Atlético 1×1 Vitória | Melhora mínima, resultado mínimo e mais uma vez Ramon apronta

O Vitória teve uma leve melhora de rendimento na tarde de ontem, abriu o placar aos 8 minutos com Everton Sena numa forte cabeçada após cobrança de escanteio, mas permitiu o empate aos 4 min do segundo tempo, em cobrança de penalti de Mike, penalidade esta cometida mais uma vez por uma domingada de Ramon, que atua profissionalmente há quatro anos e não evoluiu 1% de 2015 pra cá. Com o resultado, o Leão da Barra caiu para a 18ª posição e o Atlético-GO se afastou um pouco mais do G4.

Primeiro Tempo Uma das surpresas na escalação foi a presença de Ronaldo entre os titulares e sinceramente, dos catadores de borboletas que temos, Ronaldo é o que cata menos. Aparentando mais organização tática entre as linhas, o rubro-negro baiano mostrou logo que estava em busca de apagar a má jornada passada. Aos oito minutos em cobrança de escanteio conseguiu logo o seu gol com Everton Sena, que tomou o posto de zagueiro-artilheiro de Edcarlos (bate na madeira!). Entretanto, a evolução do Vitória da semana passada para esta foi mínima. Tanto é que a criatividade do time inexiste, praticamente, e os volantes continuaram a dar vacilos, sobretudo na cobertura dos laterais, além dos extremos continuarem achando que não devem voltar pra marcar. Para piorar, perdemos Felipe Garcia no começo do jogo, por lesão, o que fez gastar uma substituição muito cedo. Porque, vamos ser justos, Felipe Garcia não faz lá diferença alguma né? Talvez por ser relativamente alto e forte, pode dar mais resultado como centroavante!

Segundo Tempo Precisando dar uma resposta a sua torcida, o Dragão voltou com tudo para a etapa complementar e não demorou muito para empatar. Aos 4 minutos, Ramon mostrou que continua sendo um zagueiro cabaço e deixou a perna do jeito que todo atacante manhoso quer pra simular a penalidade. O juiz caiu na simulação e marcou. Na cobrança, Mike empatou a partida. A partir de então voltou a ser aquele jogo em que o Atlético-GO estava mais próximo de virar do que o Vitória marcar o segundo e tomar as rédeas do jogo.

Entretanto, como disse no pré-jogo, o time do Atlético-GO não é nada brilhante, não tem o bom futebol como virtude e sim lampejos de um jogador ou outro e da letalidade de seus contra-ataques. Quando não está numa tarde muito inspirada não incomoda os adversários. Exceto pela entrada do arisco Héctor Bustamante, conforme também avisei na preleção, que é um ponta que incomoda, que tem habilidade e incendeia os jogos quando entra no 2º tempo. E após a expulsão de Matheus, do Dragão, o Vitória fez uma pequena blitzrieg nos minutos finais, tendo duas grandes chances de gol: Uma com Nickson, que o zagueiro tirou em cima da linha e outra num chutaço de Marciel de fora da área.

Vale ressaltar que do jogo de ontem deu pra perceber que Marciel não é volante. Seus melhores momentos do jogo foi quando ele passou a jogar mais adiantado, praticamente como um meia ao lado de Ruy. Assim como Rodrigo Andrade, por mais que tenha um extracampo complicado e uma tendência a engordar, é o nosso melhor volante, pois sabe marcar e tem qualidade na saída de jogo e toque de bola. Bispo parece ter sentido o jogo ontem, afinal é a primeira vez que ele disputa algo sem ser o Baianinho e a última divisão nacional e Léo Gomes não quer jogar mais pelo Vitória. É difícil compreender isso? Léo Gomes joga sem raça, sem comprometimento e vem errando passes de meio metro!

Outra coisa, ou contrata um lateral direito digno (e um goleiro também!!) ou bote um esquema sem laterais, já que CAPA também tem sido um ponto bastante fraco de nosso time. Existem o 3-6-1, o 3-5-2 e o 3-4-3, quando você pode escalar os caras da posição, Osmar Loss! Novamente vai teimar no 433 nem que seja improvisando volantes de laterais e atacantes lentos e cabeçudos como pontas? Se você não confia nas laterais, ao invés de improvisar volantes de laterais, escala três zagueiros e povoa o meio de campo, ô cabeção?! 

