Triste Vitória!

É meus amigos, não adianta a torcida ir para o Barradão, fazer o seu papel de apoiar e vaiar apenas em alguns lances esporádicos e, principalmente, após aos términos das partidas. O Vitória edição 2017 não gosta de seu torcedor e parece que está empenhado em voltar para a Série B. O jogo contra um dos piores times do São Paulo foi um grande golpe a minha autoconfiança de torcedor rubro-negro e creio que para muitos também. O Tricolor Paulista dominou grande parte do jogo, sobretudo no meio de campo, quando sabíamos na véspera que o São Paulo iria no esquema 4-1-4-1 que oscilava para o 4-5-1 a depender da posse de bola. Eles povoaram o meio de campo e Mancini foi no 4-3-3 com um lateral direito improvisado na esquerda e Kieza no lugar de David, que se não é muito presente e incisivo no ataque, é muito útil na recomposição do meio de campo pelo lado esquerdo. Mancini fez duas cagadas numa só, enfraqueceu completamente o lado esquerdo e botou Kieza, vindo de lesão, como extremo esquerdo. Vá ser burro assim, na casa do capiroto.

O resultado vimos e sentimos. O São Paulo nos venceu por 2×1, sem sofrer grandes sustos, exceto pela fumacinha que Neílton e Patric colocaram no começo daquele segundo tempo quando ambos perderam excelentes chances de gol, além do chutaço na trave de Uillian Correia em cobrança de falta (no primeiro tempo). Só fizemos o gol “engana-besta” já nos acréscimos mas no bufo-bufo e desespero do que por consciência da bola trabalhada. Somente com 2×0 contra, Pirracini resolveu “consertar” o buraco do meio de campo colocando Cleiton Xavier e Carlos Eduardo, jogadores de cadenciamento, num momento em que precisávamos de velocidade e jogadas de imprevisibilidade técnica, como dribles desconcertantes e passes rasga-defesas e sabemos que estes dois não possuem tais características.

Na verdade, sabendo que não tinha um lateral esquerdo confiável qual seria a de Mancini? Na minha opinião ele tinha duas opções: (1) Colocava o time no 3-5-2 com Ramon, Wallace e Kanu na zaga; Uillian Correia, Fillipe Soutto e Yago no meio, com Caíque Sá e David como alas; Neílton e Tréllez no ataque. (2) Colocava Fillipe Souto na lateral esquerda para jogar até a linha do meio de campo e com David fazendo o corredor esquerdo e voltando para proteger Soutto. Ele escolheu a pior de todas e ainda tirou um cara da base, de 21 anos, que tem força física e velocidade para apoiar e marcar para colocar um centroavante vindo de lesão para atuar como extremo esquerdo. Me bata um abacate com leite e açúcar Mancini. Por isso eu nunca confio 100% em você. Nunca aprende, quando aparenta ter evoluído vem com essas pardalices inexplicáveis.

Enfim, agora enfrentaremos o Atlético Mineiro no Independência neste domingo e nada de achar que esta “mística” dos jogos fora de casa é eterna. Sinceramente eu acho que esta “lenda” termina nestes dois próximos jogos contra o Galo e Botafogo. Claro que, pelo momento do time mineiro, é até “visualizável” um triunfo em cima deles. O Galo está muito mal na competição, tem um elenco muito interessante, mas os resultados não estão vindo a contento. Agora, diante do Botafogo eu duvido muito o rubro-negro se dar bem lá. Por mais que tenha um time “comum”, aparentemente, o Botafogo está muito bem encaixado com Jair Ventura. E como disse, não é porque ganhamos Flamengo, Corinthians e Coritiba fora que venceremos todo e qualquer jogo como visitante, a partir desses resultados importantes.

O preocupante é que acho que esta “fase áurea” e inédita de vencer sucessivos jogos como visitante está perto de acabar à medida que seguimos um lixo como mandantes, tendo a pior campanha na história do clube na Série A. E aí, quem vai nos salvar quando voltarmos à normalidade histórica como visitante?

Triste Vitória!

