A IMORALIDADE DA ARENA FONTE NOVA

Inspirado pelo amigo rubro-negro Diego de Assis (@d_assiis no twitter) resolvi reforçar a thread que ele fez ontem sobre a imoralidade que está acontecendo com a Arena Fonte Nova e o Bahia nos últimos meses, em que praticamente o que parecia ser uma loucura ambiciosa do ex-presidente do tricolor, Marcelo Sant’Anna, começa a ganhar corpo com a gestão de Guilherme Bellintani que há pouco tempo era o secretário número um do Prefeito ACM Neto.

E o que era loucura ambiciosa e que está virando realidade, você deve estar se perguntando, não é? A resposta é o Bahia praticamente fazer da Arena Fonte Nova um estádio particular, sem precisar de arrendar como fez o Botafogo no Engenhão e, além disso, de ter loja oficial e agora um museu exclusivo do Bahia, sem gastar um tostão, nem mesmo um saco de cimento. Sem esquecer que o tricolor ganha fixo R$ 6 milhões anual e um valor variável com a renda de bilheteria, bares e lanchonetes, Espaço Lounge Premium (setor mais caro do estádio) e um bônus de R$ 12,3 milhões caso a média de público anual seja de 15 mil pessoas e quanto maior for esta média, maior o bônus, que não tem teto máximo, diga-se de passagem. Essas regalias e farras que o Bahia tem feito, é com dinheiro público, já que a Arena Fonte Nova é um estádio do Governo Estadual que está em regime de PPP com o grupo OAS e Odebrecht, além da verba de R$ 100 milhões pagas pelo Grupo Petrópolis para ter os direitos de Naming Rights da Arena (com o nome da cerveja Itaipava), em que esta grana é dividida entre o consórcio Fonte Nova Participações e o Governo do Estado.

Essas negociações atestam que o Bahia está sendo beneficiado financeiramente e patrimonialmente sem gastar um centavo. Isso é uma imoralidade sem tamanho e ofende a história da Bahia, da própria Fonte Nova e também de outros clubes baianos, inclusive ao Vitória. Ofende a Bahia porque o rival não é o único clube do estado e jamais gestores públicos estaduais e/ou municipais devem agir usando o lado torcedor para beneficiar o clube de coração. Vale ressaltar da intromissão do governo JW na política do Bahia e que culminou com a expulsão de Marcelo Guimarães Filho e a recente tentativa da prefeitura em financiar uma festa de 30 anos que o Bahia não vence um Nacional, que foi anulada depois da manifestação da União de Torcedores do Vitória (UTV), que na acusação apresentada fundamentava sobre a possibilidade do prefeito ser enquadrado em improbidade administrativa e desvio de finalidade com tal ato, ainda que o valor seja considerado irrisório por muitos.

Vale lembrar também que depois daquela tragédia no final de 2007, quando parte da Antiga Fonte desabou matando 7 torcedores, o rival ficou sem poder jogar em Salvador, já que a diretoria rubro-negra da época, pressionada pela torcida, resolveu recuar da ideia de alugar o Barradão para a sardinha. E o Governo do Estado, através do governador Jacques Wagner não mediu esforços para reformar o Pituaçu, sem licitação, alegando situação de emergência. Foram gastos milhões na revitalização do Pituaçu, que virou Elefante Branco e passa maior parte do ano de portas fechadas e sinais de abandono já começam a aparecer no gramado e nas arquibancadas.

E atualmente, o rival tem um contrato com uma das arenas feitas para a Copa do Mundo de 2014, nos moldes em que nenhum outro clube do Brasil possui, além de receber dinheiro público com a verba de todos os cidadãos baianos. Se isso por si só não for considerado imoral, o que dizer dos argumentos mais toscos e torpes que as autoridades utilizam para legitimar tamanha imoralidade? Chegam ao ponto de dizer que tudo que foi feito para o Bahia na Arena, não caracteriza o estádio como se fosse particular porquê podem ser desmontados, o argumento é frágil porque se você me der uma retroescavadeira, até a própria Arena Fonte Nova pode ser “desmontada”. A caracterização está na identidade visual do bem público.