Para encerrar, até quando Neto Baiano vai ser titular ad infinitum no Leão? Quem é o padrinho dele no Vitória? Está na cara que Neto Baiano morreu para o futebol. Ele simplesmente não consegue acompanhar os lances, quando as raras bolas chegam nele, ele sempre tá fora de posicionamento ou simplesmente acontece o Mustela Putorius Furo, o furão! O cara não tem arranque, não tem ginga pra vencer no um-a-um, não tem mobilidade e só fica ou cometendo sucessivas faltas nos goleiros adversários ou batendo faltas medíocres na barreira e segue sendo o Sr. cobratudo! Acompanhem abaixo o scout dele no jogo de ontem:

1° TEMPO

1 min – cara de choro
5 min – abriu os braços
10 min – fez falta
29 min – fez falta
30 min – fez falta
45 min – cara de choro

2° TEMPO

1 min – cara de choro
5 min – abriu os braços
8 min – cobra falta na barreira
10 min – fez falta
11 min – fez falta
12 min – cara de choro
15 min – abriu os braços
18 min – cobra falta na barreira
21 min – faz cara de choro
30 min – fez falta
34 min – abriu os braços
35 min – cara de choro
38 min – fez falta
40 min – cara de choro
43 min – abriu os braços e reclamou
45 min – reclamou

Pós jogo nas redes sociais e durante a semana: Faz piadinha com o rival, chama ex companheiros de clube de corno na lives deles. Se irrita com críticas!

Atlético-GO vs Vitória | Em busca da reabilitação

O Vitória entra em campo às 16h deste domingo (26) com um desejo imenso de voltar a vencer, apagar a péssima imagem deixada na semana passada contra o São Bento e renovar as energias com o novo técnico Osmar Loss, ex Corinthians e Guarani. Como era esperado, depois daquela vergonha de perder de virada por 3×1 para o modesto São Bento, não tinha mais clima para a permanência de Cláudio Tencati no comando técnico do Leão da Barra.

Durante a semana, o novo treinador conheceu os jogadores do elenco e passou a apresentar a sua filosofia de jogo. Num dos primeiros treinos dedicou-se integralmente a trabalhos táticos, visando corrigir a péssima organização e compactação do time rubro-negro em campo. Espero que isso realmente seja trabalhado e corrigido logo, pois, ao assistir diversos jogos das Séries A e B, noto que o Vitória é o time que mais atua errado e com marcação frouxa – pra não dizer inexistente. E para ter uma solidez defensiva, não precisa ter os melhores volantes, laterais e zagueiros do mundo. Basta se espelhar no Sampaio Correia, que mostrou nesta semana que para dificultar um adversário mais qualificado tecnicamente, basta reduzir distâncias entre as linhas, ter um poder alto de concentração e gana durante a partida.

Já a equipe goiana, treinada por Wagner Lopes (foto), está na 8ª posição com 7 pontos e compensa a falta de brilho individual de seus atletas, com uma eficiência incrível quando ataca, além de um pragmatismo tático que dá nó na cabeça de quem olha o elenco do Dragão e não dá nada por ele. Assisti alguns jogos do Atlético-GO neste começo de Série B e é tipo assim: eles ficam naquele joguinho feio e modorrento, com o adversário até se criando em determinado momento, aí de repente, eles encaixam um contra-ataque e pimba. Gol. Se retrai novamente, o adversário volta a se organizar, erra um passe lá na frente e em outro contragolpe, outro gol do Atlético. Um exemplo disso, foi no jogo contra o Criciúma.

O rubro-negro goiano terá praticamente todos os seus titulares à disposição, exceto Gilsinho, vetado pelo DM. Em seu lugar, o técnico Wagner Lopes está na dúvida entre os gringos Héctor Bustamante e Jarro Pedroso. Todo cuidado com o Bustamante, ele é arisco, habilidoso e costuma incendiar o jogo quando entra no segundo tempo. De primeira nunca vi o rendimento dele. Em relação a Jarro Pedroso, é um jogador mais lento, porém de maior força e porte físico, ou seja, seu ponto forte é bola aérea e disputa corpo a corpo. Outros destaques do Dragão são os chutes de média distância de Pedro Bambu e o oportunismo do centroavante Pedro Raul.

Em condições normais, o jogo deste domingo seria de favoritismo do Vitória, mas por estarmos com um elenco sofrível até para os padrões da Série B (não é à toa que só vencemos um jogo em quatro), o time goiano é o grande favoritismo por estar jogando em casa e por ter um esquema de jogo mais enraizado que o nosso. Aliás qual é o nosso esquema de jogo, se não o velho bufo-bufo de Ricardo Silva de 2010 e os gols achados por erros cavernosos dos adversários? Mas quem sabe este domingo seja o de uma grande surpresa, do time jogar minimamente organizado, achar o seu golzinho e segurar o resultado? Oremos…

Vitória Sempre!