Anúncios

VITÓRIA PROVE QUE VOCÊ GOSTA DA TORCIDA VENCENDO HOJE, DIACHO!

Não fiz o pós-jogo do empate medíocre contra o Fluminense na semana passada propositadamente. Estou puto com esta campanha vergonhosa do Vitória dentro do Barradão. O que era tabu – vencer fora de casa – virou normalidade e o que era normal – vencer em casa – virou raridade, artigo de luxo. E sinceramente, prefiro PERDER 90% dos jogos fora e vencer 90% dentro do que a situação atual de inversão de poderio rubro-negro. Eu gosto de ir ao estádio e sair de lá COMEMORANDO VITÓRIAS, TRIUNFOS E TÍTULOS e não empates e derrotas que fazem a gente sair com ódio nas ventas!

Hoje o Vitória terá mais uma chance de provar que gosta da sua torcida, pois pelo que parece eles tão de mal com a galera, pois até jogos duríssimos fora de casa o time ganha, mas dentro de casa perde ou empata contra qualquer catado!! Já perdi a paciência! Ou vence hoje ou largo de mão novamente! Não tenho sangue de barata e sei que não será todo jogo fora que iremos fazer a festa. Cedo ou tarde voltaremos a ter aquela campanha medíocre depois que pega o avião no aeroporto e deixa as fronteiras baianas, por isso esta minha agonia com o rubro-negro fazendo mais de 10 jogos em casa tendo vencido apenas duas, sendo a última no início de agosto, contra a Ponte Preta. Já estamos entrando na segunda quinzena de Setembro! Não tolero mais um empate (muito menos derrota) dentro de nosso mando de campo.

O São Paulo deste ano tem um puta elenco olhando no papel, nos games de computador, XBOX e Playstation, mas no mundo real, onde Temer recebe R$ 500 mil de propina da JBS e Geddel se torna o Tio Patinhas da vida real com R$ 51 milhões dentro de um apartamento, este tricolor paulista tá com cara de América-RN quando, numa cagada suprema, alcança a Série A do Campeonato Brasileiro. Seja dentro ou fora de casa, o São Paulo não vem assustando ninguém e tem um bom tempo que não vence ningas, é o pior time visitante da competição e enfrenta o Vitória, o pior mandante.

Pela força, história e tradição devemos sim respeitar o adversário paulista, mas os jogadores devem entrar em campo e enxergar o escudo do Ferroviário-CE, ou seja, com confiança, com consciência que pode vencer. Sem esta de achar que enfrentaremos o São Paulo de Telê Santana ou o de Muricy de 10 anos atrás com Dagoberto, Borges e Aloísio Chulapa. Enfrentaremos um time muito abaixo do poderio consolidado do SPFC no cenário nacional.

Temos totais condições de acabar com esta inhaca desgraçada hoje à tarde! Basta os jogadores quererem um pouco mais e tomar vergonha na cara, pois não tá nada gatinho ficar pirraçando a torcida com empates e derrotas seguidas no Barradão. Aí quando a normalidade dos jogos como visitantes voltar nos salvaremos como?

#cansado #querovencerhojeporra

De volta ao Lar

O Vitória volta a jogar pelo Barradão depois de um mês de ausência. A última partida no Santuário foi aquele inesperado gude preso do Avaí, que frustrou bastante a moral da torcida que vinha confiante e empolgada após ver o Leão detonar o Flamengo no Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro. Após este duelo, o rubro-negro encarou na sequência Corinthians e Coritiba fora de casa, venceu as duas e na sequencia as eliminatórias da Copa do Mundo paralisaram as competições por 15 dias, por isso esse longo período longe da Toca do Leão.

Precisando recuperar a mística do Barradão e a autoestima da torcida em seu mando de campo, os comandados de Vágner Mancini sabem que só o triunfo interessa logo mais às 16h. Saímos da zona, mas ainda estamos muito próximo dela, por isso é imperioso vencer estes dois jogos consecutivos que teremos no Barradão. Conseguindo este feito mataremos dois coelhos numa tacada só: Afastar-se mais ainda da zona e recuperar a força no Manoel Barradas.