Ou seja, hoje o Bahia é uma entidade privada que mama nas tetas do dinheiro público, com apoio político importante do Governo do Estado e com a sombra de ACM Neto por trás. Pra defender essa imoralidade, apenas sendo torcedor mesmo e daqueles bem fanáticos, e mesmo assim, é necessário usar de muita demagogia para defender essa doação ilícita disfarçada de “acordo comercial”.

Isso também ofende a história da Fonte Nova como palco do futebol baiano, não apenas do Bahia. Foi na Fonte Nova também que ocorreram alguns dos maiores momentos da história do nosso futebol, envolvendo também outros times da Bahia. O Vitória tem também uma história naquele pedaço de chão, como a campanha brilhante de 1974 e o vice-campeonato de 1993. Se hoje não é interessante para o Vitória, como entidade desportiva, mandar seus jogos exclusivamente na Fonte Nova, nada retira do Vitória o interesse no equipamento, que é público e não do Bahia. Não há argumento que venha dizer que o Vitória está errado em pensar assim, do mesmo modo que o Leão da Barra tem todo o direito de não querer mandar seus jogos integralmente na Arena, assim como o Estado não tem o direito de privatizar, “de graça”, o equipamento público em prol do Bahia. É muito simples. O que tem ocorrido aqui, não existe em nenhum outro lugar do Brasil!

Porém, segundo relata Diego Assis, há uma ação movida por um juiz baiano para contestar essa imoralidade com o dinheiro público e que segue em curso. A esperança é que o desfecho seja favorável às normas que regem o direito público, tais quais a impessoalidade e eficiência. O silêncio e a passividade do Esporte Clube Vitória vem da natureza do fracassado Ricardo David e sua latente incapacidade em gerir um clube desse tamanho. Mas o Vitória precisa se levantar, sua torcida necessita se mobilizar e encampar essa batalha. Não podemos deixar que o Bahia ganhe um estádio de graça, sem pagar um saco de cimento, sem usar dos artifícios legais como uma arrendamento (uma espécie de propriedade temporária). Há dinheiro de rubro-negro ali também. E se eu não estiver equivocado, para o Governo fazer uma doação de algum imóvel, tem que passar pelo crivo da Assembleia Legislativa da Bahia, não é como uma pessoa física ou jurídica comum não, que pode ceder bens móveis e imóveis ao seu bel prazer. Há um rito! Há todo um trâmite burocrático-administrativo quando se trata de Poder Público.

Pra concluir. O rival tem todo o direito de ter um museu e de exaltar a sua história. Sua torcida tem todo o direito de ter um ambiente em que se conecte com o passado. O que o Bahia não tem direito é de usar um bem público pra isso. O museu do Bahia tem que ser construído pelo Bahia, num espaço do Bahia e mantido pelo Bahia. Qualquer coisa diferente disso é farra com o dinheiro público e mistura entre o público e o privado.

Fontes:

https://globoesporte.globo.com/ba/futebol/times/bahia/noticia/bahia-firma-novo-contrato-com-a-fonte-nova-que-tera-gram-trocado-ainda-em-2018.ghtml

https://oglobo.globo.com/esportes/bahia-seguira-com-arena-fonte-nova-apos-reuniao-garantir-novo-contrato-15766622

http://globoesporte.globo.com/ba/noticia/2013/04/por-r100-milhoes-fonte-nova-fecha-com-cervejaria-e-ganha-novo-nome.html

https://www.bahianoticias.com.br/noticia/232490-neto-anula-patrocinio-de-r-40-mil-para-comemoracao-de-30-anos-do-titulo-de-88.html

http://www.iaf.org.br/ppp-da-arena-fonte-nova-lucrou-1319-milhoes-ate-2016/

Ninguém sente a derrota no EC Vitória

Texto de Vitor Hugo (@Victoraqua2992)

Não tenho bola de cristal e nem prevejo o futuro lendo as mãos de outras pessoas, porém tenho uma intuição bem forte. E foi essa intuição que no dia 19/02/2018 domingo do fatídico BaVi que nos rendeu o incômodo apelido de “galinhas” me fez pensar comigo mesmo “isso não vai dar certo” e eu tinha razão.

