Títulos

O Vitória é um clube tradicional e vencedor, por isso é válido ressaltar seus maiores feitos em sua história. As estatísticas foram retiradas da Revista Placar Guia do Brasileirão e Site Oficial. A seção “maiores ídolos” é um misto do consenso geral da torcida com as minhas preferências pessoais. Na seção dos melhores treinadores, o critério é participação destacada, sobretudo nos Nacionais. Ao lado de cada treinador está colocado o ano, já que vários treinadores citados já passaram mais de duas vezes na Toca do Leão.

trofeus

TÍTULOS

Taça Ciudad de Valladolid, Espanha: 1997

Pentacampeão do Nordeste: 1976, 1997, 1999, 2003 e 2010

28 Campeonatos Baianos: 1908, 1909, 1953, 1955, 1957, 1964, 1965, 1972, 1980, 1985, 1989, 1990, 1992, 1995, 1996, 1997, 1999**, 2000, 2002, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2009, 2010, 2013 e 2016.

*Em 2003, os outros grandes da região (Bahia, Santa Cruz, Sport, Náutico, Ceará e Fortaleza) não disputaram por temer retaliações da CBF e o Vitória peitou o maior órgão do futebol brasileiro e sagrou-se campeão jogando apenas com os pequenos clubes do nordeste. A final foi contra o Fluminense de Feira de Santana. DETALHE: O Vitória não sofreu nenhuma sanção da CBF por ter disputado a competição à revelia.

**Em 1999, O Esporte Clube Bahia se utilizou do Clube Social Itapagipe para “melar” o estadual. Mesmo tendo vencido o Leão por 3×1 na Fonte Nova (1º jogo da final), o tricolor conseguiu uma liminar que tirava o direito do Vitória em fazer a decisão no Manoel Barradas. O Vitória teria que vencer o Bahia por 2 gols de diferença para sagrar-se campeão. Em 2006, a Federação Bahiana de Futebol decidiu dividir o título mostrando conivência de um ato ilegal do rival e também uma certa dose de medo em declarar que o campeão lícito era o Vitória, que estava no gozo do que regia o regulamento do Campeonato Baiano de 1999 e teve seu direito cerceado por utilização de um clube amador como laranja que alegou falta de segurança e estrutura do Barradão para sediar jogos decisivos do campeonato baiano.

Campeão da Copa Repescagem CBF: 1989

Campeão da Taça Maria Quitéria: 1996

Campeão da Taça da Uva/Parmalat: 1994

MELHORES CAMPANHAS EM CAMPEONATOS NACIONAIS:

Vice-Campeão Brasileiro Série A: 1993

Vice-Campeão da Copa do Brasil: 2010

Vice-Campeão Brasileiro Série B: 1992

Vice-Campeão Brasileiro Série C: 2006

3º Colocado Brasileiro Série A: 1999

3º Colocado Copa do Brasil: 2004

5º colocado Brasileiro Série A: 2013 (melhor colocação de um time nordestino na Série A de pontos corridos)

PRINCIPAIS ÍDOLOS:

GOLEIROS: Dida, Detinho, Gelson Fogazzi, Fabio Costa, Andrada, Jean e Viáfara.

LATERAIS DIREITOS: Rodrigo, Russo, Nino Paraíba e Apodi.

ZAGUEIROS: Romenil, Flávio Tanajura, David Luiz, Anderson Martins, Wallace, Victor Ramos, Emerson, Valter, Agnaldo Liz e Fábio Bilica.

LATERAIS ESQUERDOS: Jorge Valença, França, Esquerdinha, Leandrinho e Marcelo Cordeiro.

VOLANTES: Bigu, Vampeta, Vanderson, Dudu Cearense, Matuzalém, Fernando, Ney Santos e Preto Casagrande.

MEIAS: Dejan Petkovic, Ramon Menezes, Paulo Isidoro, Roberto Cavalo, Adoílson, Magnum, Allan Delon, Cléber Santana, Escudero e Leandro Domingues.

ATACANTES: Osny, Mario Sérgio, André Catimba, Alex Alves, Ricky, Bebeto, Aristizábal, Quarentinha, Túlio Maravilha, Fischer, André Carpes, Zé Roberto, Edílson, Joãozinho, Índio, Neto Baiano, Alecsandro, Nadson, Marquinhos, Dinei e Roger.

TREINADORES: Aymoré Moreira (ano), Fito Neves (1993), Cerezo (1999), Arturzinho (1997), Péricles Chamusca (2000), Geninho (1998), Joel Santana (2001-2003), Evaristo de Macedo (1997), Vágner Mancini (2008) e Carpegiani (2009 – 2012).

EM CAMPEONATOS BRASILEIROS:

Técnico que mais treinou:
Carlos Castilho, 44 jogos (1973-74)

Técnico com mais vitórias:
Carlos Castilho e Geninho, 16

Técnico com melhor porcentagem de pontos:
Toninho Cerezo (1999); 51,9%.

Maior Seqüência de vitórias:
6 (2012, com Carpegiani), 4 (77-78 com Alfredo Gonzales), 4 com Lori Sandri em 2003 e 4 com Vágner Mancini (2008).

Maior Série Invicta:
15 jogos (1989-90 c/ André Cartimba (treinador, 6 jogos)e com Gainet, 9 jogos)

Maior série de derrotas:
12 (76-77)

Maior jejum de vitórias:
15 (1994)

Maiores goleadas aplicadas:
8×1 no America-RN (1980), 6×1 Paraná (2004), 5×1 União São João (1995), 5×1 São Paulo (2000), 5×1 Paysandu (2002) , 5×1 Flamengo (2004), 5×2 Botafogo, 5×0 Vasco (2008) e 6×2 Santos (2009).

Maior goleada sofrida:
6×1 Cruzeiro, Mineirão (1974), 6×1 Goiás (1998) e 5×0 Atlético-MG (1972)

Média de públicos em brasileiros:
12.699 (em casa)

Média de públicos em 2008:
15.745 (em casa)

Maior artilheiro:
Allan Delon (98-2002), 32 gols

Maior artilheiro num único campeonato:
Obina (19 em 2004), Edílson (18 em 2004), Roger (15 em 2009), Allan Delon (14 em 2000) e Petkovic, com 14 gols em 1998.

Maior Artilheiro em um só jogo:
André (4 gols) no jogo Vitória 5×1 Paysandu (2002)

Maiores públicos na Fonte Nova:

0×1 Palmeiras – Final do Brasileirão 1993: 77.772 pagantes

0×1 Flamengo – Brasileiro 1986: 64.462 pagantes

Maior público no Barradão:
50.000, Vitória 2×1 Atlético-MG, semifinal do Brasileiro 1999

Menor público no Barradão:
187, Vitória 1×0 Coritiba em 6/12/2003