Sem poder contar com Ramon e Yago suspensos, Vágner Mancini anunciou Fillipe Soutto e Patric em seus devidos lugares, com isso o Leão será, em princípio, mais ofensivo, pois estes dois substitutos tem como característica a chegada mais intensa no campo de defesa do adversário. O restante da equipe será a mesma que já começamos a decorar de “cór” e salteado.

Na 11ª posição, com 30 pontos ganhos e querendo se reabilitar da derrotada da rodada 22 quando perdeu para o rival Vasco da Gama, o Fluminense de Abel Braga chega a Salvador sem desfalques em relação à rodada anterior. Sabendo-se da inusitada campanha do Vitória como mandante neste Brasileirão, o tricolor carioca chega com confiança em desenvolver seu futebol e ser mais um algoz do rubro-negro. Entretanto, Abel Braga sabe que só quem morre de véspera é peru natalino e pede cautela, foco e atenção aos seus jogadores.

O Fluminense versão 2017 é muito inferior àquele do período 2009-2012, mas tem caras que podem desequilibrar como o arisco Wellington Silva, o meia Gustavo Scarpa (que está muito abaixo da temporada 2016) e do oportunista centroavante Henrique Dourado. O Vitória tem tudo para anular estas três peças e fazer seu jogo sem maiores problemas. O restante da equipe do Fluminense é composta por jogadores medianos e esforçados. O Leaõ precisa encarar este jogo com muita seriedade pois pode ser o pontapé crucial para a confirmação de que não iremos mais disputar a triste fuga do rebaixamento.

Vitória Sempre!

Relacionados

Goleiros: Caíque, Fernando Miguel e Ronaldo;
Laterais: Caíque Sá, Juninho, Geferson, Patric e Thallyson;
Zagueiros: Alan Costa, Bruno, Kanu, Renê Santos e Wallace;
Volantes: Fillipe Soutto e Uillian Correia;
Meias: Cleiton Xavier, Danilinho e Jhemerson;
Atacantes: David, Kieza, Neilton, Todinho e Tréllez

Mais uma chance de escapar do Z4

O Vitória encara o Coritiba na noite desta segunda-feira (28) e sabe que só o triunfo lhe interessa. Devido à péssima campanha feita no chamado “primeiro turno”, o Leão tem que rebolar muito para dar a volta por cima e neste aspecto, no que se refere aos duelos fora de Salvador, o Rubro-Negro vem conseguindo com êxito uma grande superação, pois desde que Mancini reassumiu o comando técnico, o time empatou em 0x0 com o Cruzeiro e venceu Flamengo e Corinthians também como visitante. O único deslize foi a derrota para o Avaí, no Barradão, logo após vencer o Mengão na Ilha do Urubu por 2×0. A rodada atual foi relativamente boa para o Leão, que basta vencer hoje para dar uma escapulida da zona do rebaixamento, também conhecido por Z4.

Em situação parecida no ano passado, o Vitória teve este grande desafio de vencer o Coxa no Couto Pereira, pela penúltima rodada, para livrar-se da zona do rebaixamento e conseguiu graças ao grande momento de Marinho naquele brasileirão. O ex camisa 7 estava “na bruxa” e foi o cara que decidiu e praticamente salvou o rubro-negro do rebaixamento, pois, com este triunfo, o Internacional precisaria dar uma goleada no Fluminense e o rubro-negro perder, em casa, para o Palmeiras. No jogo do Couto Pereira de 2016, Marinho fez um golaço pegando quase do meio de campo pelo flanco direito, partiu em velocidade na direção do gol, driblou cerca de três adversários até soltar um potente rojão sem chance para Wilson. Vale ressaltar que este magnífico triunfo e que contou com mais um gol “a la Messi” de Marinho terminou sendo ofuscado completamente pela imprensa esportiva na manhã seguinte por conta da terrível tragédia envolvendo o voo da Chapecoense para a Colômbia.