Nos dias posteriores ao episódio vergonhoso daquela tarde o clube e a torcida abraçaram a hashtag #fechadocomoecv que no momento foi vista como um motivador para o seguimento da temporada, porém com o passar das semanas o silêncio e a omissão da diretoria demonstraram o verdadeiro objetivo daquela campanha de marketing, esconder os verdadeiros responsáveis pela “fuga”. Os indícios de como seria a gestão de Ricardo David estavam expostos.

E foi a partir daí que toda desgraça recente passou a acontecer, perdemos o Campeonato Baiano dentro do Barradão, levamos um chocolate do Sampaio Corrêa na Copa do Nordeste, fomos goleados por Bahia, Santos e Atlético-PR, panela de jogadores comandavam o clube nos bastidores e no fim das contas fomos rebaixados a série B.

Oportunidades não faltaram para que providências fossem tomadas, faltou mesmo foi coragem, faltou foi sentir as derrotas. Ricardo David escondeu-se ao longo de 2018 e assistiu o Vitória definhar. O que a torcida ganhou de respostas? Apenas discursos vazios, pobres de ideias que se culminou na frase dita pelo mandatário em dezembro “aprendemos com os erros”, ninguém aprendeu nada, nada mudou.

Na derrota para o Moto Club os 11 comandados juntamente com Marcelo Chamusca foram reflexo de Ricardo David, apáticos, sem brio e força, covardes que pareciam apenas aguardar a derrota e a precoce eliminação na Copa do Brasil. E qual a medida tomada pela nossa direção após mais um vexame? Folga prorrogada por mais 24 horas aos atletas e comissão técnica.

É notável que o Vitória necessita de mudanças urgentes, não posso cravar que a solução seja a renúncia, mas é preciso ao menos ter a hombridade e humildade de pedir ajuda a quem entende minimamente de futebol. Porque quem entende de futebol não deixaria nosso gol “vazio” com Ronaldo e Caíque, não deixaria Ramon como titular entregando gols aos adversários desde 2016, não ficaria contente com o improvisado Jeferson na lateral esquerda, não assistiria Vilela assistir o jogo dentro de campo, não aprovaria esses nomes vindos do setor de inteligência (se é que existe), quem entende de futebol montaria pelo menos uma equipe competitiva.

Ricardo David você é o representante de mais de 3 milhões de torcedores que vivem o pior “momento moral” do Vitória em 120 anos. Você tem a obrigação de ser o primeiro a sentir derrota.

Victor Hugo

Engenheiro de Pesca, Professor, 26 anos, Rubro Negro.


Comentário do Blogueiro: Esse texto do amigo Victor Hugo foi muito bom, mas gostaria de esclarecer que quem criou a hashtag FechadoComOECV foi a torcida e não a diretoria. Foi a diretoria que surfou no efeito positivo da hashtag lançada pela torcida e não o contrário. E se a diretoria usou esta ação da torcida pra se omitir, a culpa é exclusiva dela, pois a hashtag visava combater a cobertura distorcida da Imprensa Esportiva Baiana sobre o Ba-Vi da Vergonha de 2018, não era de apoiar a violência ou a suposta fuga do campo, e sim, de proteger o clube de uma cobertura pra lá de tendenciosa dos meios de comunicação do Estado.

EU AVISEI! ESSE ELENCO É SEM CHANCE!!!

Era questão de tempo o primeiro grande fracasso do ano de 2019. Este arremedo de time montado pelo enganador do Ricardo David era sem chance! Muitos acharam que eu estava sendo precipitado, tomem aí a resposta. O VITÓRIA TOMOU 2X0 DO MOTO CLUB e antes de abrir o placar, na metade do segundo tempo, o tão propagandeado como ótimo treinador pela imprensa baiana, sobretudo pela equipe Donos Da Bola, de Juliana Guimarães, iria colocar um volante pra JOGAR PELO 0X0 com um time maranhense que acho que é de Série D!!!! Cadê meus ansiolíticos? Cadê meus sais?

