado recente, como no começo dos anos 2000, até boa parte de 2010. A intenção do Departamento de Futebol foi montar um elenco com duas ou três opções para cada setor, mas quem está conseguindo manter regularidade são os remanescentes de 2016 e a boa fase de David, que lembra um pouco a evolução de Elkeson durante a temporada 2010 e início de 2011.

Como não gosto de pintar o pavão, creio que com este grupo de jogadores que temos à disposição só posso dizer que brigaremos contra o rebaixamento. Este elenco precisa melhorar muito na atuação e consistência da mesma, para mudar minha opinião. Só com reforços pontuais e certeiros, além de um técnico verdadeiramente competente vejo uma saída para o Leão buscar a parte superior da tabela, ou seja, 10ª a 6ª posição.

Vitória Sempre!

#BAVI490 | AGORA É FINAL!

Passada a decepção das semifinais do Nordestão chegou a vez do Vitória tentar recuperar a autoestima de si próprio e da torcida com o título de bicampeão baiano que começa a ser decidida hoje à noite, mais precisamente às 21h45 na Arena Lava-Jato. Diferentemente do beócio ex-treinador, que dava a arma para Guto Ferreira escalando o time de forma antecipada, o interino (que num futuro próximo pode ser o novo Jair Ventura ou Zé Ricardo) esconde não só a escalação do line-up como também a formação tática.

Wesley Carvalho não deu nenhum sinal de que esquema vai adotar. Cabe aos jornalistas e ao blogueiro aqui apenas especular. Aposto que ele deve formar com Fernando Miguel, Patric, Kanu, Alan Costa e Euller; W. Farias, Uillian Correia e Cleiton Xavier; Paulinho, Pineda (André Lima) e David. Ou seja, com Kieza já vetado e André Lima a fazer testes momentos antes da partida, caso não dê para AL99, o time pode atuar com David como Falso Nove ou se Wesley for mais tradicional, lançar o jovem Rafaelson como centroavante.

Wesley Carvalho (interino)

Seja qual for a escalação e a formação tática, Wesley promete uma nova postura do time e que buscará incessantemente o título estadual. A meta é ampliar a vantagem no jogo de logo mais, vencendo o jogo. E espero que se o Vitória estiver com o placar favorável pare de se acomodar e a controlar o jogo. Foi este o grande causador de nossa eliminação, pois se partíssimos pra cima e aproveitasse as chances, teríamos goleados as sardinhas na partida 01 do Nordestão, o que forçariam eles a nos golearem na partida de volta. Além disso, faltou malícia da diretoria e comissão técnica do Vitória para atenuar o clima de guerra e chilique promovidos pela diretoria e jogadores do Bahia, o que evitaria aquele time super apático em campo, que mostrou claramente que sentiu a pressão “bélica” promovida pelas sardinhas irracionais.

Guto Ferreira com visual Emo.

Já Inhonho Ferreira deve promover a mesma equipe do último domingo apostando no “mito” de que time que vence não se mexe, com Edigar Júnio atuando como “falso nove”. Entretanto, ele pode voltar às origens já que terá o centroavante Gustavo à disposição.Com isso, o paquiderme deve formar com Jean Piu-Piu, Eduardo, Jackson (Eder ou L. Fonseca), Tiago e Armero; Renê Jr, Edson (Juninho) e Régis; Allione, Zé Rafael (Gustavo) e Edigar Júnio.

Elenco Campeão Baiano de 2008 que venceu a Finalíssima por 3×0, com show de Marquinhos e Ramon Menezes.

Talvez por estar com o mando de campo invertido agora e sabendo que a finalíssima que vale a Taça será no Barraquistão, os jogadores, diretoria e membros da Comissão Técnica do rival passaram a falar de clima de paz, a evitar de falar de “é guerra”, “sangue no olho”, justamente no jeito ardiloso deles de falsiani pra tentar ludibriar nossa diretoria e atletas. Eles que provocaram, agora poderão ter o troco no Inferno de Canabrava e já estão se passando por santinhos e coitadinhos. Segure a onda agora. Como dizia o nosso hit do estadual de 2008 “já que você provocou, agora experimenta, senta que é de menta! senta que é de menta!”.

Relacionados:

Goleiros: Fernando Miguel, Caíque e Ronaldo

Laterais: Patric, Leandro Salino, Euller e Geferson

Zagueiros: Alan Costa, Kanu, Bruno e Renê

Volantes: Willian Farias, Uillian Correia e B. Ramires

Meias: Cleiton Xavier, Gabriel Xavier, Pisculichi e Cárdenas

Atacantes: Paulinho, David, Pineda, André Lima e Rafaelson

DEJAN PETKOVIC ESTÁ DE VOLTA AO VITÓRIA

Antes de bater meia-noite e encerrar o dia 02 de maio, a diretoria do Vitória, por meio de suas redes sociais e site oficial divulgou a volta do eterno e mítico ídolo sérvio, Dejan Petkovic, ao Vitória. Já com a carreira de jogador encerrada, Petkovic retorna ao clube no cargo de dirigente, precisamente o de Gerente de Futebol Profissional. Se vocês não sabem quais são as atribuições deste cargo, cliquem aqui e fique sabendo. Há fortes indicios que Jorge Sampaio e Gerson Boka, atuais assessores de Sinval Vieira, no departamento de futebol, podem estar se afastando destes referidos cargos.

Vitória Sempre!