Sem contar com Marinho nesta temporada, o rubro-negro sabe que precisa levar muito a sério o duelo de logo mais para repetir a dose. Em termos de qualidade técnica e de potencial para desequilibrar assim como o nosso ex-camisa 7 temos Neílton e David como candidatos. Ambos são habilidosos, dribladores e velozes. O que pesa contra é que nenhum deles está numa fase “mágica” como Marinho estava. Entretanto, pelo lado positivo está a questão que se em termos individuais não temos um cara que esteja acima da média nas atuações, temos algo que não tivemos em 2016: Força do Conjunto. Apesar disso estar aparecendo tardiamente na competição, o Vitória de Mancini está melhor arrumado, possui maior compactação e coesão entre os setores do time. Por isso, o rubro-negro tem totais condições de repetir a dose da temporada passada, à medida que o Coritiba aparentemente está mais fraco que o ano passado e virá para este jogo com vários desfalques importantes como Kléber e Matheus Galdezani.

Mancini sabe que a missão ainda é muito difícil e deve estar enfatizando aos jogadores para não se empolgarem demais com os triunfos sobre os times preferidos da mídia do eixo: Flamengo e Corinthians. Por conta da péssima campanha do primeiro turno, o Vitória precisa de uma série de triunfos para se equilibrar na competição e não adianta muito vencer os times “mais famosos” e perder pontos para os concorrentes diretos que lutam para fugir do Z4 e o Coritiba é um desses times. Portanto, seriedade, foco, concentração e repetição do espírito de raça e combatividade dos jogos anteriores precisam estar presente logo mais no Estádio Major Couto Pereira, na capital paranaense.

Vitória Sempre!

Depois da Grande Decepção, outra Parada Indigesta

Não fiz o pós-jogo sobre o Avaí porquê eu sou ser humano, torcedor passional e fiquei muito pilhado com o que o clube protagonizou no sábado passado. Para evitar quebrar a própria regra que coloquei neste blog de “apequenar ou usar de termos que apequenam o clube”, além de passar do ponto nas críticas, eu preferi fingir que não aconteceu a partida da rodada passada, tamanha a descaração dos jogadores do Vitória, aliás, do clube. Essas típicas “gofadas” fazem parte da vida do clube, independentemente de quem seja a diretoria, elenco ou treinador. Desde que me conheço, o Vitória apronta dessas com sua torcida: Vencer quando 90% da torcida está desconfiada e perder quando 90% dela está animada ou com boas perspectivas de ver o time vencer, e bem.

A partida da semana passada foi muito cruel com a torcida rubro-negra, o Leão foi melhor boa parte do jogo, sobretudo no primeiro tempo, mas Neílton botou tanta pose e máscara naquela penalidade, que acabou perdendo. Além disso, o camisa 10 mostrou que não tem equilíbrio emocional nem poder de superação, pois teve três grandes chances para compensar a perda do pênalti e desperdiçou chances claríssimas de gols. Na única vez que o Avaí encaixou um contra-ataque fez seu gol através de Júnior Dutra. Castigo e muita raiva nas arquibancadas, sai do estádio completamente cansado desta eterna mesmice do Vitória em se repetir neste Loop Infinito. Parece que o clube tem mesmo um Espírito Seboso, que trava a instituição na mediocridade suprema.

Enfim, agora iremos enfrentar realmente o “Todo-Poderoso Timão”, na Arena Itaquera, com 40 mil pessoas já garantidas. O Corinthians quebrou todos os recordes neste BR, pois fez 47 pontos em 19 jogos (maior pontuação em um turno de Brasileirão) e dos 10 jogos que fez em casa venceu 7 e empatou 3, além de estar invicto há 34 jogos. Portanto, o favoritaço deste final de semana é o Corinthians. Fora que tem outro scout que nos faz sentir pequeno mesmo – Desde a nossa primeira participação em Brasileirão, 1972, e cerca de 80 jogos disputados, o Vitória nunca conseguiu vencer um dos 4 grandes paulistas atuando como visitante. Este é um “tabu” que incomoda demais, até pela quantidade de vezes que jogamos a Série A e de 8 dezenas de partidas contra os 4 clubes em SP. Clubes menores e nanométricos já aprontaram em cima de algum paulista em SP e a gente, com muito mais história, sempre servindo de bonus stage.