Eu questionei aqui a ridícula tomada de decisão de jogar com time B contra o líder do Estadual na casa deles, pra “poupar os titulares” no jogo do Moto Club e aí, qual foi o resultado? EMPATAMOS COM A SARDINHA DE FEIRA E PERDEMOS TOMANDO BAILE DE UMA EQUIPE DO MARANHÃO! O poço parece não ter fim com essas sucessivas diretorias de bosta que vem assumindo o clube desde o ano da graça de 2014.

É lógico que o maior culpado, o número 01 é o Conselho Diretor do clube, que é composto pelo Presidente e Vice-Presidente, além do Diretor de Futebol, que apesar de não ser cargo estatutário (no sentido de ser eleito) faz parte das tomadas de decisão do clube e de seu carro-chefe, o futebol. Mas o fato de Ricardo David, Chico Salles e Alarcon Pacheco serem os alvos principais, não me impede a crítica e questionamentos ao treinador Marcelo Chamusca, que vem se comportando como um treinador de time pequeno, com manias de time pequeno, em jogar pelo resultado mais simples, sem ousadia, sem galhardia, além de ter os mesmos vícios de panela de Ricardo Silva e Vágner Mancini. Demorou muito pra Chamusca tirar Wesley Dias dos titulares e ontem ele iria colocar o cara por volta de 20min do segundo tempo, com o time do Leão empatando em 0x0, como castigo logo depois que ele botou o cara pra aquecer, o Vitória tomou o gol. 

Rodrigo Andrade e Léo Gomes é a dupla “menos ruim” deste elenco, mas ele insistiu várias vezes com as duas buchas vindas do Paraná e na meiuca seu amor é com Andrigo, jogadorzinho mixuruca, que me enganou bastante quando ele apareceu bem no Atlético-GO e em parte do campeonato cearense do ano passado, quando ele defendeu o Ceará e despertou o interesse do Sport que o levou antes mesmo de terminar o campeonato cearense.

Que atuação medíocre do Vitória ontem. Aliás, mais uma né? RICARDO DAVID se você tem algum sentimento de respeito ao ECV e à torcida, se afaste do cargo ou renuncie. Se espelhe em seu mentor, Carlos Falcão ou até mesmo com Ivã de Almeida, que ao ver que seria trucidado pelos ritos estatutários renunciou após de seis meses de seu pedido de afastamento do cargo. Deixe de ser cabeça dura, você não tem capacidade pra recuperar o clube, que você mesmo jogou no buraco. Entre seus discursos de campanha e a prática há uma enorme ponte, que ligaria o Brasil à China.

Bahia de Feira 2×2 Vitória | Treinador mexe mal e ajudou time de Feira a empatar

Pra começo de conversa quando li que o Marcelo Chamusca iria colocar o time reserva ontem, fiquei chateado. O Vitória tem obrigação de ser líder da baba deste campeonato baiano e botar os titulares contra a surpresa desse ano seria um bom teste para o adversário e teríamos, em tese, maior probabilidade de vencer. Não vi motivos para se jogar com o time B num confronto com uma das equipes mais fortes do interior e na casa deles. Entretanto, mesmo sendo o time reserva, o Leão sofreu um pouquinho, saiu atrás do marcador, virou a partida e por conta de mudanças erradas do conservador Chamusca, o Bahia de Feira voltou a ter volume de jogo e chegou ao gol de empate, mantendo-se assim como líder da competição.

Primeiro Tempo Conforme previsto por mim, com o time reserva em campo, o Vitória sofreu com a boa atuação do Bahia de Feira, que dominou praticamente os 45min iniciais, fazendo boas trocas de passe, movimentação e exigindo muito do Caíque. Não demorou muito para eles abrirem 1×0 com Deon, de cabeça, após cobrança de escanteio na área. Somente nos 15 minutos finais da primeira etapa que o Vitória passou a ameaçar a meta de Jair.

Segundo Tempo O Vitória voltou mais equilibrado para a etapa complementar e já não dava tantos espaços para o Bahia de Feira. Logo aos 10 minutos o Leão chegou ao empate, quando numa sobra de bola Bruno Bispo arriscou de longe, a bola desviou no zagueiro feirense, enganando o arqueiro Jair. Após o empate, o Tremendão partiu pra cima e teve outras duas chances de gol, inclusive acertando a trave de Caíque. Quando parecia que o Bahia de Feira iria fazer o segundo gol, o rubro-negro foi lá no ataque e virou o placar. Em lançamento na área, Cléber escorou para o lateral direito Wellison chutar de fora e novamente contando com desvio no defensor do Tremendão, a bola balançou as redes de Jair. Vitória 2×1. Com este gol o cenário do jogo mudou e o rubro-negro ficou muito perto de fazer o terceiro tento e matar a peleja, mas o Leão não soube aproveitar a pane do time feirense.

Na sequência, Chamusca mostrou mais uma vez que parece não ter caído a ficha de que ele não treina mais equipes pequenas do nordeste ou do interior de São Paulo, ao tirar jogadores ofensivos para entradas de dois volantes (Yago e Rodrigo Andrade), chamando o Bahia de Feira pro jogo e matando a força ofensiva do Leão. O castigo não tardou e por volta dos 34 minutos, o Bahia de Feira conseguiu o gol de empate e terminou a partida tendo várias chances de virar o placar. Por sorte, isso não aconteceu. Agora o Vitória vai encarar o Moto Club, quarta, às 21h15, no Maranhão, pela Copa do Brasil e no sábado (16/02) encara o Ceará, no Barradão, pela Copa do Nordeste.

MÍDIA INVERTE VALORES NA TRAGÉDIA DO CT DO FLAMENGO

Antes de mais nada, é triste demais o fato que aconteceu na última sexta-feira quando 10 adolescentes foram mortos carbonizados no CT do Flamengo num incêndio causado, pelo que tudo indica, por curto circuito no sistema de ar condicionado. Muito triste mesmo e quem tem o senso de empatia aguçado como eu, ficou despedaçado ao se imaginar sendo um parente destas dez vidas que se foram tão precocemente. Mas o tema que quero abordar neste espaço é a inversão de valores na cobertura pela mídia, sobretudo pela líder de audiência, Rede Globo.

Este negócio de #ForçaFlamengo é de uma infelicidade suprema, afinal o Flamengo foi o criminoso em questão, tal qual a Vale foi para Brumadinho e ninguém viu alguém fazer #ForçaVale. Assim como a empresa de mineração deixou de cumprir corretamente os protocolos de segurança e de manutenção da Barragem que se rompeu em 25 de janeiro, o Flamengo não tinha autorização, nem sequer fiscalização das autoridades no local improvisado em que eles botavam crianças e adolescentes para dormir. Foram cerca de 30 autos de infração que o Flamengo recebeu da Prefeitura do Rio por conta do CT, um edital de interdição chegou a ser emitido em 2017, além de que o local onde foram colocados os contêineres era marcado como estacionamento e o alojamento não foi apresentado ao Corpo de Bombeiros do RJ, portanto esse #ForçaFlamengo é uma completa inversão de valores e uma tentativa sutil de romantizar o fato e colocar o Flamengo como vítima, quando na verdade quem foram as vítimas FORAM CRIANÇAS E ADOLESCENTES e quem sofrerá de verdade com o impacto do fato serão os familiares das crianças vitimadas. O Flamengo foi o causador.

Uma equipe que faturou 40 milhões recentemente com a venda de um garoto surgido na base (Vinicius Junior), colocar as “futuras joias” pra dormirem em conteiner improvisado e com ligações elétricas na base da gambiarra, velho?! Isso demonstra total contradição com a causa chamada Divisão de Base, um verdadeiro descaso! Aí você lembra que o clube carioca quase gastou R$ 100 milhões com Vitinho e Arrascaeta, mas não pode gastar uns R$ 200 mil (ou mais) pra fazer um alojamento seguro e confortável para seus jogadores de base. E ainda tenho que ver a imprensa fazendo hashtag romantizando um clube que foi negligente com crianças e adolescentes…Me poupem! ForçaFlamengo é o k*ralho, ao Flamengo tem que ser dada uma punição severa tanto pecuniária como indiciar criminalmente os responsáveis pelo leque de armengue daquele alojamento conteiner.