Diferentemente do jogo do Flamengo, o Vitória terá muito mais dificuldades, pois o Corinthians está jogando como uma orquestra de música clássica super entrosada e afinada. Mesmo sem ter jogadores famosos e talentosos como o Flamengo, o time paulista tem uma consistência tática e um espírito de coletividade que merece admiração mesmo. Vários atletas do atual elenco corintiano são bastantes comuns e que já foram reservas no Bahia como Marquinhos Gabriel e Paulo Roberto (que é reserva agora também). Mesmo estando em sua melhor fase da carreira, o futebol de Rodriguinho é muito inferior ao de Diego, do Flamengo, por exemplo. Jô e Romero não são sumidades, mas vem com uma eficiência absurda nas finalizações, fora a parte tática. O Vitória precisa fazer uma partida muito acima da média e o adversário ter um dia bem atípico, negativamente, para fazer uma gracinha. Só nos resta torcer para o improvável!

Vitória Sempre!

VITÓRIA X AVAÍ | É vencer para surfar nas ondas da recuperação

Depois de um primeiro turno deprimente e que já entrou negativamente na história do Clube, o Vitória terá a chance de reescrever a sua trajetória no Brasileirão 2017 a partir deste sábado, quando começa o “returno” da Série A com os derradeiros 19 duelos até o início de dezembro. Nos primeiros 19 jogos, o rubro-negro venceu apenas 5 partidas, sendo duas em casa e três fora, revelando um alarmante desempenho abaixo dos 40% de rendimento como mandante, ou seja, de 10 jogos realizados em Salvador, o Leão perdeu 6 e empatou em duas oportunidades.

Com o propósito de apagar a má impressão deixada na primeira metade do campeonato, a diretoria vem tomando várias medidas, como reformulação do departamento de futebol e de demais setores administrativos da equipe. Além disso, o treinador Vágner Mancini parece ter recuperado a moral do elenco e nos três jogos sob o seu comando foram 2 vitórias e um empate. E nada melhor do que enfrentar o Avaí, neste sábado, no Barradão para confirmar a mudança de ares no rubro-negro. Dono de uma das piores campanhas do Brasileirão, a equipe catarinense não tem muitos recursos técnicos em seu plantel e ostenta também uma das piores estatísticas em termos de gols tomados e gols feitos. Entretanto, nada de achar que é uma barbada, pois as duas vitórias como visitante deles foram em cima de Botafogo e Grêmio, que estão muito bem nesta temporada.

Vale lembrar que o goleiro avaiano está numa fase espetacular e “mitou” no cartola em várias rodadas, sobretudo nas únicas vitórias do Avaí fora de Santa Catarina. Portanto, o rubro-negro precisa jogar com muita dedicação, sem essa de achar que pode fazer o gol na hora que bem entender. Além disso, o Avaí não jogará aberto e querendo impor ritmo de jogo como foi o Flamengo na semana passada. Eles virão fechadinhos, na tática de contra ataques, defender e atacar em bloco. Por isso, toda a seriedade é necessária por parte dos jogadores do Leão da Barra.

Mancini aponta o caminho do triunfo

Sem poder contar com Wallace e Yago suspensos, o técnico Vágner Mancini deve colocar Bruno Bispo e Patric em seus respectivos lugares. O primeiro é um zagueiro da base que terá a sua primeira partida entre os profissionais, apesar de já ter 21 anos de idade. O segundo, Patric, jogará novamente como meia, posição que já desempenhou relativamente bem no Atlético-MG entre 2015 e 2016. Até porque, com as boas partidas em sequência de Caíque Sá, já ficou decidido que Patric dificilmente voltará a ocupar aquele posto. Demoraram de lançar o menino no time titular, mas desde que assumiu não decepcionou. Por sinal, com sua técnica de drible, velocidade e bom poder nos desarmes, o lateral já começou a ser observado por clubes do sul e sudeste. Mas o Vitória tem preferência na compra em definitivo do atleta e em breve poderemos ter uma boa notícia em relação a continuidade de Caíque Sá na Toca do Leão.

Já o Avaí, do treinador Claudinei Oliveira, vem para este jogo com três desfalques: Judson, Juan e Joel. No lugar do atacante camaronês um velho conhecido estará presente na partida: Willians Santana, que teve uma boa temporada aqui em 2008 ao lado de Marquinhos e Dinei. No mais, a equipe catarinense promete muita luta, raça e consistência tática para sair com um empate pelo menos. Para o Vitória, será necessário a mesma pegada dos últimos 3 jogos e com os atacantes sendo eficazes ao máximo nas finalizações, como contra o Flamengo, que mesmo sem atacar com constância fomos 3 vezes ao ataque de forma mais contundente e marcamos 2 gols, além de uma bola na trave por Santiago Tréllez.

VITÓRIA SEMPRE!

FLA x VITÓRIA | Parada duríssima!

Que parada duríssima, meus irmãos! Encarar este grande time do Flamengo na hostil Ilha do Urubu com eles pressionados pela torcida é praticamente uma missão de difícil execução, ainda pelo nosso momento de instabilidade no campeonato e nossas próprias limitações. Mas estas mesmas limitações não impedem da gente pregar uma peça neles, como fizemos em 1993 ou em 2008, com gol de cabeça de Dinei que garantiu aquele 1×0 em pleno Maracanã lotado, quando eles tinham Diego Tardelli, Obina e Ibson como grandes destaques!

O Vitória terá a partida mais difícil fora de casa até este momento do Brasileirão. Mesmo questionado pela torcida flamenguista por conta das duas derrotas para o Santos recentes, o Flamengo joga bem, está muito bem treinado por Zé Ricardo e possuem grandes talentos desde o gol ao centroavante (queria muito estar na atual condição flamenguista). Acho bastante curioso este “descontentamento” da torcida flamenguista, nos últimos 15 anos, o time disputava mais para evitar ser rebaixado do que outra coisa, o ponto fora da curva foi 2009 quando foi campeão, o time está no G5, passou para a próxima fase da Copa do Brasil e tem todo o potencial de subir na tabela, mas a torcida deles tá fazendo zuada. Imagine se estivessem perto do Z4?

Dinei também detonou o Fla em 2013 quando demos 4×2 no Barradão.

O CRF terá o desfalque importante de Paolo Guerrero, mas a cria da base, Felipe Vizeu, também tem suas qualidades. O meio de campo com Diego, Arão e Everton Ribeiro cria muitas chances de gol para Everton e o centroavante. Portanto, o Leão precisa se superar e anular os criativos meias do CRF. Outra coisa, se o ECV entrar em campo só para se defender assinará o documento da derrota. Precisamos atacar também e não vacilar nas chances que surgirem ao nosso favor.

Desfalcado de Uillian Correia, Vágner Mancini deve escalar Renê Santos ou Fillipe Soutto em seu lugar. O resto da equipe será idêntico aos dos dois últimos jogos. Desde que voltou ao clube pela 4ª vez, Mancini conquistou 4 dos 6 pontos disputados. O empate em 0x0 com o Cruzeiro, no Mineirão, onde o Leão fez uma boa partida e caso tivesse melhor capricho na finalização poderia ter saído vencedor é um alento para se pensar numa quebra total da imprensa nacional. Mesmo com um time bem arrumado, coeso e forte, o Flamengo tem seus pontos fracos e que o nosso treinador e jogadores saibam explorar.

O rubro-negro carioca entra como favorito neste jogo, mas o jogo é 11 contra 11 e muitas das vezes, aquele time mais limitado sai vencedor, desde que tenha uma força de vontade nas divididas e controle emocional. Vencer o Flamengo no RJ não é fato inédito para nós, entretanto nos pede uma maior dedicação na partida! Que o Vitória volte a aprontar das suas logo mais, para termos um almoço feliz neste domingão!

VITÓRIA SEMPRE!