VITÓRIA 4×0 JEQUIÉ | Acabou a zica dos placares mínimos

Depois de 11 meses o Vitória voltou a vencer uma partida oficial por diferença acima de 1 gol. Finalmente o rubro-negro fez uma partida com certa qualidade e volume de jogo típico de um futebol que todo torcedor gosta de ver, com troca de passes, infiltrações, variação de jogada e acima de tudo melhorando a pontaria. O primeiro gol saiu aos 22 minutos quando Erick cruzou na área, Yago tentou desviar e terminou enganando o goleiro. Seis minutos, em uma bela enfiada de bola de Ruy, Jeferson apareceu como elemento-surpresa e fez 2×0. Anotem essa data, afinal é história que estamos vendo. Jeferson, pé-duro máster, fez um gol e no maior jeito de centroavante.

No segundo tempo, o rubro-negro manteve o ímpeto e parecia disposto a acabar de vez com o triste tabu de só vencer pelo placar mínimo. Léo Ceará, talvez sentindo a chegada de Neto Baiano, tentava a todo custo fazer seu golzinho. Esforçado, tentou vários chutes de fora da área, exigindo muito do goleiro; em cabeçadas que o goleiro novamente o frustrou. Mas aos 37min não teve jeito. Da marca do cal, o camisa 9 não titubeou e marcou na cobrança da penalidade. Vitória 3×0. Outro que parecia afim de exorcizar os demônios foi Yago, que aos 44min, depois de receber na área, ajeitou o corpo e chutou firme sem chance para o goleiro do Jequié. Vitória 4×0. E poderia ser mais, pois o arqueiro do time do interior fez várias defesas dificeis, inclusive uma queima roupa de um torpedo dado pelo zagueiro Edcarlos!

Com a vitória por 4×0, o Leão se aproximou mais ainda do Bahia de Feira, nosso próximo adversário, neste domingo (10) às 16h na novíssima Arena Cajueiro, na belíssima Feira de Santana.

VITÓRIA SEMPRE!

Não deixe a CRN acabar. Acesse a Seção “Comercial” e saiba como contribuir com o blog.

VITÓRIA x JEQUIÉ | Vencer é obrigação

O Vitória encara o Jequié hoje à noite no Barradão (19h30) e tem a obrigação de vencer pra apagar o empate e atuação medíocre da semana passada contra a Jacuipense, quando o Leão saiu atrás do placar e só empatou numa cobrança de pênalti do meia Nickson. Para o duelo de logo mais, o rubro-negro irá com o time titular e o provável line up será Ronaldo, Matheus Rocha, Gabriel Silva, Edcarlos e Jeferson (Arroyo); Rodrigo Andrade, Leandro Vilela, Ruy, Yago e Erick; Léo Ceará. O técnico Marcelo Chamusca poupará o zagueiro Thales e o meia Andrigo.

ELE VOLTOU Ontem a diretoria confirmou o quarto retorno de Neto Baiano ao Leão da Barra. Neto teve sua primeira passagem no Vitória em 2009 (10 anos atrás), depois saiu e retornou em 2011, onde permaneceu até 2012 (sua melhor temporada no clube quando fez 38 gols no ano) e depois voltou em 2015, quando teve a pior participação no rubro-negro, quando perdeu penalidade contra o Colo-Colo, que contribuiu para a eliminação precoce do ECV do Baianão daquele ano. A pior consequência disso foi a não classificação para o Nordestão de 2016. Além disso, outro motivo para a dispensa de Neto ao final daquela eliminação foi o elevado número de queixas do jogador na imprensa, quando ficou alguns jogos na reserva, desrespeitando não só a diretoria como a comissão técnica, pois jogador nenhum é contratado pra ser titular.

Se dependesse de mim, se eu fosse consultado eu responderia “NÃO, não quero Neto Baiano aqui. Ele já deu a sua cota de contribuição, não é esse jogador todo e já tá veterano”. Mas agora que ele foi oficializado não estarei sendo um verdadeiro rubro-negro se ficar torcendo contra, apenas por birra pessoal. Ressalte-se que o Vitória está acima de meus interesses e conceitos pessoais. Que ele torre a minha língua fazendo muitos gols como na temporada 2012!

Vitória Sempre!

Bahia 1×1 Vitória | Ronaldo e Matheus Rocha frustram torcida rival

O Bahia nunca teve uma chance tão vívida para tentar, ao menos, descontar as goleadas de 2013 como o jogo de ontem na Arena Fonte Nova. O Vitória está com um elenco de bosta, um treinador que parece ser fã de Mancini (mesmas manias) e que ainda está sem ritmo de jogo. Mesmo assim, o rival mostrou que peida na farofa quando é colocado como super favorito e não aproveitou a chance. Mesmo sendo mais agressivo a maior parte do jogo, eles não conseguiram golear e ainda recuperaram a moral do goleiro Ronaldo que pegou tudo e sofreram um baque com o golaço do novo lateral direito rubro-negro, Matheus Rocha, que soltou um petardo aos 18min do segundo tempo, empatando a partida.

Primeiro Tempo Como era de se esperar, o Bahia partiu pra cima e o Vitória foi imprensado pro campo defensivo. Logo aos seis minutos, em cruzamento na área, o lateral esquerdo deles, Moisés, cabeceou duas vezes, exigindo duas brilhantes defesas do goleiro Ronaldo. Aos 18 minutos, Gregore teve a liberdade para pensar e lançar para Artur, que desviou de cabeça para uma improvável e linda bike de Gilberto. Jahia 1×0. Aos 35 minutos, em nova cobrança de falta na área, o meia Artur parou em Ronaldo. Neste primeiro tempo ficou evidente a falta de qualidade da dupla de volantes vinda do Paraná Clube, principalmente de Wesley Dias, que jamais deve ser titular na frente de Rodrigo Andrade e que só é assim porque nosso treinador, cover de Batoré, o indicou.

Logo no primeiro ataque do segundo tempo, o rival quase marcou 2×0 quando Rogério veio em sua jogada característica – partindo pra cima do flanco esquerdo e chutando em diagonal no canto contrário – mas era dia de São Ronaldo na Arena!! Aos 11 minutos, o arisco Artur, que parece muito com o estilo de jogo de Marinho, catou todo mundo pela ponta direita e mandou um balaço de canhota, mas advinha onde ele parou? EM RONALDO DE NOVO! E a bola ainda bateu no travessão. Se fosse valendo no Cartola FC, o goleiro rubro-negro faria mais de 18 pontos ontem, #botefé!

Só que aos 18 minutos, Yago recebeu bola no flanco esquerdo, cruzou na área, a zaga tirou e a bola sobrou para Matheus Rocha, que dominou e soltou o petardo sem chance para Douglas. VITÓRIA 1×1 Sardinha. O grande detalhe é que Matheus Rocha, emprestado pelo Palmeiras, só tinha atuado pelas categorias de base do time paulista. Portanto, ontem foi sua estreia no profissional e ele foi super feliz. Fazer um golaço daqueles no maior clássico nordestino, vai marcar pra sempre a carreira dele. Ele nunca mais vai se esquecer deste dia, mesmo que ele vire um novo Daniel Alves ou um Jeferson (:P).

Após o gol de empate, a sardinha acusou o golpe e perdeu aquele ímpeto do primeiro tempo e do início da segunda etapa. Pouco ameaçou a meta rubro-negra e o goleiro Ronaldo. Já para o Vitória foi um resultado até positivo, diante da situação toda exposta no primeiro parágrafo deste post. Entretanto, ainda irrita a torcida o fato de que o Vitória não vence a sardinha há quase 2 anos (última vez foi em maio/2017), ou seja, 11 jogos.

Agora o Leão da Barra só volta a campo na próxima quarta-feira, 06/02, às 19h30 no Barradão, onde enfrenta o Jequié pelo Campeonato Baiano.

VITÓRIA SEMPRE!

#7a3épraquempode

#5a1éziriguidum